Quem disse que animais não gostam de fogos de artifício?

Numa matéria (porcamente mal escrita, preciso avisar) publicada em 8 deste, o jornal sorocabano Cruzeiro do Sul informa do banimento (nem tanto, é apenas uma notícia já velha, retificando uma notícia errada do dia anterior, de que a prefeitura local deixou oficialmente de se valer) de fogos de artifício alegando o bem-estar dos animais.

Em setembro do ano passado, o portal G1 publicou algo semelhante mas mais especificamente voltado para a proibição, em municípios do Tocantins, durante a campanha eleitoral devido ao risco de incêndios. No entanto, a matéria também cita desconforto em animais.

Foto por: Andy Wilkes

Foto por: Andy Wilkes

Mas será que os fogos de artifício (rojões, foguetes, bombas, traques, bichas, bujões, peidos-de-véa e demais variantes regionais) realmente, causam desconforto em animais? Ou, como alega o Cruzeiro do Sul (sic): “[A]ssustam as aves e outros animais que mudam o comportamento, alterando a rotina”?

Será que os animais se importam tanto assim? Quer dizer, alguns deles até se importem, mas o que eu noto durante a época junina (que vai do Dia de Santo Antônio até o Dia de São Pedro e não sei se isso se aplica a outras regiões não-nordestinas) é que a queima indiscriminada e desnecessária de imensos volumes de madeira por indivíduos despreparados para lidar com possíveis consequências é uma prática comum, conhecida e incentivada (sem falar nada da “brincadeira” infantil de pular a fogueira já perto do fim da festa, quando todos os adultos já estão devidamente quentãozados e ainda menos capazes de intervir e/ou socorrer) e que continua firme e forte, sendo levada adiante geração após geração pela mesma subespécie de animais cuja rotina é justamente a de criar um ambiente sujo tanto auditiva quanto atmosfericamente (visto que não adquiriram evolutivamente[1] capacidade cognitiva adequada para identificar quando estão incomodando) e cujo comportamento subumano continua inalterado há milênios. Pois não há nada melhor que uma celebração europeia pagã (a chegada do verão, representada pelo solstício), reforçada pelo uso de dispositivos orientais para o afastamento de maus espíritos (fogos barulhentos e coloridos) e abastecida por rituais indígenas pré-colombianos (o alto consumo de milho, representando a fartura do nosso solstício de inverno), para reacender a paixão dos católicos pelas fogueiras e manter queimando a certeza prepotente de que o que eles fazem é sagrado e blindado a críticas ou reclamações.

Pessoas que enchem a boca e estufam o peito ao declarar que o Brasil é o maior país católico do mundo[2] são as mesmas que estão agora segurando a calcinha/cueca nos dentes de ódio de mim (e seriamente pensando num bom uso para as fogueiras acima mencionadas). Ora, se ateus deveriam trabalhar no natal (ou hoje, que por algum motivo que me escapa foi feriado para mim e para toda a Justiça do RN), então por que católicos quereriam negar a origem 100% católica desse espetáculo medieval de adoração à destruição primitiva, irracional e inconsequente que tem seu maior palco precisamente nas áreas mais atrasadas (socialmente) do país mais atrasado (culturalmente)? Aliás; qual outra razão existiria para justificar tal comportamento? Ao que tudo indica, o homo erectus foi extinto ainda no médio paleolítico!

Foto de fonte duvidosa

Foto de fonte duvidosa

Uma coisa, porém, não posso negar: admiro grandemente essa confluência multicultural de religiões naturais e sobrenaturais europeias com pitadas do misticismo oriental e rituais incas/maias. Se ao menos tivessem tido tempo para evoluir um pouco essa mentalidade mágica que, apesar de claramente proibir a adoração de ídolos e outras divindades, abre vastas exceções para estátuas, folhetos, templos e comemorações à memória de sub-deuses e seus poderes santificados que, sob encomenda, fazem desde uma pessoa se pré-apaixonar por outra premonitoriamente através de uma faca enfiada numa bananeira ou gotas de cera quente pingando numa bacia até abrir as portas de um pós-vida que, não obstante ser eterno, não é infinitamente sem graça e entediante.

Então, até talvez os animais silvestres e de estimação (como bem frisou o G1) sejam perturbados pelas luzes, pelo barulho e pela fumaça junina, mas creio convictamente que, aos animais que fazem uso dos explosivos (sob os auspícios de uma justificativa hermeticamente neolítica), a queima de fogos e sua eventual cota extra de poluição visual, sonora e atmosférica faça até bem.

Ah! E por falar nisso: vá doar sangue. Você tem mais do que precisa e esta época do ano é ideal para alguma criança perder um dedo ou um olho ou pelo menos parte da pele.

Retirada da Wikipedia

Retirada da Wikipedia

———

[1] Que são animais é indiscutível, mas não posso dizer que tal conjunto de características é uma espécie de retardo pois precisaria supor que criaturas desse tipo teriam um potencial refinado que lhes foi negado por alguma circunstância. Eles são realmente prejudicados ontogenicamente, desevoluídos e retrógrados.

[2] Noção duplamente errada, tanto absoluta quanto percentualmente, visto que 100% da população do Vaticano é católica e o fato do México ter mais ou menos cinco milhões a mais de católicos na população geral que nós. Ufa! Menos uma vergonha para este país de quinta.

1 Macaco e Meio, um filme com Luisa Mell sobre a invasão do Instituto Royal que ninguém quer ver

O portal G1 fez uma matéria entrevistando Mayana Zatz, geneticista de renome (termo relativo, mas…) e sua meio-prima Marina Zatz, ativista ambiental que invadiu (nada de relativo aqui, invasão é crime, vide artigo 202 do Código Penal) o Instituto Royal e que prefere o codinome “Luisa Mell” ao seu nome real.

A “ativista” (que não será chamada de terrorista aqui porque ainda não definimos legalmente o termo) aparenta ser também malabarista de ideias, se utilizando do expediente já tão conhecido dos pseudocientistas (homeopatas, auto-hemoterapeutas e outros xamãs) de contar apenas a verdade que lhe convém completando os buracos com informações falsas e mentiras esteticamente bonitinhas.

(Recomendo que leiam a matéria já linkada lá em cima. Assim minhas citações do que Marina diz, entre aspas e italizadas, farão mais sentido.)

A primeira parte da pergunta sobre a possibilidade da extinção de testes em animais é respondida com “[é] possível e é necessário” enquanto a segunda parte, sobre quais seriam as alternativas, jamais é sequer lembrada. Marina não quer alternativas, apenas o fim do status quo. Desde que os avanços científicos que permitem que ela faça luzes nos cabelos e use batom e base matificante não sumam, obviamente.

Imagem retirada de blog da Jovem Pan

Imagem retirada de blog da Jovem Pan

Marina Zatz (você deve preferir “Luisa Mell” mas, em não concordar com o uso de animais para o benefício da humanidade, não acho justo usar o “mel” do seu nome), se você sabe com tanta propriedade como é possível, por que não mostra a alternativa? Se é tão necessário, por que o maior poder do universo (a Economia) continua tolerando e preferindo tais métodos? Talvez você não saiba ou prefira esquecer que um dia soube, mas testes em animais são a etapa mais cara de uma pesquisa antes de chegar nos humanos. Se “testes científicos em animais não são um sistema de teste robusto” e existe alternativa (e “vasta literatura a respeito” – mais sobre isso daqui a pouco), por que a Big Pharma, que adora sarrabuiar em dinheiro, continua desperdiçando notas altíssimas fazendo testes em animais?

Você afirma que a “indústria farmacêutica tem mais fracassos (…) do que sucessos” e que “nove em dez drogas experimentais falham em estudos clínicos (…) com base em estudos laboratoriais e animais“. Se testes em animais erram a previsão 90% das vezes como você diz, qual outro método tem um grau de acerto melhor? Você inclui estudos laboratoriais. Você quer que deixemos de usar animais E deixemos de usar laboratórios também? Como vamos testar eficácia e segurança então? Em pedras ao ar livre? Porque pela sua própria admissão os animais que “[p]ossuem características relacionadas evolutivamente” a nós já não servem e, mais para frente, diz que humanos também não podem ser envolvidos, como vamos criar compostos para salvar mais vidas? Vidas até desses mesmos animais que você quer ver saudáveis e saltitantes fora dos laboratórios.

Você diz ainda que esses erros “não são revelados por motivo óbvio: mercado“. Se eles não são revelados… como você sabe deles? E o que o mercado tem a ganhar com uma taxa absurda de erros dessa?

Voltando ao seu uso de “vasta literatura a respeito“. Onde você encontrou essa vasta literatura? Na Vogue ou na Marie Claire? Porque se você descobriu essa mina de informação em periódicos científicos, no momento em que você diz que “Cientistas partem do pressuposto errôneo” você está criando um paradoxo onde você, ao mesmo tempo, acredita no que os cientistas escrevem na literatura E sabe, com uma propriedade ímpar que seu curso de direito a conferiu, que eles estão errados.

Mas não, o que está acontecendo aqui é que você prefere acreditar na informação que mais lhe seja confortável. Isso tem vários nomes; viés de confirmação, seleção discriminatória, falácia do atirador e etc, mas todos se resumem apenas a desonestidade intelectual. Você desacredita completamente na ciência e faz questão de tentar sujar o nome dos cientistas mas usa tanto dados científicos quanto o bom nome de qualquer cientista que você acha que concordam com seu ponto de vista enviesado. Só isso.

Ou você sabe que está errada e está sendo vilmente desonesta, ou não sabe que está esfericamente errada e está sendo hiperesfericamente ignorante.

Vários médicos e cientistas americanos já são contrários a experimentos com animais, não pela ética, mas sim por isso atrapalhar a ciência!“. E por que você acredita logo nessa minoria? Porque cita apenas um “ex-secretário de Serviços Humanos e de Saúde dos EUA” e não as dezenas de outros? O que esses poucos equivocados (não sei porque você incluiu médicos ali, sinceramente) têm de tão especial para você, fora o fato de seu equívoco ser o mesmo deles?

A segunda pergunta é meio mal feita e supõe várias coisas baseadas em achismos, mas sua resposta, Marina, é ainda pior. Você diz que não é ético usar animais para beneficiar humanos. Você só não definiu o que entende por “ética”, porque a alternativa, baseada na pergunta, pode ser resumida como “é ético não beneficiar humanos”. Você misturou humanos e demais animais no mesmo bolo e tentou sambar com palavras fortes como “instrumentalizar”, “mero meio”, “ser dotado de inteligência, consciência, projetos” (características humanas que você trouxe para o picadeiro por conta própria e está misturando cretinamente numa discussão sobre animais). E sinto informar, mas com essa linha de argumento é você que está convertendo “seres vivos complexos em mero instrumento para nossos desejos e necessidades“. Quando o “desejo” é o de melhorar a vida humana (e animal, graças a remédios e tratamentos, nunca esqueça disso) e o “instrumento” é uma prática controlada e constantemente refinada para justamente se aproximar cada vez mais desses “direitos mais básicos” pelos quais você clama, suas palavras não parecem mais tão apocalípticas assim, né?

Você finaliza sua resposta com “além de injusto, é imoral“. Muito mais imoral é deixar alguém morrer de tuberculose, muito mais injusto é alguém perder uma perna por falta de insulina. Mas isso é apenas uma opinião minha. Talvez você não concorde com a minha definição de moralidade e justiça.

A terceira pergunta (algo como “é melhor assumirmos o bem-estar animal como prioridade, em detrimento à nossa saúde”, mais ou menos) é até um tanto pior que a segunda em grau de direcionamento da resposta, mas você consegue enfiar os dois pés na boca mesmo assim.

Você, Marina, afirma que testes animais são uma metodologia equivocada (evidências?) que visam “atender uma necessidade exclusivamente humana“. Sério? Você conhece a história da ararinha-azul (que, aliás, muito ironicamente perdeu habitat para abelhas melíferas, Luisa Mell)? Especialmente o pedaço sobre a luta para a restauração da espécie? Recomendo uma leitura a respeito, textos estando disponíveis em periódicos científicos. Ah, e você sabia que seu bichinho favorito no momento, o beagle, pode sofrer uma morte horrível por causa de uma entidade conhecida por “doença do carrapato”? Você acha que o cachorro prefere o bem-estar de uma doença sanguínea natural, provocada por outro animal, ou outro estilo de bem-estar que envolve uma coleira vermelha e atóxica? Novamente, minhas definições conflituam com as suas.

Você cita “Dr. John Pippin (diretor acadêmico do Comitê de Médicos pela Medicina Responsável, nos EUA)” e completa com “[i]sso não é ciência, é bruxaria“.

Esse comitê do qual Pippin é diretor é o mesmo Physician’s Committee For Responsible Medicine (PCRM) que o Conselho Nacional Contra Fraudes na Saúde diz ser “uma associação sem fins lucrativos que alega promover uma ‘dieta ideal para a prevenção de doenças’, que diz não haver evidências de que os seres humanos tenham um requisito dietético específico para proteínas e ensina que ‘muita proteína de origem animal na dieta é prejudicial à saúde’ e que “seu líder, Neal Barnard, médico, foi identificado como consultor médico da organização radical pelos direitos dos animais, PETA, que também substancialmente financia o PCRM.”

O Conselho completa a introdução da análise com: “Na nossa visão, o PCRM é uma máquina de propaganda cujas coletivas de imprensa são teatros para disfarçar de notícia sua ideologia.” Mas tem mais nessa análise. Muito mais.

Você confia absolutamente na palavra desse comitê pelo simples fato de que sua ideologia é compartilhada com a dele. Nada além disso. Com a mesma veemência, você acusa o FDA de cometer fraude “por causa de dinheiro” enquanto suas evidências são somente as palavras que saem das bocas de pessoas de rabo preso ideológica e financeiramente com organizações radicais como a sua. Você faz parecer que o FDA financia testes em animais, o que não é verdade.

A quarta pergunta tenta comparar animais usados em pesquisa com animais criados para consumo.

Marina, sua resposta é pouco mais que um desabafo que visa deixar claro o quanto você sofre, por procuração, pelos animais, tipificado por “uma das inúmeras e terríveis formas de exploração animal“. Mais uma vez você escolhe certas definições que na sua boca parecem muito mais graves do que realmente são. Nem toda “exploração” é “terrível”, vide a produção de mel, que deixa bilhões de abelhas felizes (você atropomorfiza, então também posso) e permite a você, vegetariana, se deliciar com tomates e amêndoas. Ou você acha que tomateiros e castanhas se polinizam sozinhos? Ou acha que outros animais que não abelhas conseguem polinizar tomates e amêndoas?

Por outro lado, você também mostra como pensa por procuração através dos explorados quando diz “tão errado quanto criá-los para abate por questões tão frívolas como hábito, tradição ou conveniência“. Quem é o criador de gado que você conhece que tem um rebanho de milhares de cabeças por hábito? Onde é essa avícola que insemina milhões de perus por tradição? Qual é o agricultor que usa um boi para puxar um arado para plantar feijão por conveniência? Marina, ou você é completamente desconectada da realidade e delirante ou refinou e sintonizou seu discurso precisamente para pintar uma humanidade muito mais macabra e sombria do realmente é (logo eu tentando defender os humanos, quem diria) nos fazendo parecer monstros que matam, mutilam e torturam animais por prazer. Ou, pior, porque sim.

Você prega que animais são “criaturas biográficas que percebem o mundo à sua volta e interagem com ele” e, guess what? Nós também somos! E parte dessa interação, parte dessa biografia que nos permitiu “parar de pensar como humanos da era paleolítica” foi justamente a interação do nosso sistema digestivo com proteína de origem animal e a interação das nossas necessidades (fome e abrigo) e desejos (parar de sentir fome e frio) com a inteligência inferior de bestas maiores, mais fortes e mais peludas que nós. Nosso cérebro só serve para dar entrevistas porque nossos ancestrais paleolíticos o cultivaram com mais e melhor nutrição e mais tempo para usá-lo. Não se iluda, absolutamente nenhum item que você consome é animal free; das minhocas que limpam as raízes do alface aos jegues atropelados que viram a cola que segura as pedras dos seus anéis e brincos. E se você, através de seus atos (vide foto abaixo), aceita esse uso “natural” de animais, por que não o igualmente natural ato de consumí-los?

Imagem retirada da Wikipedia

Imagem retirada da Wikipedia

É justamente por não pensarmos paleoliticamente que usamos animais da forma como usamos, ao invés de correr atrás de rebanhos em direção a penhascos.

A última pergunta da matéria é sobre um suposto acordo para acabar com o uso de animais em pesquisas e seu prazo de cumprimento.

Quase sensatamente, Marina diz que mudanças precisam de prazos e discussões e que “[e]ssa discussão (…) deve existir“. E existe. Desde décadas atrás, especialmente entre os cientistas, que são os mais habilitados/atingidos/interessados a ter essa discussão.

Eu disse “quase” porque ela completa dizendo que a discussão deve envolver “especialistas em ética e ciência, junto à opinião imprescindível do público leigo“. Por que a opinião do “público leigo” (diferente de qual outro público?) é tão necessária e imprescindível? O que um público que, pela sua própria admissão, não sabe do que está falando teria tanto a contribuir que não desinformação, equívocos e noções destoantes da realidade, como as suas, Marina?

Motivo do título:
twitter-luisa-mell

Se liberarem o casamento gay, daqui a pouco tem gente querendo casar com cachorro

, diz o sujeito que acha normal e completamente lícito se aproveitar dos instintos gregários de um cachorro para mantê-lo no quintal arriscando a vida como cão de guarda. Ou diz a madama que nunca deu uma só hora de expediente na vida e tem um Lasha Apso que recebe mais atenção que suas próprias filhas, incluindo bolo com velas e festa no dia do seu aniversário.

Esse mesmo casal hipotético (mentira, ambos existem) não enxerga qualquer abominação no ato de levar seu animal para ser cruzado com outro, completamente desconhecido, de onde sairão filhotes que virarão rapidamente mercadoria (mais sobre isso adiante).

Creio que essas mesmas pessoas que dizem que a gayzada não pode se casar são as mesmas que estão se revoltando contra os direitos das empregadas domésticas (às quais se referem apenas por “domésticas”, para não deixarem cair no esquecimento os “bons tempos de antigamente” em que escravos se dividiam entre os de lida e os domésticos). Ou seja, essas pessoas ainda acreditam na noção bíblica (uns quatro ou cinco mil anos defasada, modernizada apenas pela influência europeia bimilenar por conveniência cromática) de que as pessoas podem ser divididas em níveis, ou subclasses; brancos ricos > brancos pobres > animais domésticos > animais de produção > pretos e pobres em geral > animais selvagens > abominações perante deus.

Essas mesmas pessoas respeitam a dignidade de animais da carne vermelha (em homenagem à lenda do Hércules hebraico) enquanto, ops!, esquecem de respeitar o dia de descanso da empregada já que “esse bacalhau não vai se dessalgar sozinho e você faz bem melhor que eu e não precisa ficar até tarde, pode sair assim que servir o almoço e tirar a mesa, não precisa vir amanhã mais cedo, pode lavar os pratos antes de sair”. O potencial de enganar a si mesmo com desculpas esfarrapadas é quase tão ilimitado quanto a hipocrisia humana. “Afinal, ela só trabalha aqui por que gosta, se não gostar pede demissão, tem uma fila de gente querendo trabalhar de doméstica e ainda estou provendo para a minha família” – que só se reúne nos almoços de domingo porque ninguém se aguenta com uma frequência maior que essa. E se o restaurante aceitar cachorros, ele vai junto.

Eu até me perguntava “o que diabo essas pessoas têm para se importarem tanto se um cara quiser realmente casar com seu cachorro” até lembrar que já ouvi de uma sujeita que os animais são inocentes (“menos gatos; gatos são dissimulados” e altamente antropomorfizados) e precisam ser protegidos. Para uma pessoa assim, o bem estar dos animais (que não são Os Animais, mas especificamente o seu cachorro) está tão acima dos direitos de um colega de humanidade que ela cria uma ponte lógica que vai de [casamento gay] até [casamento zoofílico], passando apenas por uma etapa, aquela onde os animais criam consciência momentânea apenas para serem contra seu próprio casamento com um humano, possivelmente gay.

Lembram do casal lá no começo do texto que levou seu cachorro para cruzar para que eles e os donos da cadela pudessem vender os filhotes? Se os animais são tão inocentes e precisam tanto de proteção e não entendem o que está acontecendo e não podem casar com gays, por que então, ó demônios que assombram o caráter dos cristãos, eles podem ser forçados a fazer sexo com um outro animal que nunca viram na vida e podem ser vendidos a qualquer um com dinheiro suficiente logo após tomarem a primeira vacina (e terem orelhas e rabos decepados, outro comportamento completamente adequado na cabeça mal formada desses retardados evolutivos com seus cérebros e capacidade cognitiva de lagartos)? Hein? Alguém tem uma resposta?

Ou a resposta é “animais só devem ser defendidos em situações que envolvem indivíduos dos degraus mais baixos da escala de importância – onde aqueles dos quais tenho medo são os mais rebaixados”?

Eu tenho das certezas a mais absoluta que aquele mesmo casal tradicional, em algum momento (talvez numa época de vacas magras, quando a madama achou que deveria pular do barco antes deste afundar ou quando o sujeito conheceu uma dona na Internet e viu crisedemeiaidademente um futuro melhor e mais sexualmente ativo com ela) já chegou ao limite do matrimônio e, enquanto considerava se valeria mais a pena vender o carro agora ou dividir o valor depois, jamais algum achou ruim a existência do divórcio. Que, junto com morte, é a principal ameaça à sagrada instituição do casamento que tanto querem proteger – desde que seja o dos outros.

Porque só um muito profundo desejo freudiano de controlar os outros explicaria esse tipo de atitude, já que existe tanta gente que se sente agredida quando me vê na rua andando descalço, como se o fato de eu ter uma postura altiva ao mesmo tempo em que tenho pés de agricultor fosse uma ofensa pessoal àquele indivíduo que, obviamente, é o centro de todo o universo e pode, não, DEVE!, ter poder de controlar a tudo e a todos.

Desde que seu poder não possa ser aplicado nele mesmo e nunca interfira nos seu desejo de castrar, mutilar e estuprar por procuração animais, nem no seu direito sagrado de não pagar hora extra para a empregada porque ela precisa trabalhar no dia que é sagrado e de descanso para você e para mais ninguém que se intrometa na sua comodidade.

A única “feliz páscoa” aceitável por aqui.

A dança do sexo (com vídeos!)

No começo deste ano, o Scienceblogs Brasil desenvolveu o primeiro amigo secreto científico da blogosfera internacional do qual eu tenho notícia e participação. Pessoas interessadas se inscreveram (vocês ainda podem participar, seguindo o link ao final do texto) e foram secretamente sorteadas pelo nosso sofisticado software Emulador Kochiano de Algoritmos Não-Triviais e Objetividade Confiável (Kochian Emulation of Non-Trivial Algorithms and Reliable Objectivity, em inglês). Abaixo, vocês conferem a produção do meu amigo secreto (não para mim, que já descobri quem é) cuja identidade é dever de vocês adivinhar.

Oh well… vejam só quem para quem será meu presente de amigo secreto…

Nada mais, nada menos que Igor Santos. O cara que mantém sei lá quantos blogues (de qualidade, diga-se de passagem) e um tumblr de sacanagem. He.

Pensando na gama curiosa de assuntos abordados pelo autor deste blog e também para homenagear e reconhecer o trabalho deste querido blogueiro, nada mais interessante do que falar cientificamente de… sexo!

No mundo animal, especialmente na vida selvagem, encontrar uma parceira para reproduzir-se é um assunto sério, é a única chance de passar adiante seus genes em busca do sucesso evolutivo.

Para tal, os machos são capazes de tudo, até mesmo de oferecer sua própria vida em busca de uma fêmea que os queira.

Esta seleção por parte das fêmeas tem um nome na ciência: Seleção Sexual. Conceito introduzido primeiramente por Charles Darwin e Wallace em seus manuscritos sobre a Teoria da Seleção Natural (1859). Como uma parte importante dessa teoria, a seleção sexual propõe que a seleção de características morfológicas ou comportamentais que levam ao cruzamento bem sucedido oferecem vantagens reprodutivas em contraste com as vantagens de sobrevivência. Com a seleção sexual pretende-se explicar por que determinadas características que não fazem a menor diferença para a questão sobrevivência, continuam sendo mantidas em determinados grupos de animais.

Quer vantagem reprodutiva e um harem só para você? Pergunte ao mundo animal: como?

Chamar a atenção da fêmea é o objetivo dos caras, então desfile, mostre seus ornamentos coloridos, dance na frente delas! Ahh a dança… dentre as técnicas atrativas do mundo animal, esta é a minha predileta! Para cada cruzamento, um show!

Abaixo alguns exemplos dentre os pássaros:

Birds of Paradise, exibem suas penas e pulam alegremente na frente da fêmea, como se dissesse: “Oi estou aqui, me escolhe? Me escolhe? Veja o que meus genes fizeram por mim e poderá vê-los em suas crias, que tal?”

Se sozinho você não se acha capaz, convide os amigos! Veja abaixo o ritual para conseguir uma fêmea utilizado pelos Flamingos:

Mas, a dança não é só habilidade dos penosos, vejam só este “break” da aranha:

Dada a importância dos rituais de acasalamento, o estudo do sexo e dos diferentes comportamentos acerca dos animais foi transformado em uma série vídeos da Earth Touch TV, uma “web emissora” engajada em transformar as histórias da natureza em coisas emocionantes e cheias de imaginação.

O vídeo abaixo, que infelizmente não tem legendas em português, é um dos episódios da série Wild Sex, protagonizada pela bióloga Dra. Carin Bondar.

Neste episódio ela comenta a respeito dos diferentes rituais de dança que envolvem o mundo animal. Vale a pena conferir!

Como uma parte do InterCiência, este texto deixa algumas dicas de quem sou, porquê tenho uma forma característica de postar. Deixa dicas sobre minha profissão, porquê não me arriscaria a falar sobre espaçonaves. Mas não deixa muitas dicas a respeito do meu blog, nem mesmo a respeito do assunto tratado por ele.
Alguém tem ideia de quem sou?

———

[Este texto é parte da primeira rodada do InterCiência, o intercâmbio de divulgação científica. Saiba mais e participe em: http://scienceblogs.com.br/raiox/2013/01/interciencia/]

Heurística em uma simples lição

A grosso modo, dá-se o nome “heurística” ao processo de busca da verdade por intuição ou experiência.

Simplificando ainda mais: heurística é um “atalho mental” que nós usamos para chegar rapidamente a uma conclusão de maneira que esta esteja o mais perto possível da “verdade”, porém nem sempre com êxito.

Um exemplo interessante, vindo da Universidade da Pensilvânia, nos diz que temos uma tendência a estimar o peso das pessoas de acordo com suas larguras, independente da altura dos indivíduos. Via de regra, o mais gordo é o mais pesado (esse é o atalho mental), no entanto, um baixinho gordinho pode pesar bem menos que um gigante esbelto, apesar disso (em acordo com a nossa experiência) ser mais raro.

Mas esse mesmo erro de conceito (e uma certa incapacidade de adicionar muitas coisas ao mesmo tempo) nos faz achar que várias pequenas porções de um alimento fornecem menos calorias que uma só porção grande, mesmo quando o pedaço maior é, de fato, menor que a soma dos pedaços menores (em outras palavras, achamos que um bife de 300g tem mais calorias que um bife de 500g cortado em vinte pedacinhos porque somos ruins de conta), o que nos faz comer, sem culpa, um pacote de 200g inteiro de Fandangos Eco enquanto torcemos nosso nariz dietético para uma batata assada de 150g.

Heurística nos faz chegar a conclusões que estão mais ou menos certas no menor tempo possível. Evolutivamente isso faz sentido, já que não é tão vantajoso ficar muito tempo ponderando se aquilo é mesmo um tigre dente-de-sabre.

Dessa maneira, podemos ver as fotos a seguir e dar valores diferentes ao que é, basicamente, a mesma coisa. Notem:

.

bebe fofinho com chapéu de pele

A reação comum à foto acima é: “Ooommmm, que fofinho, o bebezinho com um chapéu de pele”.

.

garota fofinha com chapéu de furão

Temos aqui uma reação parecida, mas o conjunto já não é tão fofo assim porque o bicho ainda está vivo e, potencialmente, pode machucar a garotinha. Existe uma reserva maior, caracterizada por um “om” menor e menos efusivo e por pausas de tensão entre as frases: “Oomm, que linda… fazendo o furão de chapéu…”

.

sujeito bizarro com chapéu de pele

Aqui, novamente, exatamente a mesma coisa, porém agora se trata de um adulto. Já sem expressões de fofura, lemos a foto como: “Hum…” e evitamos contato visual enquanto atravessamos para o outro lado da rua.

.

velhote bizarro com chapéu de raposa

Mesmíssima situação, mas agora evitamos contato visual com a raposa morta e temos um: “Credo, que velho macabro!”

A próxima foto pode ser bastante perturbadora para alguns. Por favor, exerçam discrição ao contemplá-la.

.

.

.

Continue lendo…

Categorias

tempo

agosto 2017
D S T Q Q S S
« jun    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031  

espaço

Locations of visitors to this page

desfrute e compartilhe

Creative Commons License
Esta obra de Igor Santos é licenciada sob Creative Commons by-nc-sa.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM