Buscas e nível de escolaridade

Acho interessante como minhas buscas vão aumentando de escolaridade ao longo do tempo, à medida que o nível de complexidade das respostas não me satisfaz.

Para um post vindouro, preciso saber a influência do calor na quantidade de cafeína em uma xícara de café. Comecei hoje cedo com “quanta cafeína numa xícara de café”, mudei para “cafeína quente” e passei para “quantidade cafeína calor”, lendo blogs de consumidores.

Em seguida, mudei o idioma e fui para “coffee caffeine quantity” e “caffeine heat influence” e fui parar em blogs de baristas.

Segui com “caffeine milligrams heat” e li páginas de produtores. Mas ainda sem descobrir o que quero.

trimetilxantina-42

Agora já estou procurando por “caffeine availability +extraction +methods” e “pharmacological objective measurements of heat acquired trimethylxanthine” e lendo PDFs de universidades.

Próximo passo é comprar papers com títulos como “1,3,7-Trimethylpurine-2,6-dione adsorption models” e “Gas Chromatography Time-Of-Flight Mass Spectrometry-Based Metabolomics for Comparison of Caffeinated and Decaffeinated Coffee in the Role of Adenosine Receptors and Endogenous Adenosine in Citalopram-induced Inhibition of PKC-dependent Extracellular Ca2+ Entry”.

Ainda não achei o que quero, mas já sou especialista em absorção de glicose durante exercícios de baixo impacto e conheço a fundo a permeabilidade passiva microfluidica usando interface de gotículas nanolítricas em bicamadas de lipídios, por algum motivo.

Doces, bolhas e hipóteses; uma autoexperiência improvisada


Antes de qualquer coisa (exceto isto aqui <=), um aviso: lembre sempre que plásticos tendem a deformar sob calor excessivo.

Parte 0 – Ideia brilhante

Estava eu há alguns dias sem dormir que preste quando, numa bela tarde da noite, não mais que de repente, sou abatido por um desejo incontrolável de vasculhar a geladeira. Eis então que encontro uma caixa de leite aberta.

Totalmente desprovido de capacidade cognitiva de estimar a data de abertura do longa-vida devido ao meu estado insône de semiconsciência, lembro de um velho truque culinário que é passado de geração em geração na minha família (começando com a minha mãe e findando em mim) que consiste em aquecer o conglomerado coloidal até que este ferva ou talhe (se ferver, apesar de nutricionalmente arruinado, pode ser bebido com segurança; se talhar, serve nem para jogar ralo abaixo porque leite azedo talhado é capaz de entupir até a boca da panela).

Na minha casa nunca teve essa conversa de “beber leite quente ajuda a dormir” (a palavra de ordem era “banho”), logo jamais passou pela minha anuviada cabeça fazê-lo (era quase um litro também) e como leite fervido e esfriado cria uma nata tão aderente que Van der Waals teria dificuldade em explicar, eu precisava usar aquilo de alguma forma.

Qualquer fita métrica que passasse ao redor da minha cintura naquele momento poderia prever (caso implementos alfaiáticos possuíssem alguma forma inata de precognição) a ideia que surgiria na minha mente em instantes.
comendosemparar.gif

Doce de leite.

Parte 1 – O doce

Ao ver subirem à superfície do líquido não maçarocas de sólidos lácteos mas bolhas de ar, estimei volumetricamente a quantidade de leite na panela e despejei o que julguei ser metade daquele valor em açúcar, alguns poucos cravos-da-índia (para dar um toque exótico) e uma quantidade arbitrária de manteiga (para dar um brilho).

Juntei, de forma simétrica, as pontas dos dedos da mão esquerda às pontas dos dedos da mão direita, proferi um “excelente” e me preparei para passar os próximos noventa minutos mexendo a mistura enquanto ela atingia ponto de fio.

Quando o volume total inicial fica reduzido pela metade, é necessário um olho experiente para perceber a sutil variação na cor do produto que gradualmente escurece e notar quando o doce está no ponto e pronto para ser retirado do fogo. Como eu não tenho um olho assim, uso uma tabela cromática com 256 tons de marrom.

Nesse momento a única diferença significativa entre doce de leite e magma, além da proporção entre os minerais, é que um é quente o suficiente para derreter rochas enquanto o outro encontra-se a quilômetros de profundidade sob o manto terrestre.

Eu costumo ser bastante cuidadoso enquanto estou cozinhando e diretamente proporcional ao cuidado é o desleixo que me toma assim que desligo a boca do fogão.

A comida está pronta e o fogo apagado, o que poderia acontecer de errado?

Grande erro.

Parte 2 – As bolhas

Dos recessos mais profundos do meu armário de receptáculos vedáveis, produzo um cilindro oco de polietileno despejando dentro dele a produção da minha noite oniricamente prejudicada e coloco o sistema doce-plástico no parapeito da janela para esfriar mais rápido.

Temendo que a coruja albina que mora nas caixas de condicionadores de ar do meu edifício se interessasse pela iguaria, achei por bem tampar o recipiente que se encontrava a oitenta centímetros de mim (aproximadamente uma pia de distância), cometendo o erro de não levar em consideração a variação de ductibilidade do material sob altas temperaturas (vide aviso no início deste artigo) e a perfeição do lacre da tampa, cuja bitola é apenas alguns nanômetros maior que a da boca do pote.

Agora, preciso da ajuda da capacidade de abstração de vocês. Imaginem a seguinte cena: um líquido ultraviscoso e pegajoso aproximando 160 graus centígrados dentro de um reservatório que se torna mais maleável a cada segundo e cuja vazão está rapidamente dando lugar à pressão devido a uma tampa (que em condições ideais já é deveras difícil de encaixar com sucesso) sendo inadequadamente forçada por um gordo burro e sonolento a uma distância totalmente impraticável.

O que temos então? Isso mesmo.

Napalm caseiro.

Parte 3 – Hipóteses

Após a parte do jato incandescente de creme açucarado que conseguiu desviar da palma da minha mão me atingiu na perna e pé, meu cérebro resolveu me ajudar um pouco e entrou no modo Alerta 2 (Avaliação de danos => Exploração superficial de riscos latentes nos arredores => Escolha de método de reversão de ameaça).

Após finalizar a coleta de dados inciais, a diretiva principal era bastante clara: reduzir temperatura imediatamente.

Como a ameaça estava incorporada em um ser pastoso e grudento mas completamente hidrossolúvel que cobria áreas variadas do meu corpo, cautelosamente (porque não gosto de entrar em pânico) me dirigi ao chuveiro o mais rápido que o atrito entre meus pés e o piso do apartamento me permitia (porque eu estava em chamas).

Já debaixo de uma coluna semicontínua de água fria (eu tomei um tempinho para verificar se a resistência estava mesmo desligada) pensei, enquanto admirava os tons rubros que partes da minha pele estavam adquirindo, qual seria o próximo passo no tratamento.

O engenheiro de materiais que ocupa um quartinho no lado esquerdo do meu lobo frontal me recomendou que, depois que a temperatura voltasse a níveis aceitáveis, eu deveria manter uma certa oleosidade sobre os locais afetados para impedir o ressecamento das superfícies e evitar rachaduras e infiltrações futuras. Logo, assim que parei de delirar, me enxuguei cuidadosamente e comecei a me lambuzar generosamente com um hidratante à base de óleo (que eu só possuo porque minha caminhadas diárias costumam deixar meu entre-coxas assado).

No meio da ação pensei: “este é um momento ideal para conduzir um experimento impromptu!”

Passei o hidratante em todos os pontos fumegantes, exceto no pé, que resolvi deixar como controle.

Neste momento preciso fazer uma pausa para inserir uma das minhas famosas desmitificações: popularmente acredita-se que jogar água em queimaduras favorece o aparecimento de bolhas, mas a não ser que o sujeito possua uma lata de ar comprimido ao alcance das mãos, água é a coisa que vai esfriar a pele mais rapidamente. O que propicia o aparecimento de bolhas é a temperatura e o calor específico daquilo que o queimou (não pude controlar para isso mas talvez num próximo episódio eu tenha mais autocontrole).

De nada.

Eu poderia também ter tentado outros métodos para comparação, mas nenhum (pasta de dentes, clara de ovo, manteiga) me pareceu justificadamente funcional, então resolvi manter o plano inicial e me ater a testar apenas a hipótese da eficiência real do hidratante.
queimadura na mao.jpg

Hoje, alguns dias depois, tenho bolhas médias indolores na mão, uma bolha gigante e dolorida no pé e uma marca (como de um açoite com chicote em brasa) na perna, também sem dor na região.
queimadura na perna.jpg

As demais áreas afetadas não podem ser expostas neste blogue, que se orgulha em ser Censura Livre.

O hidratante parece ter ajudado. Meu pé ainda dói consideravelmente.

Sei que não foi um teste cego, mas minha frieza consegue ameaçar minhas emoções e subjetividade de um jeito fabuloso.

Precisa ver.
queimadura no pe.jpg

E precisei de tudo isso para conseguir inspiração para escrever um artigo decente enfim.

=¦¤þ

Categorias

tempo

outubro 2017
D S T Q Q S S
« jun    
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  

espaço

Locations of visitors to this page

desfrute e compartilhe

Creative Commons License
Esta obra de Igor Santos é licenciada sob Creative Commons by-nc-sa.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM