Evento verde tem de ser sustentável?

Há alguns meses fui convidada para uma exposição de lançamento do que seria o tão esperado evento SWU. Não fui. Problemas pessoais e a expectativa de um trânsito infernal na hora do rush me impediram.

Daí, há uns 15 dias, fui convidada por duas pessoas diferentes para ir ao evento – uma delas, eu nem tive a oportunidade de responder ainda… – e por uma terceira pessoa para escrever sobre o tal e propor alguma tarefa aqui no blog. Por motivos de forças menores de um ano eu não poderia ir ao evento, então tive que recusar o convite. E como dificilmente escrevo sobre eventos que não fui, ou não vou, também resolvi desencanar de responder o email sobre fazer a propaganda do evento – na real, depois que eu fiquei sabendo que o evento ia ser patrocinado pela Rede Globo, eu meio que perdi o tesão… – não porque eu não gosto da Rede Globo, mas porque em dois segundos, a coisa pareceu muito muito muito comercial – TODOS os telejornais da Globo falaram sobre alguma coisa do evento e isso cheirou meio mal.

OK. Eu tinha desencanado do evento, não ia escrever sobre ele. E não vou. Muitas pessoas escreveram e os textos que eu recomendo uma espiada estão:

+ No Isabellices, que inclusive está linkando muitos textos sobre o evento;

E para nós, público, é essencial saber nos organizar para não mais aceitarmos algo assim, não comprarmos ingressos, rejeitarmos o modelo premium, desconfiarmos de um “movimento social” proposto por uma holding de publicidade, deixarmos falir um festival mal organizado antes que ele capture 50 mil pessoas que vão seguir suas ordens, aceitar suas condições, repetir um discurso raso do que é sustentabilidade, pagar 100 reais no estacionamento e depois sofrer, acordar e reclamar para ninguém ouvir.

+ No uôleo

“[…] como eu já insinuei, o local estava repleto de lixo empilhado em formas de “obras de arte” e cheio de ideias inovadoras como transformar papel de confeito em vestidos que nunca serão utilizados, apenas aumentando o desperdício da energia usada na fabricação da vestimenta. Isso tudo passa por “sustentável”, não é?
Ah, mas tinha uma roda-gigante que claramente não estava sendo movida pelos ciclistas ao lado. Sustentabilidade no ápice de seu significado!”

+ No blog do Denis Russo – Sustentável é pouco

“[…] Milhões de pessoas estão ascendendo socialmente, o que vai lentamente superlotando as áreas vips. Talvez esteja chegando a hora de elas serem abolidas de uma vez. A hora de tratar bem o público inteiro e de permitir que quem chegar antes ao show possa escolher o melhor lugar. A hora de respeitar a audiência pela sua humanidade, e não pela cor do seu crachá. Isso sim seria um festival “sustentável”.”

+ No elucidativo texto do Rainha Vermelha

“O evento do SWU deste ano mal acabou e já começa um #mimimi geral, com
reclamações de que foi ruim, mal organizado e afins. Essa é a maior das
provas de que as pessoas — principalmente os chamados formadores de
opinião — não estão preparadas para tomar uma atitude sustentável de
verdade. Tais queixas são claramente de quem não entendeu o espírito do
evento, e provavelmente possuem uma mente pequena demais para acomodar o
conceito de uma atitude verde.”

Eu ainda não tive a oportunidade de encontrar os textos das duas pessoas que me convidaram para o evento, mas espero que elas também possam dar suas opiniões.

Mas, Rastro de Carbono, se você não vai escrever sobre o evento, vai escrever sobre o quê?!?!?!

Simples: minha reflexão depois de tantas leituras foi a seguinte:

Um evento que se propõem a discutir sustentabilidade PRECISA SER sustentável?

Eu acho que não. Acho, por exemplo, se uma universidade resolve dar um curso sobre sustentabilidade ela não precisa investir uma grana pra mudar a estrutura que já tem, só pra fazer daquele cursos sobre sustentabilidade um evento sustentável. Se eu resolvo, na minha casa, montar um grupo de discussão para conversar sobre sustentabilidade, não preciso reformar minha casa para torná-la 100% sustentável para receber as pessoas. E, um evento gigante, com milhares de pessoas, NÃO precisa ser sustentável para fazer um fórum sobre sustentabilidade. O tchans disso é: já que não vai ser sustentável, ASSUMA de uma vez por todas e PARE de se chamar de sustentável SÓ porque pretende fazer um fórum e botar umas escultura de lixo no meio do caminho – aliás, acho isso ABSOLUTAMENTE INSUSTENTÁVEL. Saca aquelas árvores de Natal de garrafas PET HORRENDAS que aparecem Natal ou outro na cidade? Feias e desnecessárias, fala aí? Afinal, se as garrafas não foram pro lixo antes do Natal, certamente irão depois que o Natal passar e o problema continuou ali. Foi postergado, mas continuou ali, em forma de árvore de Natal.

Voltando… mais do que o monte de lixo produzido, a quantidade de energia gasta pra transportar a galera, as bandas, as tralhas das bandas, a quantidade de energia gasta pra ligar o som, as luzes, os telões, é necessário que se foque numa coisa mais essencial: a grana que alguém tá botando no bolso chamando uma coisa INSUSTENTÁVEL de ecológico, verde, sustentável… E sem precisar! Porque eu APOSTO que, se as X mil pessoas que foram porque o evento era “verde” deixassem de ir porque o evento NÃO ERA VERDE, outras X mil pessoas iriam para ver o show de suas bandas favoritas e fim de conversa. 

O que você pensa? Falaí!

Alexandre Garcia, não me faça te pegar nojo!

TODOS os seres humanos da Terra são passíveis de erro. T-O-D-O-S. Isso faz parte da nossa humanidade. E eu acho essa uma das características mais lindas que podemos ter. A capacidade de errar e, de repente, reconhecer o erro, se desculpar, mudar de ideia, começar de novo.

Tem uma profissão que eu não gostaria de ter. Jornalista. Eu não ia me dar bem com a coisa. Não é do meu perfil. Jornalismo é uma profissão, pra mim, que exige uma dedicação maior do que 24 horas por dia, 7 dias da semana. O cara tem que estar absolutamente antenado com TUDO o que acontece no universo em volta dele. Quanto mais ele souber do que acontece, mais capacidade ele terá de conduzir bem uma entrevista, de expressar uma opinião, de moderar uma discussão, de escrever bem e claramente sobre um determinado assunto. E mais ele terá capacidade de formar opiniões nos ouvintes/leitores, mais ele terá capacidade de dar o tom certo a uma discussão, mais ele terá capacidade de fazer-nos mudar de ideia e, de repente, de nos direcionar para um ou outro lado – e essa última capacidade é, para mim, a mais poderosa do jornalista: poder ser tão coerente, tão coeso, tão bom argumentador de uma causa, que seja capaz de enrolar/ludibriar/convencer qualquer cidadão do mundo sobre praticamente qualquer coisa.

Pois bem. Jornalista é ser humano – até que se prove o contrário. E, como ser humano, jornalista é passível de erro.

Hoje ouvi a opinião de um jornalista daqueles das antigas, que tem voz, respeitados em seu meio e fora dele, sobre saúde. Sinceramente… Alexandre Garcia pôs-se a falar de um assunto que, claramente, não é a praia dele. Ouçam e tirem suas conclusões:

E, não deixe de observar as notas do Ministério da Saúde sobre o caso

Alexandre Garcia… não sou índia, mas melhor que fosse. E, respeito à diferença e ao livre arbítrio são valores que nós, brasileiros, não gostaríamos de perder. O direito que nós mulheres conquistamos de ter filhos e nossa pátria Brasil respeita tanto passa muito além dos argumentos contra a prática ou a escolha do parto que você mencionou. E, sinto muito que para você, um HIV positivo tenha menos direito do que HIVs negativos. E sinto muito também que saiba tão pouco sobre parto humanizado.

Achei que uma gafe tipo Boris Casoy fosse demorar mais pra acontecer…

Garis! Se vocês, do alto de suas vassouras e dificuldades tem tanta pureza em desejar felicidades para o mundo, quem não terá?

Mas… Boris Casoy e Alexandre Garcia são seres humanos. E como seres humano são passíveis de erro. E também são capazes de mudar de ideia, pedir desculpas e começar de novo.

Um planeta sustentável começa com práticas pessoais sustentáveis. E sustentabilidade significa respeito ao meio ambiente, respeito as possibilidades econômicas e respeito às pessoas.

Podar é preciso. Esconder não é preciso.

Hoje, dia Internacional da Mulher, 8 de março de 2010, descobri que um comentário meu foi apagado do blog A Vida como a vida quer, no post #oquevcfaria se pudesse reclamar da falta de verde na sua região?. Deixei um comentário contrário, hoje voltei lá pra saber se tinha provocado alguma reação, e tinha! Meu comentário foi deletado.

Me surpreende um blog de uma mulher, jornalista, mãe, bastante conhecido e bem frequentado, esconder um comentário contrariando sua opinião. Afinal, na minha cabeça de blogueira, bióloga e mulher, blogs são locais de interação, não só quando essa interação concorda com o autor, mas também quando discorda – Claro!!!!! Há limites. Sem argumentos ou com xingamentos a qualquer pessoa – a mim ou a qualquer um dos meus comentaristas ou criticados – também não entra… mas argumentado? Fiquei pasma. Será que é porque tratava-se de um publieditorial?

Não tem problema. A internet é um local livre. Então, vou reformular e reescrever meu comentário aqui!

Meu comentário todo baseou-se nesse ponto do post:

“Lembrei desta história ontem porque o edifício que fica do outro lado da rua chamou a prefeitura para podar as árvores. Ao ver o caminhão, já me alertei. E exatamente neste momento, vejam que feliz coincidência, recebi um release contando da ação da XYZ para reflorestar milhares de árvores.”

O que incomodou foi que podar árvores parece ser igual a desmatar. E não, jovem padawan, não é. No post original também há um vídeo com a autora inconformadíssima que a prefeitura estava podando uma árvore e cortando uma árvore pequena. 

Oh céus. Vamos falar sobre poda.
tree_trimming_truck.jpg
Podar árvores é fundamental. Tão fundamental quanto à arborização das cidades. O verde em grandes cidades como São Paulo, diminuem a poluição sonora e atmosférica, controlam a temperatura, atraem aves, insetos polinizadores, e trazem harmonia e qualidade de vida.
Entretanto, dependendo das espécies de árvores escolhidas e onde elas são plantadas, árvores podem trazem problemas. 
Considerando a parte aérea, pode haver prejuízo na fiação de rede de energia elétrica e telefonia e entupimento de bueiros (principalmente no outono se essas árvores perdem as folhas). Considerando as raízes, pode haver prejuízo no asfalto e calçadas e danos em encanamentos. Considerando manutenção, a árvore pode envelhecer e apodrecer, pode estar oca por conta do ataque de cupins e formigas. Por essas e outras, podar e fazer a manutenção das árvores é fundamental. Fazer o planejamento de que árvores vão crescer e que outras devem ser podadas no início da vida, também. Podar árvores necessita de treinamento e técnica e não é qualquer cidadão que pode fazer esse serviço.
Podar árvores pode ser bastante perigoso, principalmente se redes de alta tensão estiverem por perto. Também deve-se estar preparado para prever onde o galho vai cair. E para onde levá-lo depois da poda.
Em relação à retenção de gases do efeito estufa, todos sabemos que o gás carbônico é utilizado pelas plantas para fazer fotossíntese. Em última análise, para produzir a energia necessária para a planta sobreviver e para crescer – produzir novos galhos, novas folhas, crescer em diâmetro. Quando uma árvore pára de crescer, a quantidade de gás carbônico retida pela planta é menor do que quando ela está em crescimento. Desse modo, a poda é importante para manter a planta absorvendo gás carbônico e retendo carbono (óbvio, há de se saber o que foi feito com os galhos cortados: se eles não foram aproveitados, ou foram queimados, por exemplo, o carbono volta para a atmosfera).
Em resumo: adoro quando blogs falam sobre meio ambiente e biologia. Mas a informação tem que ser correta – e se não for, tem que aceitar ser corrigida. Senão vira desinformação. 
E poda é bom, sim. E poda não é desmatamento, caro Watson.
__________________________________________________
Atenção: Fiscalizar como as prefeituras regularizam e fornecem licença para empresas especializadas fazerem as podas é questão de cidadania. O que é feito do lixo orgânico e se as técnicas utilizadas estão corretas deve ser conhecido. Fiscalize sua prefeitura e as empresas que prestam serviço. Acha que a poda é ilegal? Pergunte para o prestador de serviço e confirme na prefeitura. Para se fazer podas é necessário ter licença e ser especializado. Se seu vizinho está podando, ou se você está assistindo uma poda ilegal, denuncie.

O que o Diogo Mainardi sabe sobre o clima?

Veja Mainardi.png

E hoje, o Diogo Mainardi descobriu que ser cético do clima dá IBOPE. E publicou um texto ruim. R-U-I-M. Fato: prestou um deserviço à divulgação de ciências de qualidade, usou entrelinhas para desrespeitar cientistas, principalmente meteorologistas, e, de quebra assumiu que não sabe nada sobre um assunto – o que é uma novidade pra mim pois não é todo dia que se vê um jornalista renomado admitir ignoráncia sobre um tema. 

 
Claro que ele não afirmou: sou ignorante sobre esse tema. Não! Longe disso! Mas, num texto de pouco menos de 3.000 caracteres (incluindo espaços) o jornalista conseguiu juntar apenas 8 coisas que remetem sobre o grande tema “aquecimento global”. 
O que o Diogo Mainardi sabe sobre o clima? Aqui vai um resumo: 
1. “que é um assunto pra lá de aborrecido” 
2. “que meteorologistas do mundo inteiro reuniram-se em Copenhague” 
3. “que se continuarmos a emitir CO2, a temperatua da Terra aumentará sem parar” 
4. “que meteorologistas de O Globo calcularam a temperatua mínima do Rio de Janeiro, ontem chegaria a 22 graus”, mas “na realidade, ela foi 20,6 graus” e que, se eles erram de um dia pro outro, que dirá em uma centena de anos? 
5. “que o alarme dos meteorologistas sobre aquecimento global se baseia em um gráfico com forma de taco de hóquei” 
6. que um meteorologista “analisou doze troncos de pinheiros siberianos” e chegou ao gráfico em forma de taco e que professores do mesmo instituto foram “flagrados manipulando alguns desses dados” 
7. “que há mais gelo do que em 2006” na calota polar ártica 
8. “que leitores foram amedrontados pela imagem de um urso polar canibal” 
9. “que no segundo turno, de acordo com a última pesquisa eleitoral do IBOPE” […] “Dilma Rousseff continua a derreter”. 
Trechos entre aspas retirados de: Eu e o urso canibal
Fato que eu poderia ficar aqui tentando desmentir cada uma dessas afirmações – ou nem isso… poderia apenas cobrar referências bibliográficas para cada uma dessas afirmações que não linkam para nada, menos ainda artigos científicos (de cientistas céticos ou não) – com exceção da última, já que eu não costumo me meter em assuntos que eu não domino – mas não vou. Conheço meus leitores e sei que os comentários serão ricos. 
Escrevo esse post para parabenizar Diogo Mainardi pela corajosa atitude de assumir que sabe oito coisas sobre “mudanças climáticas”. 
Eu também sugeriria alguma bibliografia para que se conheça quem são os ganhadores do Prêmio Nobel da Paz de 2007, quem são as pessoas reunidas em Copenhague e para diferenciar meteorologistas de climatologistas – além claro, de uma bibliografia extensa, rica em pesquisas, discordâncias e concordâncias sobre um modelo matemático complexo que levou a um gráfico “com forma de taco de hóquei” porém essas respostas são facilmente encontradas quando se navega em google.com.
_________________________________________________
Também publicaram sobre esse assunto: (Você também publicou? Mande-me o link!)

O Nobel da Paz vai para o Obama, mas o de literatura…

Hoje de manhã já escrevi sobre minha opinião sobre o Obama ter ganhado o prêmio Nobel da Paz – vale a pena chegar os comentários. Estão excelentes!
Para completar, acabo de receber essa tirinha. Acho que ela ilustra bem o meu sentimento sobre premiar alguém pela intenção e não pelo feito.
barack_nobelpaz.gif
By Little Gamers
O Comitê do Nobel anunciou hoje que o Prêmio Nobel da Paz é de Barack Obama.
Em notícia relacionada, Andrew Andrews, que a seis meses atrás teve a ideia de tentar escrever um livro e, desde então, mantém essa ideia, fala sobre isso mas ainda não escreveu uma só palavra…
ganhou o Prêmio Nobel de Literatura.

E o Nobel da Paz vai para… what?

Nobel_paz_2009.png

Verdade seja dita logo no começo: de todos os Prêmios Nobel, os que mais me chamam a atenção, e pelos quais eu espero a semana toda e mais um fim de semana com ansiedade são o da Paz, revelado sempre na sexta-feira e o de Economia, sempre na segunda-feira da semana seguinte.

Agora, sexta-feira, estou aqui embasbacada. Prêmio Nobel da Paz de 2009 vai para… expectativa, expectativa… internet lenta… quem será o ganhador desse ano… ansiedade… B-A-R-A-C-K     O-B-A-M-A????????????????


What????????????

Pára tudo, vamos organizar minhas ideias.

Primeiro… um histórico dos últimos três anos:


2006
– Prêmio Nobel da Paz vai para e espetacular Dr. Yunus – por seus esforços e ideia sobre o microcrédito e anos de luta contra a pobreza.


2007
– Prêmio Nobel da Paz vai para IPCC e Al Gore, por seus esforços na luta contra o aquecimento global.


2008
– Prêmio Nobel para Martti Ahtisaari por anos de trabalho como mediador de conflitos.

E tem mais. 1977 – Anistia Internacional. 1979 – Madre Teresa. 1993 – Nelson Mandela. 1999 – Médicos sem fronteira. Para ver a lista completa, clique aqui.

E afinal, qual a justificativa em dar o Prêmio para Obama? “Por seus esforços em fortalecer a diplomacia internacional e cooperação entre pessoas” – em resumo, feito por mim, por “ser um bom presidente”. Estamos tão carentes assim de bons presidentes? [Não responda agora! Você ainda pode levar pra casa um congresso nacional!]

O prêmio concedido à Barack Obama tem cheiro de pressão política. Não que seja a primeira vez que isso acontece na história dos Prêmio Nobel da Paz. Já aconteceu em 1994, por exemplo, ano em que foi dado ao palestino Yasser Arafat e aos israelenses Shimon Peres e Yitzhak Rabin por seus “esforços em criar a paz no Oriente Médio”. Até onde consta, muito pouco evoluiu desde então e, inclusive, temos um muro a lá muro de Berlim construído para separar palestinos de israelenses. Processo de paz? Truco, marreco! Prêmio dado antes da hora, por um processo ainda em construção que acabou em nada.

Dessa vez me soa parecido. É como se a academia dissesse: “Viu? Agora faça por merecer esse prêmio!” ou o clássico “Te vira! Votaram em você, você mal chegou, mas resolve aí a parada!”.

Também não é a primeira vez que um presidente dos Estados Unidos leva a grana pra casa. Em 2002 o ex-presidente americano Jimmy Carter, que ficou no poder do governo americano entre 1977 e 1981 levou o dele. Mas pelo menos ele já tinha feito a sua parte.

Francamente, achei precoce. Esperança a gente tem, claro. Depositamos várias de nossas expectativas no Obama. Mas dar prêmio pela expectativa me soa estranho. É como dar o Prêmio de Medicina ao Rainha Vermelha por ter descoberto a cura da AIDS, ou ao RNAm por ter livrado os humanos de todos os tipos de cânceres do mundo. Concordam? Estou sendo preciosista demais?

Reflexões sobre o dia mundial sem carro

logodiamundialsemcarro.gifHoje é dia 22 de setembro. Desde a década de 1990, comemora-se nesse dia o Dia Mundial sem Carro

Mais do que o dia das pessoas deixaram (ou tentarem deixar) seus carros em casa, esse é um dia de reflexão sobre a mobilidade urbana, sobre como contribuimos com a cidade onde vivemos. É o dia que deixamos (ou tentamos deixar) o universo particular do nosso carro e nos deixamos envolver pelo universo de pessoas, situações, coisas boas e problemas da cidade que geralmente passam despercebidos ou não nos incomodam quando estamos parados no trânsito, no aconchego do nosso automóvel.

Vamos aos fatos… eu não tenho números, mas posso apostar um braço que a quantidade de carros nas ruas da década de 1990 pra cá, só aumentou. O que penso sobre isso? Mais do que “as pessoas não estão refletindo o suficiente e estão comprando carros extras para fugir do rodízio” penso que de lá pra cá poucas políticas públicas que buscam melhorar a mobilidade em grandes centros urbanos foram postas em prática. Penso que deixar única e exclusivamente a responsabilidade sobre cada um, pessos físicas, funciona no começo, mas não vai funcionar para sempre. 

É hora de investimentos em transporte público, ciclovia, carros eficazes para uso de energia renovável. É hora de sobretaxarmos carros velhos e poluentes e não fazer o que fazemos,  deixando o IPVA deles grátis. É hora de investimentos em segurança para ciclistas, pedestres e outros meios de transporte alternativos. 

Mas… O que vi por aí ontem e hoje foi isso: (aí vai uma amostra)

diasemcarro_1.png

diasemcarro_2.png
Triste né? Triste que as campanhas para Dia sem Carro, Hora do Planeta, ou qualquer outra iniciativa semelhante tenham se reduzido a campanhas chatas e sem propósito e, por consequência sem adesão, até mesmo para pessoas inteligentes que sempre têm várias opiniões legais. 
Triste que não acreditemos que campanhas como a do Dia Mundial sem Carro vão fazer prefeitos e governadores, vereadores e deputados refletirem sobre suas próprias ações, ou mais, sobre políticas públicas que façam as ações pessoais serem melhores. 
Triste que, mesmo que os governos estejam se preparando para que as pessoas façam adesão à campanha, a gente consiga reclamar que se houver aumento de trânsito, vai ser culpa do governo, que aumentou os transportes públicos disponíveis.
Ano passado eu postei sobre isso. Estava mais otimista, eu acho. Isso porque, pra mim, deixar o carro em casa não é mais um sacrifício faz tempo. Mas refleti sobre algumas coisas. Por exemplo: 
1) Acho que a responsabilidade por seu transporte de casa até o trabalho, durante o trabalho, e do trabalho até em casa é da empresa e o que quer que seu carro tenha emitido nesse percurso é responsabilidade dela, portanto, se você tirou seu carro da garagem hoje SÓ para trabalhar, está participando ativamente do Dia Mundial sem Carro.
2) Acho que as opiniões públicas variam mais do que maré. Ora biocombustíveis são a solução da energia no futuro, ora o petróleo do pré-sal é que é sinônimo de poder. Ora estamos sendo ouvidos nas conferências internacionais sobre o clima por nossos exemplos, ora estamos planejando construção de termelétricas a carvão e carros movidos à diesel. Por essas e outras que não depositamos crédito nenhum em campanhas de cunho ambiental e ainda chamamos quem levanta a bandeira de xiitas ecochatos.
Nesse momento de reflexão, hoje, estou um pouco cética, talvez menos do que eu estava na Campanha da Hora do Planeta, mas ainda assim, cética. Acho que cá como lá, falta educação ambiental de qualidade. 
Cá menos que lá, admito. Tem uma porção de coisas sendo feitas por aí hoje. No site Catraca livre, por exemplo, algumas opções. No site Nossa São Paulo, mais umas tantas, que começaram dia 17 de setembro e vão até dia 24, quinta-feira próxima. E aí? Você vai aderir à campanha hoje? Vai refletir sobre isso?

MSN Verde e mitos verdes

msnverde.JPG
Pois… eu não conhecia. Quem me indicou foi a @Oliveiral, lá pelo twitter. Ela também me pediu pra comentar, se eu pudesse, a matéria “5 mitos verdes“, e, como em 140 caracteres isso é impraticável, resolvi fazer um postzinho.
Mito número 1: Alimentos orgânicos são sempre a melhor opção.
Não, não são. E a matéria diz isso muito bem. Os alimentos orgânicos só valem a pena se forem comparados com alimentos convencionais (não-orgânicos) que foram produzidos à mesma distância da sua casa. Se você está em São Paulo e quer escolher entre um suco de uva orgânico produzido no Rio Grande do Sul e um suco de uva convencional produzido em Jundiaí, prefira o suco convencional, que emitiu menos gases do efeito estufa para serem transportados do local da produção até a sua casa.
A matéria só dá uma dica estranha, sobre ser tudo bem se você consumir frutas com cascas grossas que eles não deixam passar pesticidas. Lembre-se se você está optando por um produto orgânico não está optando porque ele não está contaminado com pesticida, mas também porque a produção dele respeita o meio ambiente – ter casca grossa ou casca fina, nesse caso, não ajuda em nada o meio ambiente e lavar bem frutas, legumes e verduras é fundamental independentemente da casca – aliás, se não for lavar pelos pesticidas, lave bem porque os alimentos orgânicos tendem a ter mais microrganismos nas cascas, folhas, raízes etc do que os convencionais.
Mito número 2: Carros híbridos são mais ecológicos.
Então… também não são mais ecológicos necessariamente. Até porque tudo vai depender de que tipo de energia o carro é capaz de hibridizar. Se ele for um híbrido de gasolina com querosene não vai ser ecológico nunca (óbvio que os carros híbridos disponíveis no mercado não hibridizam isso – é só um exemplo).
O híbrido para ser ecológico deve usar pelo menos um combustível renovável ou biocombustível. Nem um carro movido à gasolina e a eletricidade (a maioria dos carros híbridos é assim) vai necessariamente ser ecológico se a matriz energética do país onde ele vai rodar for em sua maioria proveniente de combustível fóssil – e, portanto, a eletricidade que abastece o carro for produto da queima de um combustível fóssil (como carvão, por exemplo). Leia mais sobre carros elétricos aqui e sobre carros híbridos aqui.
Óbvio que sempre melhor é ter um carro que use energia renovável ou bioenergia para funcionar mas fique atento aos carros que se dizem super cleans, movidos à hidrogênio, por exemplo. Já falamos dele aqui.
A matéria se limita a falar que é melhor pensar duas vezes antes de comprar um carro novo, seja ele qual for – o que eu concordo plenamente – mas falha em explicar o que são carros híbridos.
Mito número 3: Desligar o ar-condicionado do carro ao dirigir economiza combustível.
Desligar qualquer coisa ao fazer qualquer coisa geralmente economiza energia. No caso do ar-condicionado do carro, em algumas situações, ele gasta mesmo menos energia do que se você deixasse os vidros abertos – mas isso só se você estiver a uma velocidade tal que a resistência oferecida pelo vento é tão grande que seu gasto de combustível para manter a velocidade do carro é muito maior do que de deixar as janelas fechadas e ligar o ar-condicionado.
A situação é tão particular que o melhor mesmo é deixar o ar-condicionado desligado – mas não precisa morrer de calor por causa disso, fato.
Mito número 4: Se todos plantarem muitas árvores, o aquecimento global será revertido.
Eu espero que ninguém saiba que “ao ‘respirar’, as florestas ajudam a diminuir a temperatura e a quantidade de poluentes do ar e que suas folhas absorvem a luz do Sol, ajudando a resfriar o planeta” porque é uma groselha enorme. Ao ´respirar´as plantas emitem CO2 assim como nós. O que as plantas fazem de sensacional é FOTOSSÍNTESE e esse processo sim, tira CO2 da atmosfera e transforma em glicose, que no final das contas pode servir como energia para a planta realizar os mais diversos processos – como produzir flores, por exemplo, ou para crescer e acumular carbono na madeira – e então servir como um sumidouro de carbono.
E tudo também depende de onde a árvore será plantada – porque dependendo do lugar, ela vai causar mais transtornos do que trazer benefícios – por exemplo, se você resolver plantar uma árvore na sua calçada que amanhã vai derrubar os fios de eletricidade ou quebrar o asfalto da rua.
A matéria acerta ao dizer que geralmente as plantas ajudam a diminuir a temperatura do local onde estão, mas esquece de dizer que de nada adianta plantar árvores se as fontes de emissão de gases do efeito estufa não estiverem controlados.
Se você preferir apoiar algum programa ambiental, fiscalize se o trabalho está sendo bem feito e não lave suas mãos só porque deu dinheiro. Fora isso, pare com essa ideia de fazer neutralização de carbono quando você mesmo sabe que diminuir os gases estufas do planeta é um problema de AGORA, não de daqui a 20 anos quando a sua árvore estiver crescida.
Mito número 5: Viver uma vida verde é muito caro.
O que é caro, meu chapa, são os “produtos ecologicamente corretos” que andam empurrando para você. Viver uma vida verde é um estilo de vida que passa longe de “comprar”. E, se comprar, passa mais perto do “comprar com consciência” do que “comprar o que chamam de eco-qualquer-coisa”. A matéria acerta em focar esse ponto.
O não-consumo é irmão gêmeo da vida verde então é muito barato. Invés de comprar produtos, compre cultura, lazer. Isso sim vai te apresentar como viver verde é prazeroso.
______________________________________________________
Escreveu também sobre isso: Blog Vivo Verde

Deu merda!

Piada por piada – lavar salada, tirar fantasia do blue man group, fazer xixi na chuva – uma outra piada mostra que, fazer piada (piada, piada, piada) para falar de assunto sério não necessariamente funciona. É, SOS Mata Atlântica… deu merda. (e nem vem falar que essa é de mau cheiro gosto e a primeira não, que não vai colar comigo!)
coconobanho.jpg

Blog Faça cocô no banho
– Agache-se e abrace essa causa.
Me lembrou muito a chacota feita à neutralização de carbono pelo site “neutralização de traições“. Vale a pena ver.
Pena, que nenhum dos dois fui eu quem fiz… (não! não o xixi ou o coco, nenhum dos dois sites/blogs)
___________________________________________
Vi no G1

Pegada 24 – Eu tenho uma dúvida!

Então… complementando o post abaixo, me ocorreu mais uma coisa!
75_xixinobanho.jpg
Se 75% das pessoas já desbebem no banho, que raios de economia vai ser essa?

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM