Nosso primeiro impulso é ser gentil ou egoísta?

Nosso primeiro impulso é ser gentil ou egoísta?

Responda o mais rápido que você puder à seguinte pergunta: se alguém te desse dez reais para fazer o que quisesse, mas dissesse que você poderia doar uma parte deste dinheiro a uma instituição de caridade, você doaria? Se sim, quanto você doaria? Agora, se possível, chame alguém próximo de você e peça para ele responder à mesma pergunta, mas use uma instrução diferente – peça para que ele pense por pelo menos dez segundos antes de responder à pergunta. Uma série de participantes foram colocados em situações parecidas com estas e os resultados foram relatados em um artigo recente na prestigiada revista Nature. O propósito do artigo era entender se, quando agimos por intuição, nosso primeiro impulso seria agir de maneira gentil ou egoísta. Além disso, também foi investigado qual seria o nosso impulso caso pensássemos mais detidamente sobre a decisão de ser gentil antes, ao invés de agir por mera intuição.

Os atuais modelos de processamento dual propõem, em linhas gerais, que nossos pensamentos se dão de duas maneiras básicas: de um modo mais intuitivo, automático e rápido ou mais reflexivo, consciente e lento. Estas duas formas de pensar ocorrem o tempo todo e se influenciam dinamicamente ao longo de nossas vidas, influenciando a maneira como compreendemos o mundo e nos comportamos. Decisões tomadas de maneira mais intuitiva são mais rápidas (exemplo: tente falar rapidamente a resposta para a conta 1 + 1), enquanto que decisões tomadas de maneira mais deliberada e racional podem tomar mais tempo (exemplo: tente falar o mais rápido que puder a resposta para a conta 2,763 x 4,895).

Partindo destas ideias, três pesquisadores da Universidade de Harvard se perguntaram se, quando somos guiados pela intuição ao invés da razão (ou guiados pela razão ao invés da intuição), o nosso primeiro impulso seria o de agir de maneira egoísta ou gentil. Será que o nosso primeiro impulso é o de nos beneficiarmos? Será que apenas quando refletimos melhor é que somos capazes de superar este impulso egoísta inicial, e ai poderemos agir mais generosamente? Os resultados que estes pesquisadores encontraram foi que, quando agimos de maneira mais intuitiva e rápida, nossa tendência é a de agir  mais gentilmente.

ResearchBlogging.orgLogo no início de cada estudo, era dito aos participantes que eles receberiam uma determinada quantia de dinheiro. Depois, era perguntado se eles gostariam de oferecer uma quantia do dinheiro que receberiam para um investimento comum com outras quatro pessoas que participavam do mesmo estudo. O dinheiro que as quatro pessoas dessem seria duplicado e distribuído entre os quatro participantes. Ao longo de dez estudos conduzidos com mais de 2.000 participantes usando a metodologia de jogo dos bens públicos, estes pesquisadores encontraram que a gentileza exibida por alguém é maior quando sua decisão foi tomada mais rapidamente ou quando ela foi forçada a tomar esta decisão mais rapidamente, ou seja, confiando na sua intuição – quando era pedido aos participantes que eles esperassem dez segundos até decidirem o quanto contribuiriam, eles agiram de maneira mais egoísta. Além disso, quando foi usada a técnica de priming para tornar os participantes “mais confiantes” nas suas intuições, eles exibiram maior nível de gentileza quando comparados a participantes que foram levador a confiar mais no seu raciocínio.

Mas o que explica estes resultados? Porque a nossa intuição é direcionada para a gentileza ao invés de ser para o egoísmo? Não faria mais sentido que o nosso impulso fosse “garantir o nosso” primeiro? A explicação para estes resultados é que a nossa intuição é moldada pelas interações cotidianas que estabelecemos com os outros, interações estas que normalmente são repetitivas (exemplo: você sempre encontra com o seus colegas no trabalho), colocam nossa reputação em risco (exemplo: se você fizer algo inapropriado, como estacionar em uma vaga de idosos sem ser um idoso) e podem trazer punições para o nosso comportamento. Neste tipo de contexto no qual vivemos, somos repetidamente estimulados a desenvolver uma “intuição cooperativa,” e é esta tendência automática a ser gentil que os participantes levaram para o laboratório. Entretanto, no jogo dos bens públicos, ser gentil não é a melhor estratégia, pois você pode facilmente ser o único a cooperar no seu grupo e não ser retribuído por isso. A reflexão aumenta as chances de que os indivíduos percebam os riscos que correm neste tipo de interação e isso diminuiria a probabilidade deles serem mais gentis, o que se reflete nos resultados que foram encontrados repetidamente no artigo comentado aqui.

Este artigo nos ajuda a compreender melhor as bases cognitivas da gentileza, mas traz implicações não apenas científicas. Os resultados deste estudo indicam que argumentos racionais que busquem persuadir pessoas a agir cooperativamente, como campanhas visando arrecadar fundos para causas sociais, podem ter o efeito contrário do pretendido. Investir na intuição das pessoas parece ser um caminho mais promissor, pois estes estudos mostram que quando agimos pela intuição somos normalmente mais gentis do que quando refletimos profundamente sobre a ajuda que daremos.

Referências

Rand, D. G., Greene, J. D., & Nowak, M. A. (2012). Spontaneous giving and calculated greed. Nature, 489 (7416), 427-30 PMID: 22996558

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Discussão - 4 comentários

  1. […] Fonte: SocialMente Autor: André Rabelo Nosso primeiro impulso é ser gentil ou egoísta? […]

  2. Bessa disse:

    André, postei no Ciência à Bessa hoje mesmo um texto desencadeado pelo Nowak, um dos autores que você cita. Estou meio desconfortável com as propostas dele de seleção de grupo e senti a sua discussão do paper deles na Nature bem menos wishful thinking que uma ressurreição forçada da seleção de grupo. O que acha desse debate?

  3. Felipe disse:

    Resultados impressionantes. Acho que temos a tendência de achar que as pessoas são mais egoistas que prossociais, ou que podem ser o primeiro mais facilmente, pelo menos.

    Isso vai bem contra aquela visão que leigos tem da visão darwinista, em que, supostamente, todos os organismos teriam que ser bem egoístas a fim de garantir sua sobrevivência. Cada dia mais podemos ver que temos uma natureza dual nesse sentido, né.

  4. André Rabelo disse:

    Olá Bessa,

    peço desculpas pela demora em respondê-lo! A minha posição atual sobre este debate acerca da utilidade das teorias de seleção de grupo é que elas tem se demonstrado úteis e promissoras. Seria lugar comum repetir as inúmeras dificuldades e problemas envolvidos no teste destas teorias, isso já é algo relativamente difundido desde que os debates ressurgiram nos últimos 30 anos. Eu gosto da maneira como alguns psicólogos tem apresentado as teorias de seleção de grupo e a sua utilidade (de uma maneira que caras como o Dawkins provavelmente não tem conhecimento por estar muito preso às suas ideias restritas de seleção e replicadores). Recomendo ver a apresentação do psicólogo social Jonathan Haidt acerca destas ideias, por enquanto estou convencido da utilidade que estas teorias podem apresentar para nós:

    https://www.youtube.com/watch?v=NQ192d4c4S0

    Abraço!

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM