Escolha uma Página

Viu essas notícias de carne feita em laboratório?

No Estadão

O produto, que está sendo chamado de ‘Frankenburger’, é feito a partir de 3 mil pequenas tiras de carne cultivada a partir de células-tronco.

(…)O processo de fabricação de carne artificial começa com a retirada de  células estaminais do músculo de uma vaca. As células são incubadas em caldo nutriente e se multiplicam várias vezes, criando um tecido adesivo com a consistência de um ovo cozido.(…)

A notícia fala que agora a técnica vai ajudar a “reduzir a quantidade de áreas verdes, ração animal e combustível na produção de carne bovina.Cada quilo de carne exige 10 quilos de ração e óleo vegetal, mas a carne cultivada só precisa de dois”.

Olha, sei não hein. É que o caldo nutriente pra fazer as células crescerem (sim, células precisam comer também) é feito quase sempre de soro BOVINO, geralmente ou de fetos ou de bezerros. Isso é muito caro hoje em dia, e é comprado em empresas estrangeiras pra uso nos laboratórios. Antigamente os cientistas tinham que fazer o soro no próprio lab. Como? Cozinhando um monte de carne em panelões por um tempão até fazer um caldo de carne, que era fervido mais e engarrafado para usar nas células. Imagina o cheiro disso!

Viu só, pra fazer o hamburguer com células você ainda precisa de vaquinhas. Na verdade de suco de vaquinhas, que é o soro.

Algumas comidas de célula (o nome certo é meios de cultura), não usam soro bovino, mas são mais caros ainda! Eles são totalmente sintéticos e custam uma fortuna justamente porque dão muito trabalho e gastam muito mais energia pra fazer. Será que isso entrou nessa conta da sustentabilidade da carne in vitro ou o pesquisador achou um método novo de dar de comer para as células? Temos que averiguar.

Cultivar rins, corações e outras partes em laboratórios eu acho bacana, mas bifes pra proteger o ambiente parece balela. Melhor comer um hamburguer de soja.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...