Para cada escravo que você financiar, eu vou comprar três cintos de couro

Lembram alguns meses atrás quando a Arezzo causou uma imensa polêmica por usar pêlo de animais em seus sapatos?

Eu digo “pêlo” (ainda na gramática antiga, eu sei, mas o acento é para efeitos de ênfase) porque foi isso que chamou atenção, afinal, há anos que a marca usa pele sem que ninguém se importe muito. O problema foram os pêlos. Talvez o pessoal sofra de caetofobia.

Procurando pela data do ocorrido, entro no blogue Espelho Mágico e leio o seguinte trecho: (sic)

Quando vi no site Chic da Glória Kalil a nova coleção de inverno da Arezzo intitulada de “PELEMANIA” (clique no link para ver a coleção na íntegra) não tive como não ficar impressionada. Sim, os calçados e acessórios são lindos, as peles estão super em alta, tudo seria perfeito se não fosse um detalhe: as peles costuradas junto com aquelas peças são de animaizinhos de verdade. Juro que tentei achar em meio aos anúncios dos produtos a palavra “fake” ou “sintético”, mas não encontrei. Em alguns produtos agora é possível ver o nome “pele fantasia” mas não são em todos, e o que nos garante que o maketing não quis disfarçar depois do auê causado?! As peles foram retiradas de coelhos, cabras, ovelhas e raposas e o que aconteceu? Campanha em massa contra a coleção! Até quem não é “Eco-Chato” se sensibilizou com isso, que claro, é um absurdo!

Em seguida, a autora coloca uma foto de um filhote de raposa, uma de um filhote de coelho e outra de uma ovelhinha que faria Lisa virar vegetariana novamente e conclui com: “Ser contra esse massacre de dilacerações de animais para obter seu couro e pele para fins mesquinhos? NÃO TEM PREÇO!

No mesmo blogue, procurei pela palavra “couro” e, tirando posts sobre xampus que citam “couro cabeludo”, todos os outros falam do material com bastante naturalidade e até positivamente, como quando ela sugere que “misturar flores, rendas, corações, laços, cores fofas, estampas liberty com tachas, preto, caveiras, couro, sandálias e bolsas “pesadinhas”, etc” equilibram “nosso lado delicada e feminina com nosso lado de atitude, sexy e marcante“.

Em outro, narrando as roupas de um desfile de moda, cita que foram usados “a lã, o couro, peles, tule, mousselines e cetim“. Sem assombro algum.

Em outro blogue, o Glamouragem, a autora escreve:

A nossa Arezzo, que é uma marca de sapatos e acessórios belíssimos – cá pra nós! – acabou exagerando MUITO e tirando a pele dos nossos animais (raposa, coelho, cabra e lã de ovelha) em tempo que se fala de sustentabilidade, aquecimento global e outras coisas mais, isso foi mais que um tiro no pé.

Apesar de sustentabilidade e aquecimento global não terem nada a ver com o uso de couro em roupas, fica claro que a blogueira não gosta que tirem a pele “dos nossos animais“.

Mais explicitamente, ela diz: (sic, sempre lembrando)

Arrancar a pele dele só pra se sentir mais bonita? Isso não é bonito e nem bacana, eu teria vergonha de dizer que to usando um casaco de pele de cabra, ou de pele de coelho ou qualquer outro animal, o universo da beleza tem limites e a Arezzo ultrapassou todos eles.

Infelizmente, temos que esperar ainda uma posição da marca, mas já que o assunto ta formado, quero saber a opinião de vocês sobre usar pele de animais e também a outra polêmica que gera entorno disso, se você não gosta de tire a pele dos animais porque acaba comendo carne de boi, galinha, porco, entre outros?

Lembrando, que sou totalmente contra a qualquer tipo de agressão a animais, não sou vegetariana e acabo comendo carne sim, mas não por visão da beleza e sim por questão de sobrevivência e tudo mais, afinal a diferença é enorme entre uma coisa e outra, uma coisa é questão de sobrevivência e outra totalmente diferente é tirar pele de animal pra luxo de socialite.

Hum. Será? Comer carne é mesmo “questão de sobrevivência“? Novamente, procurando pela palavra “couro” e eliminando produtos que lavam a cabeça, achei coisas como: “Oi meninas, hoje vim mostrar pra vocês as diversas bolsas que estão na moda.

Ela mostra então seis bolsas de couro e conclui com: “Preços salgados, porém as bolsas são super chiques, não acham ?” Nenhuma demonstração de repúdio ao uso de pele animal.

O mesmo acontece no post intitulado “Os sapatos queridinhos do inverno“, que mostra uma ruma de sapatos de couro e alguns até de camurça.

Então, por que tanta revolta com a pele peluda que a Arezzo usou? Ambos posts condenatórios foram publicados no mesmo dia (17/04/11), o que não as impediu de proclamar as virtudes da capa externa de vacas (e cordeiros, no caso da camurça) outros dias. Mentalidade de turba? Sem dúvida. Está todo mundo amaldiçoando a empresa, por que não fazer isso também?

A Arezzo, até onde faça parte do meu repertório de conhecimento, é uma empresa que trata bem seus funcionários. Usa couro de bovinos em quase tudo mesmo.

E daí? Couro é bom, couro é excelente! É um dos materiais mais versáteis que existe. É flexível, resistente, impermeável e durável como poucas coisas são.

Outra vantagem do couro: não é feito de gente. Vacas não são pessoas, por mais estranho que isso possa parecer para algumas blogueiras de moda. Aliás, é bem possível que as vacas que serão um dia compradas pela Arezzo vivam uma vida melhor que os escravos da Zara.

A Zara não é recentemente citada nos blogues exemplificados acima. Eu só não entendo o motivo. As garotas (21 e 19 anos) foram tão rápidas em chover fogo e enxofre sobre uma companhia nacional que retira a pele de animais mortos para criar indumentárias que ambas tanto apreciam mas não se manifestam quando seres humanos, colegas de espécie, são escravizados em solo nacional por uma empresa estrangeira? Como assim?

Os restos mortais de um bicho estão mais altos na escala de prioridade que a vida de várias pessoas? Hein!?

Muito barulho foi feito por causa da “descoberta” das condições “análogas à escravidão” (ah, o que seria do jornalismo sem os eufemismos) as quais são submetidos alguns funcionários da Zara, sendo que essa “descoberta” é tão surpreendente quanto à “descoberta” do Brasil por um português, oito anos depois que um italiano provou já existir terras antes da beirada do mundo.

Já é fato conhecido há anos que “escravos da moda” é um termo apropriado.

Ouçam o que uma médica perita do INSS (com experiência em atender os funcionários que não são considerados escravos) tem a dizer sobre o “lado podre da indústria da moda”:

A ameaça de “se multar minha indústria, eu demito todo mundo e mudo a produção para a China” deveria ser tratada como terrorismo e deveríamos adotar a política estadunidense de não-negociação com terroristas.

O dono de uma fábrica semi-escravocrata que diz isso deveria ser preso. E quem diz isso é o Código Penal Brasileiro, em seu Artigo 149: “Pena – reclusão, de dois a oito anos, e multa, além da pena correspondente à violência.

Uma médica dizer das condições de trabalhos de uma operária é uma coisa. No entanto, por mais força que sua palavra tenha, nada se compara ao relato de alguém que realmente passa por isso todos os dias.

A seguir, o depoimento de uma escrava funcionária da indústria da moda:

Passar a ferro até cem peças de roupa por hora com direito a folga no domingo se a meta de horas for alcançada (sem direito a hora extra, obviamente) e ser forçada a comer no trabalho (efetivamente devolvendo parte do salário à empresa) dá uma nova perspectiva ao problema.

Eu acho isso tão análogo à escravidão que diria até que é escravidão. Mas se eu reclamar para o Ministério Público a mulher vai perder o emprego dela para uma chinesa, então é melhor eu fingir que vou boicotar a butique da esquina. Pelo menos até semana que vem, porque meu guarda-roupa está tão fora de moda…

E aí? Um courinho mal raspado nem parece mais tão chocante, né?

E ainda tem gente que chama moda de arte. Só se for a arte de ser fútil e cega para a realidade.

Este blogueiro continua preferindo o couro das barrigas de bovinos, caprinos, ovinos, suínos, macropodídeos, répteis, anfíbios em geral e até de hominídeos não-sapiens ao das costas de humanos.

E, me espelhando no exemplo da blogueira acima, apelo emocionalmente para as seguintes imagens:

Exemplo de pessoa

punijao

Exemplo de animal

picanha

Ser contra esse massacre da liberdade individual de seres humanos para obter lucro de dondocas para fins mesquinhos?

NÃO TEM PREÇO!

Homeopatia, coitadinha, não tem vez porque a “Indústria Farmacêutica”, que se preocupa apenas com dinheiro, não deixa!

Por que homeopatia é gratuita, né? Todos os homeopatas são filantropos e fazem eles mesmos as preparações, sem qualquer custo para os clientes pacientes, não é verdade?

A pobrezinha homeopatia não tem do quê viver, apenas sobrevive de doações daqueles que por ela foram salvos, e… Opa, peraí! Que manchete é essa?

Multinacional homeopática processa blogueiro acerca de afirmações de que seu curativo mitológico “não tem ingrediente ativo”.

Samuele Riva, um blogueiro italiano, está sendo processado pela Boiron, multinacional francesa de “remédios” homeopáticos. Riva ousou fazer uma piada com a alegação de que Ooscillococcinum teria “ingrediente ativo”. A companhia alega que o produto é feito diluindo-se “oscillococcinum” (uma substância mitológica que dizem estar presente em fígados de patos, apesar de nenhuma evidência apoiar aquele fato) em 200 diluições de 1 para 100, o que “equivale a diluir 1ml do ingrediente original num volume de água do tamanho do Universo conhecido”.

Multinacional? Sim, a Boiron é, segundo eles mesmos, “grupo farmacêutico pioneiro e líder da Homeopatia no mundo”.

E uma multinacional está processando um blogueiro que teve o disparate de dizer que seus supostos remédios não contêm um ingrediente ativo que sequer existe.
Mas a homeopatia não tinha como único intuito curar todas as pessoas de todas as doenças do mundo de forma completamente grátis?

Não.

Homeopatia é uma indústria. Não é “farmacêutica” porque não existem fármacos associados aos seus produtos, porém é uma indústria assim mesmo.

E a Boiron está processando Samuele Riva porque ele disse que um remédio não pode ser feito com um ingrediente que não existe.

Explicitando, a Boiron diz que o Ooscillococcinum é feito diluindo raspa de chifre de unicórnio até que ele deixe de existir. Sem jamais ter existido em primeiro lugar.

Faz sentido para algum de vocês? Por que para mim não faz.

Samuele diz que a empresa não só ameaçou o provedor com um processo para apagar o post como exigiu “bloqueio de acesso ao meu website“.

E agora, fez sentido? Não, né? Que bom. Sinal de que não estou tão desconectado da realidade assim.

Homeopatia continua não funcionando mesmo quando você faz a diluição impossível de uma coisa que não existe.

Provas? Eu ainda estou vivo.

Via Kentaro, pelo GReader.

Categorias

tempo

agosto 2011
D S T Q Q S S
« jul   set »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  

espaço

Locations of visitors to this page

desfrute e compartilhe

Creative Commons License
Esta obra de Igor Santos é licenciada sob Creative Commons by-nc-sa.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM