Mensagem de fim de ano: A vida muda

Fonte: Bule Voador

Autores: André Rabelo e Alex Rodrigues

“Há tantos mundos diferentes, tantos sóis diferentes, e nós temos apenas um, mas vivemos em mundos distintos. Agora o sol foi para o inferno e a lua está alta. Deixe-me dizer adeus, todo homem tem de morrer, mas está escrito nas estrelas e em todas as linhas de sua mão, somos tolos de guerrear com nossos companheiros de batalha”

– Dire Straits, 1985

Brothers in Arms foi um dos álbuns mais aclamados do Dire Straits. A música que intitula o álbum é também considerada por muitos uma das mais belas da banda. Para mim, a música ilustra com muita beleza e simplicidade a relação existente entre todos os seres humanos – somos companheiros de batalha. Mesmo com todas as nossas diferenças de gênero, cor, cultura, crença e idade, somos quase todos capazes de nos conectar com o sofrimento e com a alegria dos outros de maneira automática. Compartilhamos os mesmos desafios de sobrevivência que nossos companheiros de outras culturas – precisamos comer, beber, dormir e sorrir. Também compartilhamos estes mesmos desafios com os nossos antepassados. Portanto, não compartilhamos apenas um mesmo planeta e um corpo semelhante, mas um conjunto de desafios ambientais muito semelhantes que nos forçaram a encontrar soluções semelhantes. Se somos companheiros em uma mesma batalha, também compartilhamos de  armas semelhantes para enfrentar os mesmos inimigos. Continue lendo…

15 anos da morte de Carl Sagan

Fonte: Bule Voador
Autor: André Rabelo

Hoje completam-se 15 anos desde que Carl Sagan faleceu, no dia 20 de dezembro de 1996. O mais estranho da data de hoje é que Carl Sagan não parece estar morto – sua influência ainda é grande ao redor deste pálido ponto azul que habitamos. As pessoas ainda o enaltecem, leem e recomendam de maneira entusiasmada os seus livros, como se fossem lançamentos recentes. Ele inspirou a vida de muitos homens e mulheres que nunca o conheceram pessoalmente.

Carl Sagan foi, sem dúvida, um grande cientista com uma brilhante carreira acadêmica. Mas ele foi mais além do que muitos dos seus colegas acadêmicos contemporâneos. Ele foi um cientista com uma incrível sensibilidade para questões sociais, éticas e políticas que raras vezes pôde ser observada em outros cientistas. Foi, sem dúvida, um dos maiores defensores, entusiastas e comunicadores da ciência moderna. Sua preocupação em quebrar as “muralhas” que impedem o compartilhamento do conhecimento científico encantou a vida de muitas pessoas que tiveram seus corações despertados para a busca cuidadosa do conhecimento. Ann Druyan, sua esposa em vida, descreveu esta postura de Sagan na introdução do livro Variedades da experiência científica: Uma visão pessoal da busca por Deus:

“Quando topava com uma muralha – a muralha do jargão que mistifica a ciência e isola seus tesouros do restante de nós, por exemplo, ou a muralha que cerca nossa alma e nos impede de abraçar de verdade as revelações da ciência -,  quando topava com uma dessas velhas e infindáveis muralhas, ele usava, como um Josué moderno, todas as suas muitas variedades de força para derrubá-la.”

Continue lendo…

A Gentileza de Estranhos

Fonte: Project Syndicate

Autor: Paul Bloom

Tradução: André Rabelo

Porque somos gentis com estranhos?

Eu admito que esta seja uma maneira incomum de ver o mundo, mas, ao ler o jornal, eu fico constantemente impressionado com a extensão da gentileza humana. A mais nova boa notícia vem do Centro sobre a Riqueza e Filantropia no Boston College, que estima que os americanos vão doar cerca de $250 bilhões em contribuições individuais de caridade  em 2010, muitos bilhões a mais do que no ano passado.

Pessoas doam seu sangue a estranhos, viajam em missões humanitárias para lugares como o Haiti e o Sudão e arriscam suas vidas para lutar contra a injustiça em outros lugares. E nova-iorquinos têm crescido acostumados a ler sobre heróis do metrô – bravas almas que saltam em direção aos trilhos para resgatar passageiros e então frequentemente somem, inconfortáveis com a atenção ou o crédito.

Como um psicólogo, eu sou fascinado pela origem e as consequências de tal gentileza. Alguns de nossos sentimentos morais e motivações morais são o produto da evolução biológica. Isso explica porque nós somos frequentemente gentis com a nossa própria carne e sangue – aqueles que compartilham nossos genes. Isto também pode explicar nossas ligações morais com aqueles que vemos como membros da nossa tribo imediata. Continue lendo…

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM