“Porque sim” não é resposta (vídeo)

44_teaser_método

Se você quisesse saber o quão fundo é um buraco, qual método você acha que seria o mais confiável para obter uma resposta precisa? Adivinhação? Medir com uma trena? Pular dentro do buraco?

As conclusões às quais chegamos sobre como as coisas funcionam no universo dependem das evidências que temos disponíveis para usar como base, e o quão informativas são essas evidências depende muito da qualidade do método que foi usado para produzi-las. Por isso, julgar conclusões desse tipo depende da nossa capacidade de julgar o método subjacente à essas conclusões e é sobre isso que falaremos hoje! Assista o vídeo dessa semana abaixo (ou clicando aqui).

Referências recomendadas

De Houwer, J., Teige-Mocigemba, S., Spruyt, A., & Moors, A. (2009). Implicit measures: A normative analysis and review. Psychological Bulletin, 135, 347-368.

Esse é um artigo bem específico que discute aspectos conceituais envolvidos no uso de medidas implícitas, mas nele é ilustrada a discussão sobre como os pressupostos teóricos por detrás de um método adotado devem ser verificados para que as conclusões tiradas a partir do seu uso sejam justificáveis, e foi inspirados na maneira como esses autores abordam o assunto que tentamos abordar em parte essa discussão no vídeo.

Sobre a condutância da pele ou atividade eletrodérmica, a internet está cheia de materiais. Alguns links úteis são esses aqui (aqui, aqui, aqui e aqui).

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM