Moda e Sustentabilidade

Não vou reproduzir o email na íntegra porque não sei o que ele come (neste link você pode ler partes dele e entender do que se trata o resto deste texto), mas existe um negócio chamado SPFW que, além de difícil de pronunciar, também é complicado de entender.

Aparentemente se trata de um evento exclusivo para convidados, jornalistas, atores, modelos, músicos, apresentadores, fotógrafos, cineastas, assessores ou qualquer pessoa que se encaixe na definição do termo “celebridade”[1].

Além de algumas outras pessoas anônimas.

E o pessoal da limpeza.

E alguns políticos.

Já me disseram que moda é arte, mas descobri hoje que pode também ser sustentabilidade.
Mão Francesa
Exemplo de moda francoanatômica totalmente sustentável.

Através de vias escusas, macabras e saurópodes, recebo um email afirmando que uma certa empresa (que mantém um tal de core) que se diz líder de aquecedores solar (mas eu duvido, pois já conheci alguns aquecedores nas minhas andanças e eles sempre são bastante individualistas e avessos a autoridade) revestiu o local por onde Gloria Coelho iria passar com aquecedores solar.

Quando li da primeira vez, achei que Gloria fosse muito friorenta e precisasse caminhar sobre uma superfície aquecida mas depois notei que a mensagem não se referia à planta dos pés da moça, mas ao astro sobre nossas cabeças (durante o dia) que é excelente em permanecer completamente ausente de um local fechado, como um salão de desfile de moda.

Corre à boca pequena que uma estlista estaria fazendo roupas a partir de vestes já existentes e com os dizeres “Não desperdice energia!” escrito com tinta reaproveitada.

Ou, como foi posto no email: “sua coleção é voltada para a redução do desperdício de energia.”

Eu achava que o conceito de desperdício de energia (e recursos) também englobasse ações como produzir, transportar e instalar um painel solar numa caixa escura. Por onde pessoas mais tarde caminhariam. Usando roupas feitas do zero. Com materiais caros e dispendiosos. E que jamais serão reutilizados. Ou vendidos.

Tudo isso feito sem nenhum motivo aparente.

Num ambiente onde reina a futilidade, o culto à aparência e o mais completo e total materialismo.

Talvez se o piso fosse feito de quartzo ou de algum outro material piezoelétrico a energia gerada pelas pisadas fosse suficiente para balancear os gastos de implantação. Talvez.

Mas eu devo admitir que não entendo coisa alguma de moda, portanto não posso afirmar aqui que manequins não têm um sol no meio das pernas.

[1] Celebridadesubs. fem.

1. Indivíduo que afamadamente usa bastante o célebro;

2. Apreciador de atividades celebrais;

3. Reputação daquele que sabe o que diz; Ex.: a c. afirmou no show de calouros que foi curada do seu câncer através de orações e suco de cenoura

4. derivação por metonímia: Qualquer pessoa que acredite ser famosa e que não tenha o que contribuir para a sociedade.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Discussão - 19 comentários

  1. Mori disse:

    Geniais as definições de celebridade!

  2. Rafael_RNAm disse:

    Com relação ao piso piezoeltétrico, acho q não funcionaria devido ao peso insignigicante das anorex…ahn, modelos.
    E os holofotes e flashes das câmeras, não alimentam os aquecedores?
    Se tivessem pelo menos chamado pra desfilar alguém com luz própria…

  3. maria disse:

    fiquei curiosa pra saber se há algum raciocínio por trás do anúncio ou se é pura maluquice, como você denuncia.
    só discordo da inutilidade que você atribui aos desfiles de moda. esses desfiles são arte pura – e dão origem a roupas que algumas pessoas vão mesmo usar, e indicam as novas ideias que todo mundo vai seguir (e você, mesmo sem saber, comprará), por isso são bem menos inúteis do que um museu de artes plásticas ou um bom filme.
    e moda é também ciência e tecnologia, como sempre me revelam conversas com minha amiga que ganha a vida produzindo estampas em tecidos especialíssimos.

  4. Milton disse:

    Sem a moda as pessoas andariam peladas, o que prova que moda só serve para atrapalhar.

  5. Spy disse:

    @Maria,
    Moda tá muito mais próxima de consumo, que de arte. E ter comparado moda com um museu de artes plásticas/ bom filme, é comparar o Walter Mercado ao Carl Sagan, quando o assunto é Ciência, não cabe.

  6. Igor Santos disse:

    Spy, Eu não entendi muito bem a comparação.
    Mas eu também não acho que desfile de moda seja lá tão relevante. Acho muito desperdício para criar uma “nova tendência”, da mesma forma como “salões automotivos” são espetáculos ridículos para mostrar coisas que jamais virarão realidade.
    Quanto a parte dos tecidos que a Maria falou, eu não acho que precise de tanta pompa. A parte científica da coisa é totalmente diferente do show.
    Talvez uma feira de materiais fosse mais apropriada.
    E arte por arte, um museu tem coisas mais duradouras e filmes vez por outra criam frases legais, jovem padawan.
    =¦¤þ

  7. maria disse:

    diz a minha guru da moda que eles não criam as tendências – eles detectam as tendências no gosto das pessoas

  8. Bom, eu vejo pela parte ambiental, já ví (na tv) desfiles de tecido reciclavel, de pele sintética e tudo isto que anda sendo meio que inovador na área ambiental…
    Percebi pelo o que a acessora me mandou que a intenção não era de redução de energia “in locu”, mas sim a idealização… a idea de algo “sustentável”… as placas solares … ajudam sim na diminuição de energia residencial, na page do youtube da “certa empresa (que mantém um tal de core)” você pode perceber em animação um vídeo que explica como isto ocorre…
    Se foi uma jogada de marketing, então foi ótima, porque só assim agente se lembra que estes tipos de técnicas existem, eu (consumidora) tenho muita vontade de ter um, pena que não tenho casa própria e nem dinheiro para tal… mas fui apresentada recentimente a uma outra técnica mais natural de refrigeração ambiente (mudei de área, eus ei) mas quero dizer que não é muito car, diria que rentável….
    E isto é o que deve ser lembrado, as vezes deve-se olhar por uma ouuuutra vertente, principalmente quando o assunto é ambiental… deve-se rebolar para enfiar o mínimo na cabeça de alguém ^^
    Bjus e obrigada pela visita e o link =]

  9. Igor Santos disse:

    Eu não quero ser insuportavelmente chato (acredite, eu tento me controlar), mas qual o impacto dessa abordagem?
    Os panéis solares estão (a menos que esteja enganado, o que me tornaria imediatamente um idiota completo) sendo usados como decoração. Não há sustentabilidade no ato, apenas na ideia.
    E é exatamente esse conflito que faz a foto do link a seguir ser absurdamente ridícula:
    http://www.treehugger.com/fail-gogreen-hummer-photo235.jpg
    Outra coisa: por favor não suponha que eu não sei como painéis solares funcionam. Eu sou engenheiro.
    E de nada pela visita e o link (eu não sei do que você está falando, mas tento sempre ser cordial).

  10. Achoque a Daiane deve estar se referindo ao link deste seu post, deixado lá no VivoVerde, pelo Rafael.

  11. Igor Santos disse:

    Aaaaah!
    Esse povo deveria prestar mais atenção nas coisas.

  12. Liliane Catone disse:

    Alguns comentários me parecem refletir uma certa frustração daqueles que não são tão belos como os modelos e de quem jamais poderá ter um porsche. Despeito… Os radicais simplificam muito as coisas. A moda pode até ser associada à futilidade ou ao consumismo mas não podemos desprezar a arte presente nela. Além do mais, o desfile pode influenciar positivamente as pessoas porque pode ajudá-las a aumentarem sua auto-estima, ao ensiná-las a vestir-se bem, a ficarem mais belas e, conseqüentemente, felizes consigo mesmas. Isso reflete até na saúde.
    Quanto à sustentabilidade, se o evento despertar uma consciência ambiental nas pessoas, mesmo que não seja em si “sustentável” já vale a pena, não acham?
    Mas acho que o ideal seria mostrar para as pessoas que o melhor seria se elas parecem de usar roupas de baixa qualidade, no geral, roupas baratas e descartáveis, que passaram por um processo produtivo não-sustentável, que usa matéria-prima de baixa qualidade (e portanto, não durável e que gera mais resíduos) e mão-de-obra barata… bom mas isso já é outra história…

  13. Liliane Catone disse:

    errata:
    “parassem” ao invés de “parecem”

  14. Igor Santos disse:

    Liliane, esse seu comentário me parece refletir uma certa frustração sua de não ser tão inteligente como os comentaristas anteriores nem poder ter jamais uma capacidade intelectual acima do mínimo funcional. Despeito. Seu radicalismo simplifica muito as coisas.
    Desfiles influenciam negativamente milhares de pessoas, reduzindo a autoestima daqueles que não se conformam ao padrões corporais adorados pela indústria da Moda e que não compartilham do mesmo gosto pessoal, mutável a cada seis meses para que o consumismo não pare. Isso reflete até na saúde.
    Se o evento despertasse uma consciência ambiental nas pessoas, valeria a pena. Mas os frequentadores de tal ambiente não são exatamente pessoas que gostam de poupar recursos.
    O ideal seria mostrar para as pessoas que elas podem ser felizes com os corpos que possuem e que podem muito bem andar na rua com uma roupa confortável que gostem sem correr o risco de serem alvo de chacota dos “entendidos” de combinação de cores e modelitos.
    Trocar todas as roupas duas vezes por ano é, além de incrivelmente imbecil, absurdamente dispendioso, principalmente se comparado ao ato de usar uma mesma roupa por anos e anos.

  15. Silvana disse:

    Perfeito esse seu último comentário, Igor! Gostei muito da discussão levantada…
    Nossa! Dizer que a moda levanta a auto-estima, ajuda as pessoas a ficarem mais belas e a se vestirem bem foi péssimo!!!
    Abraços.

  16. Claudia Chow disse:

    Igor, ja falei q sou sua fã? 🙂

  17. lu disse:

    Olha, tem uma propaganda da Natura aí em cima no seu Blog. NA-TU-RA, sabe?Só pra avisar, pq acho que vc sabe como isso tudo fica meio controverso do angulo que agente ve daqui.

    • Igor Santos disse:

      Não entendi. O que a Natura tem a ver com um dispendioso desfile que dissimuladamente se designa “sustentável”? Que controvérsia você percebeu aí? Foi a NA-TU-RA (como você colocou) que promoveu o desfile? Fora o fato de que, à época em que escrevi o texto não existia tal propaganda aqui.
      Outra, mesmo que eu estive falando mal da Natura, sua propaganda em meu blogue (que aparece, aliás, em todo o Scienceblogs Brasil) não causaria qualquer controvérsia ou contrassenso. Eu tenho “liberdade editorial” para escrever o que quiser, e se achar que estou protegendo o consumidor, o farei. Se o anunciante não gostar, rapidamente ele se desligará da nossa rede e procuraremos outros. Pior seria eu ficar calado frente à tão grande engodo, como rotular “moda” de “sustentável”.
      Aliás, se chegar até mim que a Natura está fazendo falsas promessas ou mentindo descaradamente (como os produtores do evento em questão), seria hipocrisia minha não dizer nada, sabe?

      Convido você a ler este texto, também publicado aqui: http://scienceblogs.com.br/uoleo/2009/09/das_propagandas_-_aviso_import/
      Note que o trecho “como um banner imenso promovendo um suplemento inútil que estava sendo destruído por mim no artigo do dia” diz respeito a este outro texto: http://scienceblogs.com.br/uoleo/2009/07/quer_perder_peso_pergunte-me_c/

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Categorias

tempo

janeiro 2010
D S T Q Q S S
« dez   fev »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

espaço

Locations of visitors to this page

desfrute e compartilhe

Creative Commons License
Esta obra de Igor Santos é licenciada sob Creative Commons by-nc-sa.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM