Nojo, moralidade e preconceito

O que nojo tem a ver com moralidade?

Se você sentir um cheiro forte de fezes logo após entrar em um banheiro público, você provavelmente sentirá nojo. De maneira semelhante, se você ouvir uma história sobre um caso de pedofilia, é provável que você também sinta, em algum nível, nojo. Esta emoção poderia eliciar em você um padrão de expressão facial muito parecido com o que a maioria das pessoas ao redor do mundo exibiria: seu lábio superior levantaria, seu nariz se enrugaria, suas pálpebras levantariam e suas sobrancelhas abaixariam [1] – a famosa “cara de nojinho.” Em sua forma mais aguda, este estado mental de nojo poderia vir acompanhado de náuseas e vômitos.

Continue lendo…

Compreendo, logo, posso admirar mais

Um beija-flor

Quem nunca ouviu, depois de dar uma explicação científica sobre algo na natureza para alguém, um comentário como “ah, mas assim você está tirando a magia da coisa, seu chato!” É como se, para muitas pessoas, a contemplação desinformada fosse um pressuposto para que possa haver prazer na admiração de algo. Sem o mistério, parece que nada restaria para eliciar o prazer. Neste texto, eu tentarei compartilhar um pouco do porque eu acho que a compreensão de algo na natureza pode, pelo contrário, torná-la mais bonita, já que pode nos oferecer uma dimensão da grandeza ainda maior que há naquilo que estamos olhando.

Um ótimo exemplo do que estou falando é o pássaro na imagem acima – o famoso beija-flor. Quem nunca  perdeu alguns segundos admirado ao observar como este pássaro se move de maneira tão habilidosa, precisa e rápida? Se você nunca fez isso, eu recomendo que faça, é realmente absurdo. Ele consegue ficar numa posição quase estática no ar diante de uma flor, enquanto estica a sua língua para alcançar o néctar no interior das flores.

Continue lendo…

Estudo inteligente: Aproveite ao máximo o seu tempo de estudo com essas dicas tiradas de pesquisas

Fonte: gradPSYCH Magazine*
Autor: Lea Winerman
Tradutor: André Rabelo

Dicas de como estudar tiradas da psicologia cognitiva

Você provavelmente pensa que sabe como estudar.

Afinal de contas, você chegou ao ensino superior. Você entregou com sucesso tarefas de casa e passou em exames por pelo menos 16 anos. E existe uma grande chance de que você tenha um conjunto de rotinas de estudo, quer seja um copo de chá e o seus livros-texto na cama ou um canto em uma biblioteca calma que você alegou ser seu.

Mas pode ser que os hábitos de estudo que você desenvolveu por uma década ou duas não estejam te servindo tão bem quanto você pensa que eles estão.

Pesquisas têm mostrado que algumas técnicas de estudo do “senso comum” — como sempre ler no mesmo local calmo ou gastar horas em um momento de concentração em um assunto — não promovem aprendizagem de longo prazo. E alguns hábitos que você deve suspeitar não são tão bons, como o estudo de últimos minutos antes de exames, podem até ser pior do que você pensou.

Nós sumarizamos três princípios, tirados a partir de décadas de pesquisa na psicologia cognitiva, para te ajudar a aproveitar o máximo das suas horas de estudo (continua depois do parágrafo abaixo).

* Este material originalmente apareceu em inglês como [Winerman, L. (2011, November). Study Smart. gradPSYCH. Retrieved from http://www.apa.org/gradpsych/2011/11/study-smart.aspx]. Copyright © 2011 pela American Psychological Association. Traduzido e reproduzido com permissão. A American Psychological Association não é responsável pela precisão desta tradução. Esta tradução não pode ser reproduzida ou distribuída adiante sem uma permissão prévia escrita da APA.

Continue lendo…

Replicação e publicação: A atual tentativa de auto-correção na psicologia

Cientistas como Brian Nosek estão empenhados na valorização da replicação

Um antigo problema tem direcionado os holofotes da mídia para a psicologia atualmente: o da replicabilidade. Replicar um estudo significa que outros pesquisadores são capazes de reproduzir o procedimento de um estudo publicado e encontrar resultados semelhantes. A replicação é muito importante na ciência. Ela pode funcionar como um filtro da própria comunidade, pois os colegas de área de um pesquisador podem averiguar se o efeito relatado em um estudo é reproduzível, generalizável ou se é limitado. O problema da replicação na psicologia, e em outras áreas da ciência, não é novo, mas tem chamado a atenção atualmente os esforços de diversos cientistas para priorizá-la.

A inquietação na comunidade foi se agravando na medida em que diversos pesquisadores, como o professor Brian Nosek da Universidade da Virginia (na imagem acima), um importante pesquisador na área de cognição social, não conseguiam obter, em seus próprios laboratórios, os efeitos relatados nos artigos de seus colegas, e como não tinham para onde mandar estes dados, eles eram engavetados [1]. A este problema, têm sido dado o nome de The File Drawer Problem (o problema da gaveta de arquivo). Isto pode representar um considerável problema para uma área da ciência, principalmente se o que você está tentando fazer é uma ciência que produza conhecimentos que possam se embasar em estudos anteriores e aprimorar sucessivamente a compreensão de um fenômeno, ou seja, uma ciência cumulativa. Muitos psicólogos têm promovido cada vez mais iniciativas visando uma auto-correção em relação a diversos problemas da área relacionados à replicabilidade, às políticas editoriais das revistas científicas e aos incentivos de agências de financiamento.

Continue lendo…

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM