Rapidinha – Mas já?

OITENTA E SETE dias depois, a empresa British Petroleum (BP) afirma ter interrompido o vazamento de óleo no Golfo do México.
Mas já?
Mas não fique feliz agora! Segundo a BP, o local do vazamento ainda estará sendo monitorado com máxima atenção pelas próximas 48 hs e só então poderá afirmar com certeza absoluta que novos vazamentos não ocorrerão.
Palhaçada.
Saiba mais:
G1 – Óleo para de vazar do poço da BP no Golfo do México pela primeira vez
BBC News – BP says oil has stopped leaking

Acompanhe:
Live feed from the Gulf of Mexico

Trafigura e a importação de lixo tóxico

É capaz de você já ter ouvido ou lido por aí sobre o mais novo escândalo do momento: a importação de lixo tóxico pela empresa Trafigura. É… é isso mesmo. Importação de lixo tóxico, você não leu mal.

Agradeça às mídias sociais por esse escândalo ter vindo à tona. O jornal britânico Guardian, pela primeira vez na sua história e contrariando os direitos de expressão dispostos em lei na Inglaterra desde 1688, foi proibido de falar sobre o caso. Foram pressões vindas de mídias sociais, como o Twitter – na qual #trafigura figurou entre os Trending Topics – que fizeram o bloqueio a censura cair, permitindo que os jornais britânicos seguissem com as denúncias.

O caso é o seguinte: Trafigura, com sede em Londres, é uma imensa comercializadora de óleo e commodities. A empresa é responsável pela morte e danos a mais de 30.000 africanos contaminados com lixo tóxico no que é chamado o pior desastre relacionado a poluição da atualidade.

Na semana passada, denuncias sobre o escândalo chegaram ao parlamento britânico em forma de uma pergunta sutil e de um relatório (conhecido como Minton report) – e foi aí que o jornal Guardian foi impedido de falar sobre o caso. O relatório dizia como o lixo tóxico de enxofre foi parar na região de Abidjan

Como aconteceu

O óleo de petróleo, comprado pela Trafigura no México, foi transportado pelo navio Probo Koala, e processado de modo, “porco” e barato – envolvia a chamada “lavagem cáustica” – nos tanques do próprio navio. Esse procedimento faz as impurezas do óleo de petróleo barato mexicano, basicamente derivados de enxofre, separarem-se do óleo tornando-o mais “puro” (e mais caro). Os resíduos de enxofre ficaram dessa maneira acumulados no fundo do tanque do navio e o óleo, pode ser comercializado a preços maiores.

Os resíduos que sobraram no fundo, após a retirada do óleo comercializável,  geraram uma forma de lixo tóxico, que após ser analisado em Amsterdan, recebeu uma proposta cara de manejo – não era o lixo tóxico habitual, era muito pior. Descontente com a proposta, o navio foi ordenado a buscar outros portos e seguiu para a África. 

Dia 19 de agosto de 2006 o lixo foi deixado em Abidjan. Assim que foi deixado, vários moradores locais começaram uma prática comum a eles: reviraram o lixo em busca de algo com valor suficiente para ser vendido.

O terrível cheiro tomou conta da região. Adultos e crianças morreram vítimas da intoxicação. Outras tantas ainda sofrem as consequências, como perda de seus bebês recém-nascidos. Rios foram contaminados, peixes morreram. Tudo isso para satisfazer a ganância por mais lucros da empresa Trafigura.

O que a empresa diz: Cheira, mas não é perigoso! 

Entretanto, em entrevista para a Newsnight, em 2007, o co-fundador da Trafigura, Eric de Turckheim não fica muito confortável com as peguntas: “Por que vocês mandaram o lixo para a África?” ou “Por que vocês mandaram para a África um resíduo que custaria meio milhão de euros para ficar seguro na Holanda?”

As respostas de Turckheim são vagas, e passam por “os resíduos eram apenas água, soda cástica e gasolina, não eram perigosos” ou “Ivory Coast é um ponto de comércio e tem autorização para lidar com os resíduos”. 

A entrevista vale a pena ser assistida se você entende inglês ou não, só para ver o desconforto do entrevistado – é o terceiro vídeo, nesse endereço.

Saiba mais

BBC News – Dirty tricks and toxic waste in Ivory Coast

Guardian – How UK oil company Trafigura tried to cover up African pollution disaster

Wikileaks – Minton report: Trafigura toxic dumping along the Ivory Coast broke EU regulations, 14 Sep 2006

Vídeo fantástico: Aquário de Okinawa

Pra mim, uma das coisas mais legais de se viajar, é visitar museus de história natural, zoológicos e, é claro, aquários. Se bem tratados, se os ambientes estiverem enriquecidos com brinquedos e brincadeiras (como caça a comidas, por exemplo), os animais ficam muito mais felizes e obviamente evitam bastante o estresse que pode ser viver em cativeiro.

Uma das principais tarefas dos zoológicos e aquários é proporcionar aos animais a melhor vida que se possa ter e mais parecida com o que possa ser viver ao natural (óbvio que nunca vai ser igual ao da vida no ambiente natural, mas tem que ser muito próximo da realidade).

A outra função primordial desses locais é proporcionar aos visitantes um espaço de educação não formal especial, no qual se é convidado a aprender mais sobre os seres vivos e, no caso dos museus, dos não-vivos (como rochas e peças que fazem parte de uma cultura) e dos que já foram vivos, mas que podem já estar extintos. Com isso, os visitantes podem se abrir a conceitos mais amplos como de conservação e preservação do meio ambiente, respeito à vida e às sutilezas e maravilhas das diferenças entre os seres da mesma espécie e das imensas diferenças existentes entre organimos de espécies diferentes, todas dividindo nossa imensa bola azul.

Sabendo disso, recebi da Paula um vídeo do aquário de Okinawa que achei fantástico! E claro, agora vou ter que visitar o Japão e vou ter que ver esse aquário com os meus próprios olhos. Sonhar  não custa nada e é o primeiro passo para uma realização, então vou sonhando assistindo a esse vídeo. Aí vai (notem os tubarões baleia e as raias, que fazem um show particular – e comparem o tamanho do aquário e dos animais com o dos mergulhadores no canto inferior esquerdo):



Todos os créditos para Jon Rawlinson

Não é fantástico?

Hora do planeta

horadoplaneta.JPG
Pois bem… chegou o dia da Hora do Planeta (ou a Hora do Apagão, segundo a senhora minha mãe).
A Hora do Planeta foi concebida com a intenção de chamar atenção das pessoas para o consumo consciente de energia – internacionalmente (no Brasil, ainda não – mas se depender do Minc e do Luiz Bento…), a produção de energia é a maior causa de emissão de gases do efeito estufa – e, portanto, (até onde rezam os relatórios do IPCC), do aquecimento global.
Aí, vamos discutir mais ou menos nesses termos:
Céticos: Mas vai adiantar apagar algumas luzes durante uma hora, num sábado?
Rastro de Carbono: Óbvio que não!
Céticos: Mas então, por que fazer?
Rastro de Carbono: Para conscientizar e mostrar para as pessoas como é fácil fazer ações que reduzam o nosso rastro de carbono.
Céticos: Mas nada garante que o cara que participar da hora do planeta hoje vai mudar seu estilo de vida, ou vai transformar alguma ação pessoal em algo mais limpo.
Rastro de Carbono: Bingo!
Céticos: Bingo?
Rastro de Carbono: É, a campanha está errada porque não ensina como continuar a ação de uma hora. Não dá dicas de como transformar seu estilo de vida, nem sequer pede para que você se preocupe com consumo de energia. Tanto que tem gente dizendo: vou twittar durante a hora do planeta pelo meu celular… ou vou aproveitar que não posso ligar o microndas para jantar fora… ou qualquer baboseira similar. E nessas, toda a ideia já se perdeu, toda a chance de conscientização em massa virou demagogia, ficou “para inglês ver”.
Céticos: Então você está dizendo que preferia que a Hora do Planeta não existisse?
Rastro de Carbono: Não… estou dizendo que queria que existisse mas que houvesse conscientização real, com educação ambiental de qualidade.
E, nesse diálogo fictício, mas absolutamente possível, vou dizer que minha casa vai ficar com todas as luzes desligadas durante a hora do planeta, por que estou na casa da minha mãe (HERESIA!!!). Mas, que na casa da minha mãe todas as lâmpadas são fluorescentes, que estaremos conversando altos papos na sala, e que – muito provavelmente – estaremos com todas as outras lâmpadas da casa desligadas. E, porque falamos demais, é bem provável que a televisão e o rádio também estejam desligados e, também por isso, meu computador e celular devem permanecer em silêncio absoluto.
Hora do Planeta pra mim, é igual Dia Internacional da Mulher e Dia do Índio – tem que ser todos os dias, senão não tem valor nenhum, nem como simbologia.
________________________________________________
Saiba mais:
WWF – Hora do Planeta
Earth Hour
Earth Hour no Flickr – veja como as pessoas estão participando ao redor do mundo

Maiores emissores de CO2 do mundo

A lista dos países que mais emitem CO2 do mundo tem mudado. Em 2003, a lista fornecida pela ONU trazia como primeiro colocado os EUA, com uma emissão anual de 5.799.240 (X 1000) toneladas métricas de CO2, ou seja, 21,2% de toda emissão de CO2 do mundo saía de solo americano. Os EUA vinham seguidos pela China (15,2%), Rússia (5,4%), India (4,6%) e Japão (4,5%). O Brasil ocupava a 20ª posição, sendo responsável por 1,1% da emissão mundial.

Considerando a emissão de CO2 per capita, [UPDATE] lista em português [/UPDATE] tudo (ou quase tudo) muda. Ainda em 2003, a emissão per capita dos EUA era 19,8 tonnes de CO2. Na Austrália, este número era 18, no Canadá 17,9, na Arábia Saudita, 13. A China, o Brasil e a India tinham emissões per capita de 3,2, 1,6 e 1,2 respectivamente.

Segundo a “Netherlands Environmental Assessment Agency” a emissão global de CO2 vindas somente de uso de combustíveis fósseis aumentou 2,6% em 2006 (menos do que em 2005, cujo aumento tinha sido 3,3%). O maior contribuinte foi o aumento de 4,5% no consumo global de carvão, principalmente pela China, responsável por 2/3 desta quantidade. A China ficou em primeiro lugar da lista dos países mais emissores, ultrapassando os EUA, principalmente por conta do aumento no uso de carvão e por ser responsável por 44% de toda produção mundial de cimento.

Em números brutos, considerando apenas gases liberados da queima de combustíveis fósseis e a produção de cimento, os EUA tiveram uma produção de 5,8 bilhões de toneladas métricas de CO2 enquanto a produção da China foi de 6,23 bilhões de toneladas métricas de CO2. A China se defende lembrando que sua população é 4 vezes maior que a população americana e, considerando a emissão per capita, os EUA ficam com 19,278 tonnes de CO2 por pessoa, enquanto a China fica com 4,763 tonnes, em 2006.

Já os europeus têm o que comemorar. Entre 2004 e 2005 o EU-15 (Austria, Bélgica, Dinamarca, Finlandia, França, Alemanha, Grécia, Irlanda, Itália, Luxemburgo, Holanda, Portugal, Espanha, Suíça e Reino Unido) diminuiu suas emissões em 0,8%. Os maiores colaboradores foram a Alemanha (-2,3%), Finlandia (-14,6%) e a Holanda (-2,9%).

Para cientistas holandeses, se todo CO2 presente na atmosfera hoje fosse dividido entre os países responsáveis por suas emissões, os EUA seriam culpados por 27% do total, a União Européia por 20%, enquanto à China só caberiam 8%.

Sabia mais:
List of countries by carbon dioxide emissions – Wikipedia
List of countries by carbon dioxide emissions per capita – Wikipedia
Image:CO2 emission 2002
China now no. 1 in CO2 emissions; USA in second position
China Overtakes U.S. as No. 1 Emitter of Carbon Dioxide
Global and regional drivers of accelerating CO2 emissions
EU greenhouse gas emissions decrease in 2005

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM