Se liberarem o casamento gay, daqui a pouco tem gente querendo casar com cachorro

, diz o sujeito que acha normal e completamente lícito se aproveitar dos instintos gregários de um cachorro para mantê-lo no quintal arriscando a vida como cão de guarda. Ou diz a madama que nunca deu uma só hora de expediente na vida e tem um Lasha Apso que recebe mais atenção que suas próprias filhas, incluindo bolo com velas e festa no dia do seu aniversário.

Esse mesmo casal hipotético (mentira, ambos existem) não enxerga qualquer abominação no ato de levar seu animal para ser cruzado com outro, completamente desconhecido, de onde sairão filhotes que virarão rapidamente mercadoria (mais sobre isso adiante).

Creio que essas mesmas pessoas que dizem que a gayzada não pode se casar são as mesmas que estão se revoltando contra os direitos das empregadas domésticas (às quais se referem apenas por “domésticas”, para não deixarem cair no esquecimento os “bons tempos de antigamente” em que escravos se dividiam entre os de lida e os domésticos). Ou seja, essas pessoas ainda acreditam na noção bíblica (uns quatro ou cinco mil anos defasada, modernizada apenas pela influência europeia bimilenar por conveniência cromática) de que as pessoas podem ser divididas em níveis, ou subclasses; brancos ricos > brancos pobres > animais domésticos > animais de produção > pretos e pobres em geral > animais selvagens > abominações perante deus.

Essas mesmas pessoas respeitam a dignidade de animais da carne vermelha (em homenagem à lenda do Hércules hebraico) enquanto, ops!, esquecem de respeitar o dia de descanso da empregada já que “esse bacalhau não vai se dessalgar sozinho e você faz bem melhor que eu e não precisa ficar até tarde, pode sair assim que servir o almoço e tirar a mesa, não precisa vir amanhã mais cedo, pode lavar os pratos antes de sair”. O potencial de enganar a si mesmo com desculpas esfarrapadas é quase tão ilimitado quanto a hipocrisia humana. “Afinal, ela só trabalha aqui por que gosta, se não gostar pede demissão, tem uma fila de gente querendo trabalhar de doméstica e ainda estou provendo para a minha família” – que só se reúne nos almoços de domingo porque ninguém se aguenta com uma frequência maior que essa. E se o restaurante aceitar cachorros, ele vai junto.

Eu até me perguntava “o que diabo essas pessoas têm para se importarem tanto se um cara quiser realmente casar com seu cachorro” até lembrar que já ouvi de uma sujeita que os animais são inocentes (“menos gatos; gatos são dissimulados” e altamente antropomorfizados) e precisam ser protegidos. Para uma pessoa assim, o bem estar dos animais (que não são Os Animais, mas especificamente o seu cachorro) está tão acima dos direitos de um colega de humanidade que ela cria uma ponte lógica que vai de [casamento gay] até [casamento zoofílico], passando apenas por uma etapa, aquela onde os animais criam consciência momentânea apenas para serem contra seu próprio casamento com um humano, possivelmente gay.

Lembram do casal lá no começo do texto que levou seu cachorro para cruzar para que eles e os donos da cadela pudessem vender os filhotes? Se os animais são tão inocentes e precisam tanto de proteção e não entendem o que está acontecendo e não podem casar com gays, por que então, ó demônios que assombram o caráter dos cristãos, eles podem ser forçados a fazer sexo com um outro animal que nunca viram na vida e podem ser vendidos a qualquer um com dinheiro suficiente logo após tomarem a primeira vacina (e terem orelhas e rabos decepados, outro comportamento completamente adequado na cabeça mal formada desses retardados evolutivos com seus cérebros e capacidade cognitiva de lagartos)? Hein? Alguém tem uma resposta?

Ou a resposta é “animais só devem ser defendidos em situações que envolvem indivíduos dos degraus mais baixos da escala de importância – onde aqueles dos quais tenho medo são os mais rebaixados”?

Eu tenho das certezas a mais absoluta que aquele mesmo casal tradicional, em algum momento (talvez numa época de vacas magras, quando a madama achou que deveria pular do barco antes deste afundar ou quando o sujeito conheceu uma dona na Internet e viu crisedemeiaidademente um futuro melhor e mais sexualmente ativo com ela) já chegou ao limite do matrimônio e, enquanto considerava se valeria mais a pena vender o carro agora ou dividir o valor depois, jamais algum achou ruim a existência do divórcio. Que, junto com morte, é a principal ameaça à sagrada instituição do casamento que tanto querem proteger – desde que seja o dos outros.

Porque só um muito profundo desejo freudiano de controlar os outros explicaria esse tipo de atitude, já que existe tanta gente que se sente agredida quando me vê na rua andando descalço, como se o fato de eu ter uma postura altiva ao mesmo tempo em que tenho pés de agricultor fosse uma ofensa pessoal àquele indivíduo que, obviamente, é o centro de todo o universo e pode, não, DEVE!, ter poder de controlar a tudo e a todos.

Desde que seu poder não possa ser aplicado nele mesmo e nunca interfira nos seu desejo de castrar, mutilar e estuprar por procuração animais, nem no seu direito sagrado de não pagar hora extra para a empregada porque ela precisa trabalhar no dia que é sagrado e de descanso para você e para mais ninguém que se intrometa na sua comodidade.

A única “feliz páscoa” aceitável por aqui.

Num certo dia… (conto)

Eu estava revirando minhas coisas por causa de uma reforma e achei um caderno que, pelo conteúdo de algumas poucas páginas decifráveis, parece ser de 1999.

Além de desenhos aleatórios, símbolos musicais e algo que eu seriamente julgo ser um estudo numérico do alfabeto cuneiforme (sério!), achei o texto abaixo. Eu sei que parece completamente aleatório e inconsequente, mas ele tem uma razão de ser que, depois de apontada, se torna incrivelmente óbvia. Será que vocês conseguem decifrar?

Ei-lo, ipsis litteris, em toda a sua aleatoriedade de um Igor aos 18 anos:

A goteira da bica no quintal de Maria, a mulher de Pedro que trabalha com ferro, já tinha escavocado o piso de pedra quando o acidente se repetiu; a mesma chapa metálica que serve de apoio para os espetos portugueses de figueira e que já tinha ferido Pedro na coxa quando Maria distraiu-se e a deixou cair, caiu novamente, desta vez inexplicavelmente, em cima do dedão do pé de Maria, inchando-o imediatamente.

E isso tudo como se já não bastasse Nino, filho mais velho do casal, quase ter quebrado a perna quando caiu da goiabeira por ter se aventurado nos galhos mais finos atrás das melhores goiabas do pé. Nesse dia, o olhar de desespero dos pais era tão intenso que, apesar da imensa fila, o garoto foi atendido de imediato. O mesmo, porém, não aconteceria com Maria. Mas, como estava chovendo, muitos que preferem não se molhar, nem sairam de casa e a fila do pronto socorro estava até pequena. Em casa, Cascudinho, apelido para Pedro Cascudo Júnior, o filho mais novo, decidiu por manter a fêmea de pardal na gaiola, apesar do macho ter fugido pela manhã depois que ele esqueceu a gaiola aberta por causa do barulho da mãe gritando pelo pé ferido e dos latidos infindáveis e estridentes do cachorro do vizinho, que de tão velho já está banguelo.

Se alguém se interessar realmente acerca da chave decifratória e não conseguir descobrir qualé, eu escrevo a resposta em algum lugar.

LGBT pela Família

NOTA PÚBLICA DE REPÚDIO¹

Nós, representantes autonomeados da causa LGBT, vimos, por meio desta nota pública, declarar repúdio às manifestações em favor da retirada de certas propagandas do ar, em especial a da Gillette, estrelando a modelo brasileira Sabrina Sato e o cantor coreano Psy, que afirma que homens devem se depilar.

Nós, integrantes da sociedade LGBT, acreditamos que a evolução natural do ser humano tem em mente levar a espécie a um padrão corporal completamente desprovido de pêlos (excetuando-se sobrancelhas – ver abaixo o motivo), onde todos seremos mais limpos e asseados.

angelinadavid

Repudiamos veementemente os conclamantes das ditas “liberdades individuais” que são, em verdade, indivíduos sem qualquer organização formal (diferentemente de nós da LGBT) que apenas desejam tumultuar estruturalmente a sociedade contemporânea, esta baseada em asseio e boa imagem.

Somos também contra os cidadãos (cidadãs, em sua maior parte) que levantam a bandeira do “anti-patriarcado”, que visa estabelecer uma femiocracia fundamentada principalmente no acúmulo de sebo e outras secreções dérmicas repugnantes em desnecessários pêlos que escolhem cultivar em locais inadequados, como pernas e axilas – ambos já bem estabelecidos como indesejáveis pela maioria da sociedade, como bem devem ser.

A organização LGBT apóia incondicionalmente esforços visando a extinção definitiva de pêlos corporais (à exceção de cabelos propriamente ditos, sobrancelhas e, possivelmente, dependendo do caso, cílios) na humanidade, sem distinção de sexo (ou seja, homens e mulheres), sejam eles em forma de pôsteres, cartazes, propagandas televisivas ou em rádio, campanhas de Internet (ou Rede Mundial de Computadores) e ações de grupos organizados em redes sociais (p.ex. Orkut, Friendster, MySpace, Facebook, MSN, Lattes ou Twitter).

Esforços assim são extremamente necessários para garantir a perpetuação da espécie e ajudar a levar a cabo o plano que a evolução tem reservado para nós, humanos.

Porta-vozes LGBT que somos, orgulhosamente defendemos nossas idéias a ferro e a fogo, independentemente do que possam apresentar como evidências em contrário, pois acreditamos piamente que tudo isso é para a proteção da Família e fortalecimento do Núcleo Familiar, visto que as atitudes dos grupos pró-sebo servem um único propósito: diminuir as proles por meio de repulsão mútua (afinal, ninguém aceitaria se casar, e conseqüentemente procriar, com um representante peludo do sexo oposto), dificultando o serviço da evolução em sua meta de nos tornar uma espécie melhor, completamente pelados.

Ao tirar nossa liberdade em não ver cabelos saindo pelas mangas das camisas, nossa liberdade de ir à praia sem precisar aturar pernas cabeludas ou calcinhas e calções estufados, nossa sagrada liberdade em não precisar pensar naqueles que são diferentes de nós, representantes LGBT, os apologistas da causa do culto ao pêlo estão inadvertidamente caindo em contradição, pois apóiam as “liberdades individuais”, desde que elas sejam as deles.

Se essa situação de preconceito anti-depilação vier a se estabelecer, corremos um sério risco como sociedade, pois cairemos num declive escorregadio. Começaremos com a perseguição daqueles que sabem que o correto é raspar seus pêlos, daí passaremos à proibição de utensílios de corte, raspagem ou depilação (que, ao contrário do que pensam os pró-barba-feminina com seus dreadlocks mofados e pêlos pubianos transcendendo a linha da cintura, aqueles são instrumentos úteis em outras situações e para outros fins que não a eliminação de pêlos) por parte da ditadura capilar. O próximo passo lógico daqueles que admiram e desejam o excesso de pêlos mal cuidados é sair por aí fedendo ou, pior ainda, feios. Disso para quererem casar com cachorros é um passo, já que a diferença entre uma bola de pêlos e outra é mínima.

Essas pessoas não pensam nas pobres crianças que se assustarão com suas aparências e sem dúvida se traumatizarão ao ver nós em barbas e mulheres de bigode; as mesmas crianças que crescerão sendo oprimidas, com medo de dizer o que realmente sentem e quem realmente são, sendo forçadas a andar por aí com pêlos escorrendo pelas orelhas e narizes, como se isso fosse um comportamento normal.

Essas pessoas que desejam atrasar o processo evolucionário buscam a estagnação do crescimento vegetativo, onde as poucas crianças que por sorte nascerão – frutos de encontros inconseqüentes entre cabeludos drogados – passarão suas vidas com tanto medo de se assumirem peladas que fugirão do convívio social, diminuindo ainda mais as chances da sociedade de se recuperar.

Powder, Energia Pura - documentário futurista sobre o preconceito anti-pelado numa sociedade cabeluda.

Powder, Energia Pura – documentário futurista sobre o preconceito anti-pelado numa sociedade cabeluda intransigente.

Portanto, pedimos cordialmente que sigam os seguintes pontos:

  • Ao invés de alisar os cabelos, corte-os;

  • No lugar de desenhar um “bigodinho de Hitler”, mostre seu amor à Pátria e peça uma brazillian;

  • Não pare o barbeador no joelho ou no pescoço, continue até o alto da coxa (em ambos os casos, subindo e descendo, respectivamente);

  • Ao ir à manicure, peça uma depilação dos braços;

  • Na cadeira do barbeiro, tire a camisa e peça para fazer seus ombros.

  • Lembre-se que somente criaturas horripilantes têm pés cabeludos.

  • Repudie também os esforços dos que pensam em criar uma comunidade cabeluda. Lute conosco!

Nós, LGBT, agradecemos em nome de toda a sociedade.

———

¹ Post patrocinado pela organização LGBT – Laserpilados, Glabros, Barbeados e Tricofóbicos.

InterCiência – entregando o jogo

Nosso ano começou aqui no Scienceblogs com uma excelente iniciativa (mesmo que voltada para um nicho específico), o Interciência, onde blogueiros trocariam posts com seus amigos-secretos em duplo-cego, pois somente o organizador, Kentaro, sabia quem eram todos os participantes e ele se negou a revelar as identidades dos presenteantes.

Eu, no entanto, sei exatamente quem escreveu cada texto, me utilizando de apenas três critérios: eficiência (prazo x volume), tema (assunto do blog presenteado e especialidade do presenteante) e gramática (principalmente vírgulas e espaçamento de parágrafos). Mas isso não é importante. O que importa é dizer qual dos textos listados abaixo foi escrito por mim.

Quem me acompanha no Twitter deve ter se dado conta de que eu sou devoto de apenas um santo; São MJ.

Daí, se torna óbvio que o texto “São Michael, padroeiro dos inventores” foi escrito por mim, para minha colega Ana Arantes.

Eu consegui enganar muita gente com dois artifícios: usando a palavra “inventores” e falando de patentes, fazendo alguns acharem que o texto era de Renato Pincelli, do Hypercubic, e; escrevendo o parágrafo introdutório como alguém que sofre de empatia e não conhece etimologia.

Pois bem, já está entregue. Eu sou o autor do texto publicado n’O Divã de Einstein (e não no Rainha Vermelha, como alguns sugeriram no bolão).

Amém.

Ilusões

Ilusões são enganos dos sentidos, ora percebendo coisas que não existem, outra não notando coisas reais. Todos somos suscetíveis a erros de percepção – alguns mais que outros.

Abaixo, uma lista das ilusões mais conhecidas (e outras nem tanto).

Quando você enxerga o que não está lá: ilusão de ótica.

Quando você não enxerga o que está realmente lá: ilusão idiótica.

Quando você só enxerga os símbolos que representam o que deveria estar: ilusão semiótica.

Quando você enxerga o que não está lá apenas com visão monocular: ilusão semi-ótica.

Quando você enxerga um macaco que não está lá: ilusão simiótica.

Quando você percebe uma coexistência entre o que está e o que não está: ilusão simbiótica.

Quando você só enxerga a vermelhidão da raiva a lhe incitar: ilusão psicótica.

Quando você ouve uma seqüência de notas que não estão a tocar: ilusão dó ré mi sol si fá.

Quando você enxerga uma reta que se aproxima infinitamente de uma curva sem jamais a tocar: ilusão assintótica.

Quando você enxerga desordem onde ela não está: ilusão caótica.

caos?

Quando você vê o branco dos olhos de quem não está a lhe mirar: ilusão esclerótica.

Quando você aspira o excesso de gás carbônico que está no ar: ilusão cianótica.

Quando você está num dos extremos políticos e acha que suas idéias vão fazer o país melhorar: ilusão patriótica.

Quando você se vê como um autômato obrigado a trabalhar: ilusão robótica.

Quando você calcula uma deformação contínua mesmo não tendo como provar: ilusão topológica.

Quando você encontra uma igreja anglicana do século 19 onde ela não pode funcionar: ilusão neogótica.

Quando você se vê em outro país apesar de lá não estar: ilusão exótica.

Quando você ouve uma lira tocando uma balada numa escala medieval que aquela não pode alcançar: ilusão em dórica.

Quando você acha que vive bem mesmo quando está a ponto de quebrar: ilusão eubiótica

Quando você lê palavras completas onde abreviações estão a dominar: ilusão estenógrafa.

Quando você acha que assistiu a um filme de Zé do Caixão que jamais iria ao ar: ilusão do Mojica.

Quando você percebe atos inocentes como libidinosos a ponto de se excitar: ilusão erótica.

Quando você ouve a voz de um físico teórico que não pode mais andar: ilusão lateral amiotrófica.

Quando você enxerga uma ameaça à liberdade do país enquanto livremente vocifera sua opinião sem ninguém lhe encarcerar: ilusão despótica.

Quando algo lhe induz ao sono mesmo não tendo mecanismos para funcionar: ilusão narcótica.

Quando você acha que está na Itália mas na verdade está na França, no meio do mar: ilusão de Córsega.

Quando você ouve zunir um carro feio que mal consegue acelerar: ilusão de Ford Ka

Quando você bebe suco de laranja puro e acha que está a se embriagar: ilusão de vodca.

Quando você cheira no forno um bacalhau com batatas, ovo, cebolas e azeitonas que não está a cozinhar: ilusão a Gomes de Sá.

Quando você enxerga várias críticas em um texto que não há: ilusão ecdótica.

Quando você glorifica uma janela suja ou uma torrada queimada por enxergar uma imagem que precisa de altar: ilusão apoteótica.

Quando você lê um tratado ultrapassado e acha que sabe diagnosticar: ilusão neurótica.

Quando você é um homeopata dizendo que vacinas se baseiam nos princípios da diluição infinita, chacoalhada para ativar: ilusão antibiótica.

Quando você é um auto-hemoterapeuta dizendo que se curou de uma doença sem conseguir provar: ilusão anedótica.

Categorias

tempo

março 2013
D S T Q Q S S
« fev   abr »
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

espaço

Locations of visitors to this page

desfrute e compartilhe

Creative Commons License
Esta obra de Igor Santos é licenciada sob Creative Commons by-nc-sa.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM