Escolha uma Página

homeopatia.jpgTudo que você sempre quis saber sobre homeopatia mas tinha vergonha de perguntar

A homeopatia se tornou uma grande indústria e é propagandeada como um tratamento seguro, natural e holístico para várias doenças como artrite, asma, depressão, diarréia, dores de cabeça, insônia etc.

Apesar disso, a evidência científica mostra que a homeopatia atua somente como um placebo (fármaco ou procedimento inerte que apresenta efeitos terapêuticos devido aos efeitos fisiológicos da crença do paciente que está a ser tratado) e não há explicação dentro da ciência de como isso poderia ser diferente.

Princípios homeopáticos
A homeopatia é baseada em duas suposições: “semelhante cura semelhante” e “quanto menor a dose, mais potente é a cura”. Resumidamente, os homeopatas escolhem uma substância que causa os mesmos sintomas que a doença a ser tratada. Essa substância é então diluída e agitada repetidamente, o que supostamente reduz seu potencial prejudicial e a torna mais potente.

Os princípios analisados pela ciência

Cura pelo semelhante
Alguns homeopatas afirmam que é um processo semelhante à vacinação. Isso é errado pelo fato de as vacinas fazerem com que o sistema imune reconheça uma doença específica, enquanto na “cura por semelhante” só os sintomas da doença e do tratamento precisam ser correspondentes, uma hipótese não cabível com o funcionamento do nosso corpo. Uma dor de cabeça pode ser causada por estresse ou por um tumor no cérebro, mas o tratamento em cada caso é completamente diferente, não é? Se você buscar a homeopatia, não…

Dose mínima
Preparações homeopáticas são tão diluídas que muitas não contêm mais o princípio ativo. Uma diluição comum, a 30C, tem uma gota de princípio ativo diluída em 100 gotas de água, e assim por diante, até que tenham sido feitas 30 dessas diluições. A probabilidade de haver uma única molécula do princípio ativo na solução final é menor do que a chance de se ganhar na loteria britânica por cinco semanas seguidas. Os homeopatas acreditam que a água desenvolve uma “memória” do ingrediente ativo, mas pensem: se isso fosse possível, todo preparo homeopático teria várias memórias, pois qualquer grão de poeira que entrasse em contato com a água traria milhares de microrganismos e partículas diferentes.

As evidências científicas
Mais de 150 estudos falharam em demonstrar o funcionamento da homeopatia. Alguns estudos menores apresentaram resultados positivos devido a metodologias fracas ou efeitos aleatórios.

efetividade.jpg

Conheçam a mais poderosa ferramenta estatística que existe: o gráfico de porcentagem em pizza gerado com dados qualitativos. (nota do tradutor: hihihi)

Quando os dados são analisados em conjunto, a homeopatia não é superior a nenhum placebo. Uma publicação de 2005 no periódico Lancet comparou 110 ensaios homeopáticos a 110 ensaios clínicos alopáticos. Os autores observaram que estudos mais rigorosos demonstraram fortes evidências de que, ao contrário dos resultados positivos nos estudos alopáticos, a homeopatia não teve eficácia. Em outras palavras: quanto melhor a pesquisa feita, menos a homeopatia funciona. De acordo com esse estudo estão mais de doze análises similares que chegaram à mesma conclusão: homeopatia não produz resultados melhores do que os placebos.

Então por que a homeopatia “funciona”?
As pessoas fazem uso da homeopatia por acreditarem em sua eficácia, o que faz com que a mesma, mesmo inerte em termos clínicos, possa induzir a mudanças psicológicas. O tratamento também pode coincidir com uma melhora da própria resposta imune do paciente.

O efeito placebo
A crença de estar recebendo tratamento frequentemente traz alívio a um paciente. Sabe-se que a redução do estresse fisiológico pode acelerar a recuperação de ferimentos e infecções virais por um aumento da função imune, ou seja, mesmo um “tratamento” inerte pode afetar o organismo. Respostas condicionadas também acontecem: experiências de tratamentos passados podem estimular o sistema imune a agir mais rapidamente quando outro tratamento (mesmo um placebo) é recebido.

Desconsiderando o alívio de estresse e o condicionamento, o efeito placebo é pequeno em relação à replicabilidade e à potência. Pacientes que fazem uso regular de morfina podem substituir uma dose por um placebo com sucesso, mas à medida que o uso do placebo se torna mais freqüente, o resultado piora (o organismo reconhece a diferença entre o tratamento real e a substituição). Esse mesmo efeito pode funcionar em doenças menos graves e ser eficiente para dor, fadiga, náusea e similares, mas não será eficaz contra fraturas, infecções ou tumores. Novamente, sua aplicação combate sintomas de determinada doença e não a doença em si.

Um placebo poderoso?
Quando a homeopatia cura condições médicas sérias fala-se de um “poderoso efeito placebo”, mas existem muitas outras explicações diferentes que devem ser descartadas. A administração de um comprimido pode coincidir com a recuperação do paciente sem estar relacionada a esse fato, como em recuperações espontâneas ou sintomas flutuantes. Por exemplo, como a dor da artrite é intermitente (ela “vem e vai”) e as pessoas tendem a buscar tratamento quando os sintomas estão em seu pior efeito, qualquer medicamento administrado pode dar a impressão de melhora.

E a homeopatia veterinária?
Os homeopatas argumentam que a homeopatia funciona em animais, o que descartaria o efeito placebo inclusive em bebês. No entanto, esses testes dependem de observações humanas que, sem normatização ou veterinários independentes, pode sofrer um grande viés (muitas vezes não intencional). Os estudos que corrigem esse tipo de viés demonstram que a homeopatia não funciona.

O fato de um placebo fazer a pessoa se sentir melhor não justifica sua prescrição por um médico?
A ética obriga que a relação médico-paciente seja baseada em honestidade, respeito, sinceridade e confiança. A prescrição de um placebo exige que o médico minta ao paciente (do contrário o placebo não surtirá seu efeito), o que fere esses princípios. Ainda, como placebos combatem os sintomas de uma doença, e não a doença propriamente dita, deixar a condição médica real sem tratamento pode ter implicações severas para o paciente.

Um caso de fadiga pode ser remediado por um placebo, mas e se essa fadiga for um sintoma de depressão, de uma infecção viral, ou de algo pior?

Referências bibliográficas

Shang, A. et al. 2005 ‘Are the clinical effects of homeopathy placebo effects? Comparative study of placebo-controlled trials of homeopathy and allopathy’ Lancet, 366: 726-732.

Glaser, R. 2005 ‘Stress-associated immune dysregulation and its importance for human health: a personal history of psychoneuroimmunology’ Brain, Behavior and Immunity, 19: 3-11.

Lovallo, W.R. & W. Gerin 2003 ‘Psychophysiological reactivity: mechanisms and pathways to cardiovascular disease’ Psychosomatic Medicine, 65: 36-45.

Kienle, G.S. & H. Kiene 1997 ‘The powerful placebo effect: fact or fiction?’ Journal of Clinical Epidemiology, 50: 1311-1318.


Não sei de vocês, mas eu prefiro apostar as minhas fichas na Medicina Baseada em Evidências…

O texto acima é uma adaptação de um informe sobre homeopatia elaborado em 2006 pela organização Sense About Science, criada em 2002 com o objetivo de promover respeito por evidências científicas e boas práticas de ciência, aumentando a compreensão da população sobre o tema.

A tradução adaptada do informe Sense About Homeopathy (o original pode ser acessado pelo link) é parte do material de apoio e divulgação da campanha:

1023-Brazil-300x205.png

Mais informações sobre a ação em http://1023.haaan.com/

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...