untitled*

*Eu nem sei mais quantos anos eu tenho.

Quer dizer, eu sei o ano em que nasci e ainda sei fazer contas, mas minha idade? Nem ideia.

Apesar das aparências, minha excelente e admirada esposa é mais velha que eu, mas eu aparentemente testemunhei e lembro de coisas que aconteceram antes dela nascer.

Talvez eu seja um daqueles, como o personagem de Cameron Crowe em Quase Famosos [1], cujos pais atribuem uma idade errada, por algum fim ou outro. Isso explicaria porque eu sempre fui quase um palmo mais alto que meus colegas de classe, comecei a me barbear aos doze e tive meus primeiros cabelos brancos aos vinte (existe uma foto minha aparentemente aos dois meses de idade mamando sentado no colo da minha mãe. Sentado. Aos dois meses. Aparentemente).

Tento continuar não sendo convencional.

Tento continuar não sendo convencional. Só me casei depois de casado.

Há cinco anos que tenho um emprego fixo que não envolve carregar instrumentos, exige farda e horários previsíveis. Há cinco anos também que blogo, que não envolve nada do citado e é meu escape mental e plataforma criativa agora que não sou mais ‘músico’.

É bem certo que já tratei de mais temas e já me fez conhecer expressivamente por mais gente escrevendo que tocando, mas ainda sinto falta. Penso em montar uma produtora apenas como fachada para ter um estúdio bom em casa. Vejamos.

Aprendi bastante. Especialmente aprendi (acho/espero) como reconhecer uma informação e como certificá-la, o que me levou a saber identificar de quem devo desconfiar automaticamente (o peso das evidências falam por si).

Neste tópico, não sei se vocês conhecem, mas existe uma competição esportiva (nem tanto, mas é tão esportiva quanto qualquer outra competição automobilística) envolvendo tratores que puxam uma espécie de mega-arado com um mecanismo que o finca mais no chão quanto maior for a distância percorrida (neste vídeo dá para ter uma ideia mais ou menos). Depois de passar pela fase do “eu sei tudo” adolescente e a do “só sei que nada sei” dos vinte e poucos anos (e apenas recentemente me dando conta de que as pessoas não mudam – e isso vale também para suas ideias e conceitos), me sinto hoje em dia um pouco como num tractor pull, onde quanto maior é a distância que percorro rumo à iluminação intelectual que tanto almejo, maior é também o atrito com o chão da rotina cerebral que tenta me fazer não sair do lugar. E, por conseguinte, mais fumaça eu solto (novamente, vide vídeo linkado).

Dez anos separam as duas realidades. DEZ!

Dez anos separam as duas realidades. DEZ!

Mas, como já dizia o velho, “nostalgia era melhor antigamente”. Minha vida vai muito bem hoje em dia para eu sentir falta de um passado que provavelmente não aconteceu (ou do qual eu não participei efetivamente).

Minha cota de amigos já está mais que preenchida (o que a invalida como cota, eu acho, mas ênfases nem sempre fazem sentido sob escrutínio etimológico), já estou devidamente casado, já consigo respirar por uma noite inteira e estou até comendo salmão uma vez por semana, preparado na minha panela profissional. Só preciso agora diminuir este bucho imenso.

De projetos ainda estou cheio e agora eles incluem várias outras mídias e temas. Mas não vou dizer agora para não estragar a surpresa (ou decepcionar quem estiver aguardando por algo que provavelmente nunca vai acontecer).

Não que eu esteja reclamando. Quem lê meia linha do que escrevo sabe que já faço disso um estilo de vida. Estou apenas tentando refletir e manter uma tradição viva. Aliás, a melhor grafia seria ^tradição^, com as minhas personalizadas aspas irônicas. Mais para mim do que para os leitores, vero, já que o pouco que escrevo no aniversário deste faz algum sentido fora da minha cabeça.

Bu!

Bu!

Ah! Hoje também é aniversário de Robert Downey, Jr. e Cazuza. De nada.

[1] – Só que ao contrário. No filme semi-autobiográfico, William é bem mais novo que seus colegas e estranha o fato de não ter entrado ainda na puberdade apesar dos seus supostos 13 anos. Ele tem, na verdade, 11 anos.

* – Se um dia eu escrever um livro a capa além de ser roxa e amarela (para se destacar bem nas prateleiras) será também desprovida de letras ou imagens. E a primeira página já deve começar no meio de uma estória qualquer. E, é por isso que nenhuma editora ainda concordou em me lançar…

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Discussão - 2 comentários

  1. Karl disse:

    Eita.. Hehe. Muito bom.

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Categorias

tempo

abril 2013
D S T Q Q S S
« mar   jun »
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  

espaço

Locations of visitors to this page

desfrute e compartilhe

Creative Commons License
Esta obra de Igor Santos é licenciada sob Creative Commons by-nc-sa.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM