Medicações psiquiátricas fazem bem ou mal? (vídeo)

238_thumb_medicações

Medicações são usadas por psiquiatras para ajudar pessoas que vivem diferentes problemas, mas será que elas ajudam mesmo ou nem fazem tanta diferença assim? A resposta para isso não é tão simples e hoje vamos falar sobre alguns dos fatores que influenciam no efeito das medicações e o que se sabe sobre a eficácia de antidepressivos para dar um exemplo.

Você pode ver o vídeo de hoje abaixo ou clicando aqui.

Aqui vai um trecho do começo do vídeo: As medicações psiquiátricas são feitas de substâncias capazes de alterar a mente, as emoções ou os comportamentos das pessoas e chamamos esse tipo de substância de psicoativa. Alguns dos principais tipos de medicações são os antidepressivos, antipsicóticos, estabilizadores de humor, ansiolóticos e hipnóticos. Se você gostaria que falássemos de algum deles em vídeos futuros, se inscreva no canal e comente aqui embaixo para a gente saber! O efeito de uma medicação psiquiátrica depende muito de cada organismo, então é comum que um psiquiatra precise testar diferentes medicações e diferentes dosagens até encontrar um que traga os efeitos desejados com o mínimo de efeitos colaterais. A maior parte das medicações não possui um efeito imediato e é necessário que a pessoa tome a medicação por algumas semanas até observar uma melhora. Muita gente não tem paciência com isso e interrompe o tratamento bem antes do que devia.

Referências recomendadas

Hoje tem muita referência sobre o assunto! Como eu disse no vídeo, é um assunto com muita controvérsia em torno dele e muitas pesquisas já foram feitas para testar a eficácia de tratamentos baseados em medicações psiquiátricas. Tudo o que a gente menciona no vídeo e muito mais pode ser acessado nos links a seguir: link, link, link, linklink, link, link, linklink, link, link, link, link, link, link, linklink, link, link, linklink, link, link, linklink, link, link, linklink, link, link, linklink, link, link.

O que gosto musical tem a ver com personalidade? (vídeo)

237_thumb_gosto_musical

Você já reparou alguma relação entre as músicas que mais ouve e a sua própria personalidade? Hoje falaremos de algumas pesquisas que têm explorado como alguns estilos de música podem se relacionar com os traços de personalidade de alguém. Você pode ver o vídeo de hoje abaixo ou clicando aqui.

Ah, e para quem não entendeu as nossas menções visuais do vídeo de hoje, fizemos um desenho do André Matos, um dos maiores cantores brasileiros que já existiram e que faleceu semana passada (famoso por ter sido o cantor do Angra e do Shaman). E para entender a nossa menção ao Bruno e Barretto falando algo esquisito, veja esse vídeo que você não se arrependerá.

Aqui vai um trecho do começo do vídeo: Hoje veremos como alguns traços de personalidade que já explicamos antes estão ligados às preferências musicais das pessoas. Veja ou reveja o nosso vídeo sobre personalidade para não ter risco de ficar boiando. Eu sou o André, doutor em psicologia e minha banda favorita é o Led Zeppelin. Quando as pessoas ouvem uma música, existem pelo menos 3 características que influenciam o quanto elas gostam da música: a valência, a profundidade e a excitabilidade. A valência é o quanto a música se remete a sentimentos de felicidade, diversão, entusiasmo ou tristeza enquanto a profundidade capta o quanto a música é sofisticada, inteligente e profunda. A excitabilidade tem a ver com o quanto a música é intensa e forte.

Referências recomendadas

A seguir você poderá acessar várias pesquisas e materiais sobre como as preferêncis musicais podem estar ligadas a diferentes trações de personalidade e outras características que citamos no vídeo de hoje: link, link, link, linklink, link, link, linklink, link, link, link.

Quais são as causas da violência humana? (vídeo)

236_thumb_violência

O que causa a violência? Pessoas violentas costumam possuir transtornos mentais? Maus-tratos na infância podem gerar pessoas mais violentas na fase adulta? Hoje falaremos de algumas das principais causas da violência. Você pode ver o vídeo de hoje abaixo ou clicando aqui.

Aqui vai um trecho do começo do vídeo: Se quisermos diminuir a violência urbana, precisamos entende-la primeiro. Do contrário, correremos o risco de escolher soluções ineficientes ou que podem acabar aumentando mais ainda o problema. Eu sou o André, doutor em psicologia e para mim violência boa é violência prevenida. A violência ocorre quando uma pessoa causa intencionalmente um dano ou abuso a outra pessoa ou a ela mesma. Ela pode tomar muitas formas, tais como suicídio, violência sexual, maus-tratos infantis, bullying, guerras ou terrorismo e já falamos de quase tudo isso aqui no canal. Atos violentos podem ser estimulados ou inibidos por muitos fatores. Muitos mesmo. Se você vive em um lugar com maiores níveis de desigualdade entre gêneros ou de renda, por exemplo, maior tenderá a ser a violência nesse lugar. Regiões e cidades mais quentes do mundo tendem a ser mais violentas em média independentemente de variáveis como idade, pobreza e cultura de honra. Dias, meses e anos mais quentes também se relacionam com maior violência. O clima mais quente talvez te predisponha a agir mais violentamente por afetar neurotransmissores no seu cérebro, tais como a serotonina, que costumam regular coisas como impulsividade e disposição para interagir com outros.

Referências recomendadas

Aqui vão boas referências sobre violência, agressividade e muitos outros tópicos relacionados com isso que não abordamos diretamente no vídeo de hoje: link, link, link, linklink, link, link, linklink, link, link, linklink, link, link, link, link, link, link, link, link, link, link, linklink, link, link, linklink, link, link, linklink, link, link, linklink, link.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM