A reconstrução do tempo

Há vários dias quero escrever sobre como anda minha percepção do tempo – principalmente nas grandes cidades – nos dias atuais. Tudo começou com uma reflexão em um feriado qualquer: ir ou não a um aniversário na quinta feira a noite do outro lado da cidade. Aniversário, boca livre, encontro com a família estavam de um lado. Caos, trânsito, estresse de congestionamento pré-feriado, do outro.

Ganhou, claro, o “vou ficar em casa”. Poxa vida… marcar aniversário numa quinta-feira a noite pré-feriado é muito ruim e muita sacanagem. E, depois da reflexão, votei que era um desrespeito enorme com as pessoas. Todas. As convidadas e as anfitriãs. 

clock.jpg

Relógio astronômico de Praga. Flicrk, crédito de simpologist.

Em outro feriado qualquer, festa em outra cidade. Quando? No domingo à noite, volta de outro feriado. Trânsito, trânsito. Caos. Litros de combustível queimados para ficar parado. Estresse. Nem preciso dizer que ganhou, de novo, o “vou ficar em casa”, né? Gente… não dá. Temos que nos readaptar às novas realidades do mundo. Temos um mol de carros das ruas, não vamos acabar com todos eles amanhã, o IPI continua baixo, o que só significará mais carros nas ruas. No caos das preparações pré e pós-feriado, até os transportes públicos são caóticos. E, nas duas condições acima, ir de bicicleta, a pé, de patins, estava absolutamente fora de cogitação.

Dia de semana. Reunião de trabalho. Nada mais justo, necessário e digno sair para uma reunião de trabalho. Hora marcada: 17:00 hs. Eu fico mesmo pensando se temos o direito de entrar em contato com quem marcou a reunião e dizer: “Amigo, pelamordedeus, não dá pra ser mais cedo? Sabe, é que, se locomover em São Paulo às 17:00 horas é um caos. E as 18:30 horas, estimado para o fim da reunião, é pior ainda.” 

Óbvio, que não pude me aguentar e entrei em contato. Vai que… né? Ainda bem que eram pessoas que entendem a lógica do trânsito e toparam adequar o horário. Aperta agenda daqui, aperta dali. Remarca um telefonema internacional, pede licençinha pra atender um telefonema durante a reunião. Nada disso, mesmo, me incomoda mais do que ficar horas no trânsito. Nada.

Sinto, de verdade, que o aniversário, a festa, a reunião, e tantos outros eventos que convidamos e somos conviados diariamente, não são marcados para “sacanear” com as pessoas. Definitivamente não são. Mas, me intriga o fato de ainda não termos nos dado conta – eu inclusive – de que alguns horários não são mais praticáveis, não são mais saudáveis.

Vai ser difícil se adequar aos limites temporais dos próximos tempos? Sem dúvidas. Mas eu vou tentar.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM