Aniversários do 42.

Continuando o ano de comemorações, hoje, mais especificamente neste momento, o 42. completa três milhões de minutos! Com uma média de quase um visitante por minuto [1] desde que comecei a blogar.

êêêêê

êêêêê

Dois milhões, novecentos e noventa e nove mil, novecentos e noventa e nove (2999999), por sua vez, é um número primo! Mas isso não tem nada a ver com a data de hoje! Êêêêêêêê!

———

[1] Contando somente o horário comercial, menos a pausa para o almoço e o cafezinho. Vários cafezinhos, aliás. E talvez uma ordem de magnitude a menos, também.

“Onde eu vou usar isso na minha vida?”

Durante minha vida acadêmica eu testemunhei em várias oportunidades alguns dos meus colegas reclamando das informações que recebiam dos professores, acusados de ensinar muita coisa desnecessária.

Preciso dizer aqui que concordo com tal observação. A escola tradicionalmente nos empurra informações que são completamente inúteis no mundo real e que em nada nos ajuda no nosso cotidiano (ou “na vida real”, como eu chamo o período de tempo que ocorre fora da Academia).

Por exemplo: quantos entre vocês sabem usar estatística? Arriscaria dizer que menos de 50% sabe usar porcentagem e menos de metade é familiar com o uso de frações.

Quanto mais eu estudava logaritmo, menos e menos eu aprendia. E também nunca precisei de matrizes para colocar um teto sobre a minha cabeça.

Quem precisou aprender sobre degradação de proteína nas aulas de Biologia ou sobre ligações iônicas nas de Química para colocar comida na mesa?

Para quê perder tempo aprendendo Física se toda a nossa informação hoje em dia vem pela Internet e TV (geralmente a cabo ou via satélite)?

Antigamente ninguém estudava História e em nenhuma parte do mundo as civilizações deixavam de existir por não saberem Geografia.

Filosofia e Literatura são duas coisas inúteis também, pois como já dizia Voltaire, “o valor dos grandes homens mede-se pela importância dos seus serviços prestados à humanidade“.

Ninguém nunca precisou estudar um segundo idioma para pedir uma long neck e uma pizza ao garçom, ou um croissant com cocktail de champagne no piano bar, nem para comprar tickets num site de Internet para um show de rock em turnê do CD de top hits, ou assumir que uma madame de batom e blush usa também spray de cabelo e gosta de buquê de tulipas e se veste como drag queen de prêt-à-porter. Nem para constatar que o layout de um ateliê de fashion design num shopping é igual a um camelô laissez-faire on-line que se acha chic por ser pink e não ter toilette. Por exemplo.

Ai, que chato...

Ai, que chato…

Eu estudei até quebrar a perna do óculos e até hoje nunca usei uma catacrese ou hipérbole em minha na vida. A escola acabou e jamais usei uma metonímia. Elipse, então…

Tirei muita nota ruim e horas da minha vida e, pá!, não aprendi o que é zeugma, onomatopeia, assíndeto, eufonia.

Alguém além dos alargados alambrados acadêmicos aprendeu a lidar com aliteração?

Eu, pessoalmente, olhei com meus próprios olhos para o livro até ele ficar com medo e não sei o significado de pleonasmo, perissologia, batologia ou prosopopeia.

A escola tentou me ensinar o que é tautologia porque a escola serve para ensinar.

Sabe-se lá o que significa ênclise! Tê-lo-ia aprendido se não me tivesse sido apresentado ao mesmo tempo em que mesóclise e próclise.

Não é excelente como a escola, excelente instituição de formação, nos fez aprender o que é diasirmo?

E de todas as figuras de linguagem, pelo menos uma delas eu domino plenamente. A rima!

Resenha – Formação do Brasil Contemporâneo

“Salvo em alguns setores do país, ainda conservam nossas relações sociais, em particular as de classe, um acentuado cunho colonial. (…) Quem percorre o Brasil de hoje fica muitas vezes surpreendido com aspectos que se imagina existirem nos nossos dias unicamente em livros de história.”

Surpreendentemente (ou não), as palavras acima foram publicadas pela primeira vez 72 anos atrás. Caio Prado Jr. descreveu, em 1942, um Brasil que parece recém saído da situação de colônia escravista, onde o trabalho livre ainda é desorganizado, a economia interna ainda é quase inexistente e a sociedade ainda não aprendeu a lidar com a falta de escravos sociais. Isso tudo, tristemente, continua desconfortavelmente atual hoje em dia, quase duzentos anos depois do nosso “grito de independência”.

caiopradojr

Formação do Brasil Contemporâneo foi o livro que mais contribuiu para o autoconhecimento do nosso país, até então dividido em ilhas de informações com intercomunicação inadequada. Ele investiga esmiuçadamente a realidade do país desde que éramos colônia portuguesa até a entitulada formação do Brasil como nação.

A forma como ele expõe os problemas atuais (sim, a maioria continua bem fresca, mostrando como evoluímos muito pouco nos últimos dois séculos) e suas causas no passado nos ajuda a compreender o contexto para o resto do livro e nos dá os fundamentos do que ele pensa ser a melhor forma de resolver nosso ranço colonial, que serviu para nos distanciar do resto do mundo, e que nos desviou para o lado errado da evolução social.

Caio Prado Jr. deixa bem claro que fomos colonizados somente para facilitar os interesses mercantilistas, transformando o país num imenso galpão fornecedor de riquezas para os outros e que isso nos afeta até hoje (1942 para ele, 2014 para nós). Por estarmos na zona tropical, nossa sociedade foi inventada, diferente da tradicional sociedade colonial temperada, parecida o suficiente com a colonizadora a ponto de ser quase uma extensão desta. Aqui fomos diferentes desde o primeiro dia. A ocupação do interior, por exemplo, foi apenas uma necessidade num mundo sedento por monoculturas, tanto agrícolas quanto pecuárias.

Ele fala também sobre as raças no Brasil, reclamando da falta de análise sistemática que “[f]ornece por isso ainda muito poucos elementos para a explicação de fatos históricos gerais, e temos por isso de nos contentar aqui no estudo da composição étnica do Brasil, em tomar as três raças como elementos irredutíveis, considerar cada qual unicamente na sua totalidade“. Especialmente na homogeneização dos escravos, provenientes de várias culturas distintas que foram forçados a conviver sob o peso dos grilhões pelos brancos, geralmente católicos.

Outra parte interessante é quando ele discorre sobre a criação disforme da nossa sociedade, antes baseada no mercantilismo e escravidão, que precisa agora crescer, de alguma forma, num mundo onde existe liberdade social e econômica. Esse monstro que se forma dessa situação cria a nossa sociedade com imensas fendas entre os abastados, que podem ter tudo do bom e do melhor que a Europa pode oferecer, e os desafortunados, impedidos de possuir.

Isso lembra alguma coisa?

Da colonização e povoamento, passando por economia e comércio e findando em (literalmente, sendo a última parte do livro) vida social e política, uma excelente leitura; didática e intrigante. Certamente, este é um dos livros que sempre quis ler mas me faltava oportunidade.

O volume acaba com uma entrevista sobre a importância histórica de Formação do Brasil Contemporâneo com o historiador Fernando Novais, seguida por um posfácio de Bernardo Ricupero.

O livro é muito bom para nos fazer enxergar como nossa sociedade mudou muito pouco nestas últimas oito ou doze décadas e que algumas soluções que poderiam ter sido postas em prática antes ainda têm seu lugar hoje em dia.

Recomendo para aqueles que gostam de aprender de onde vieram e, tudo coninuando da mesma forma, para onde irão. Talvez marxista demais para a maioria dos gostos, mas objetivo em suas descrições.

A bibliografia me deixou um pouco nervoso. É muita coisa interessante e muito pouco tempo para ler (ou até achar) tudo.

E, como bem lembrou minha esposa, Caio Prado Jr., Darcy Ribeiro (O Povo Brasileiro – também na Companhia das Letras) e Gilberto Freyre (Casa Grande & Senzala) são os três autores indispensáveis para aqueles que querem entender melhor do Brasil. Por favor, se você gostar de um, leia-os todos.

Formação do Brasil Contemporâneo, de Caio Prado Jr., relançado pela Companhia das Letras e disponível em livro eletrônico ou arbóreo.

———

Resenha atrasadíssima. Mas a culpa não é minha, afinal não posso ser responsabilizado pelas coisas que a procrastinação me força a fazer. Ou não fazer, como seja.

Aguardem mais resenhas de volumes da Companhia das Letras nos próximos meses. Fizemos uma parceria.

33 curiosidades sobre o número 33

Hoje, por nenhum motivo especial, resolvi compilar uma lista de trinta e três propriedades sobre o número 33. Um número tão redondo que é capicua até em binário!

Para aquecer, e como estamos em 2014, vamos começar multiplicando este por aquele. 2014 * 33 = 66462. Notaram alguma relação interessante?

Em ASCII, simbolizando a minha surpresa no fim daquela conta, 33 equivale a uma exclamação! Como a que usei lá em cima! Uau!

Falando nisso, trinta e três fatorial, ou 33! = 8683317618811886495518194401280000000. O que por extenso se lê: oito undecilhões, seiscentos e oitenta e três decilhões, trezentos e dezessete nonilhões, seiscentos e dezoito octilhões, oitocentos e onze septilhões, oitocentos e oitenta e seis sextilhões, quatrocentos e noventa e cinco quintilhões, quinhentos e dezoito quadrilhões, cento e noventa e quatro trilhões, quatrocentos e um bilhões e duzentos e oitenta milhões. Com direito a metade de um “33” ocupando a posição dos decilhões, que é um número com 33 dígitos.

A primeira vez que uma sequência de sete zeros seguidos (como no final do número acima) aparece em pi é a partir da 3794571ª casa decimal. 3794571 é divisível por 33.

Voltando um pouco, 33 é a soma dos fatoriais dos quatro primeiros números inteiros. 1! + 2! + 3! + 4! = 33.

33 é o menor número com 9 (ou 3 vezes 3) representações da soma de 3 primos. 2 + 2 + 29 = 3 + 7 + 23 = 3 + 11 + 19 = 3 + 13 + 17 = 5 + 5 + 23 = 5 + 11 + 17 = 7 + 7 + 19 = 7 + 13 + 13 = 11 + 11 + 11.

33 é também o menor número que pode ser expresso como a soma de dois números positivos elevados à quinta potência. 1^5 + 2^5 = 33.

Agora vamos para algo mais, digamos assim, “orgânico”.

Nos círculos da engenharia de áudio, conta-se que 33Hz seria “a frequência de ressonância clitoriana”. Aparentemente (não acho que isso tenha sido calculado em condições ideais e/ou livres de álcool), existe uma faixa de peso ideal para o efeito mas dizem que uma máquina de lavar em modo centrifugação alcança tal frequência (#ficadica). Alternativamente, se você tem um subwoofer em casa (em casa! Não posso frisar isso o suficiente), eis aqui dez minutos de 33 hertz para sua apreciação.

John Cage, compositor experimental, escreveu uma música em três movimentos chamada 4’33”. A partitura recomenda ao(s) músico(s) que não toque no seu instrumento por exatamente quatro minutos e trinta e três segundos. Muita gente acha Cage louco por fazer isso, outros o acham engraçado, mas poucos se dão conta de que o verdadeiro foco de 4’33” não são os músicos, mas os espectadores que, após quase um minuto de silêncio, começam a “tocar” a música em si, uma música orgânica, improvisada e irrepetível, composta por cochichos, tosses, reclamações, rangidos de assento e, quem sabe, talvez até um vibrador na plateia.

Terceiro movimento da composição 4'33", já se aproximando do clímax.

Terceiro movimento da composição 4’33”, já se aproximando do clímax.

No mar, a pressão sobre um corpo aumenta uma atmosfera (1 atm) a cada dez metros, ou 33 pés, que o corpo afunda.

O sul africano Nuno Gomes tem o recorde do Guinness de mergulho ultraprofundo, chegando aos 318 metros. Outro mergulhador, Pascal Bernabé, contesta o recorde, dizendo que chegou aos 330 metros (ficando sob 33 atmosferas) mas ainda falta evidência confirmável disso.

Da área terrestre onde podemos andar sem molhar as canelas, 33% da superfície é formada por desertos. Tanto os frios quanto os quentes.
Alguns até se encontrando diretamente com o mar, como na Namíbia ou na Austrália.

Falando em deserto quente, o ângulo de repouso crítico da areia seca é mais ou menos 33 graus. Digo “mais ou menos” porque depende da granulosidade da areia e da definição funcional de “seca”.

A coluna vertebral humana (que sofre mais problemas de compressão por mergulhos em áreas próximas aos 33% acima) tem 33 ossos. O que me parece um pouco de trapaça, já que, dos 33, cinco são fundidos para formar o sacro. Que é um frase que deve ser dita com muito cuidado e atenção aos fonemas quando em público.

A Divina Comédia é dividida em três partes de 33 cantos cada. Não tenho muito mais a acrescentar, já que nunca consegui terminar de ler o livro. Posso dizer, pelo menos, que a página 33 da minha cópia discorre sobre o quarto círculo do inferno, onde “encontram-se os pródigos e os avarentos“, dentre eles “papas, clérigos ou cardeais, dominados pela torpe avareza“.

Em 1633, Galileu Galilei é condenado por heresia por defender que a Terra gira ao redor do Sol. Na época em que a Igreja mandava, uma condenação dessas não era besteira e ele ficou preso pelos últimos nove anos de sua vida por ter escrito uma coisa que era verdade. Ele foi julgado e condenado por causa de uma ideia. Esta arbitrariedade combinada com um poder supremo é o principal problema num estado teocrático.

Em Barcelona, na igreja da Sagrada Familia (aquela cuja construção nunca acaba) existe um quadrado mágico cuja soma é 33. Mas aí eu acho que tem algo a ver com mitos cristãos.

O filósofo William Whewell cunhou o termo “cientista” em 1833. Mesmo ano em que Ada Lovelace conheceu Charles Babbage e sua máquina diferencial. Talvez “1833” seja um número importante para a Ciência da Computação.

Magnitude absoluta é a medida do brilho instrínseco de um objeto celestial a 10 parsecs, ou, aproximadamente, 33 anos-luz. A distância daqui para Pólux, a estrela gigante mais próxima de nós.

Nesta escala, a Terra é invisível.

Nesta escala, a Terra é invisível.

A famosa nebulosa Cabeça de Cavalo, descoberta por Williamina Fleming dentro de um espaço catalogado cem anos antes por Caroline Herschel, é oficialmente (para certas definições de “oficialmente”) conhecida como Barnard 33.

33 é o número atômico do arsênico, cuja formulação homeopática não me matou (PASMEM!) e que jamais poderia ser criado pela mistura de camarões com vitamina C porque isso seria ridículo.

Em 1972, a aeromoça (denominação da época) Vesna Vulović sobreviveu a uma queda de 33 mil, 330 pés depois que o avião onde trabalhava explodiu no ar. Ou pelo menos é o que o Guinness registra (documentos recentes parecem mostrar que o avião foi abatido “por engano” enquanto voava bem mais baixo que isso – mas mesmo assim…).

Num relógio analógico, os ponteiros das horas e dos minutos formam um ângulo de 33° entre eles apenas duas vezes em minutos inteiros, às 11:54 e 12:06. Não sei se vocês sabem, mas existe uma fórmula para calcular os ângulos entre os ponteiros do relógio. Sério, existe uma fórmula matemática especificamente para isso. Quem disse que estabilidade no emprego não compensa?

Aos 33 anos:

Douglas Adams viajou pela primeira vez a Madagascar, no que seria a primeira de muitas viagens ao redor do mundo que findariam no documentário ambientalista Last Chance to See;

Charles Darwin publicou The Structure and Distribution of Coral Reefs, seu primeiro livro científico;

Arthur C. Clarke publicou Interplanetary Flight: An Introduction to Astronautics, um livro de divulgação sobre exploração espacial;

Machado de Assis publicou seu primeiro romance, Ressurreição;

Isaac Asimov publicou Second Foundation, compilado de seriados menores;

Terry Pratchett já havia publicado Strata mas ainda nenhum Discworld, e;

John Bonham já estava morto. 33 anos atrás.

PUDUM TISSSSssssss...

PUDUM TISSSSssssss…

Aniversários do 42.

Hoje[1] o 42. completa três anos marcianos! E, para melhorar ainda mais o clima, terça-feira nosso blog favorito escrito por mim no Scienceblogs completará 4 \sqrt{2} anos!

Primeira evidência física de aproximação de √2, já em preparação para este aniversário.

Primeira evidência física de aproximação de √2, já em preparação para este aniversário.

No começo deste ano, em 17 de janeiro, completamos 2e anos e, no primo seguinte, dia 19, alcançamos nosso tricentésimo-primo dia.

Dois primos mais tarde, inteiramos três anos áureos.[2]

Não é a lei, é a proporção.

Não é a lei, é a proporção.

Muitos aniversários ainda estão por vir este ano. Fiquem ligados!

———

[1] Contando a partir da separação do uôleo, meu mais antigo e mais aleatório.

[2] Já sob a tutela do Scienceblogs, após o fim do Lablogatórios.

Categorias

tempo

abril 2014
D S T Q Q S S
« mar   maio »
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  

espaço

Locations of visitors to this page

desfrute e compartilhe

Creative Commons License
Esta obra de Igor Santos é licenciada sob Creative Commons by-nc-sa.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM