N/g·ma

Suponha que você está trancado num quarto sem portas ou janelas nem qualquer meio de comunicação com o mundo externo. Suponha também que você não tenha claustrofobia, o que calharia bem nesta situação.

À sua frente se encontram: um bilhete escrito em letras médias com uma caligrafia confortável e pontuação impecável, uma balança precariamente suspensa por um fio, e dez caixas de sapatos (nenhuma delas, no entanto, é azul ou amarela) contendo itens variados. E você, além de usar óculos, tem uma caneta no bolso. Apesar de estar sem meias.

O conteúdo de uma das caixas.

O conteúdo de uma das caixas.

O bilhete lê:

Caro(a) Senhor(a), saudações.

Este quarto onde Vossa Senhoria se encontra tem 0,276458 m.n.³ (milhas náuticas cúbicas) de volume, estando o teto exatamente a vinte e seis e um quarto pés acima do topo da vossa cabeça, de onde pende um fino fiapo fibroso fixado firmemente a fitilhos filamentosos fincados em filetes enfileirados no frágil forro facilmente fraturável. Fitai! E não vos firais, pois ao fim de seu comprimento, o fio sustenta um sofisticado sistema de sensores satisfatoriamente precisos que medem, ao mesmo tempo, tanto a massa quanto o peso de um objeto apoiado sobre si – no entanto, tal ação só poderá ocorrer uma única vez, e rapidamente, visto que o sistema já está bem próximo de seu limite de colapso, que acontecerá inexoravelmente nos próximos cinco (05) minutos.

Das caixas ao vosso lado, cada uma contém pelo menos 631 itens de tamanhos e formatos diversos sendo – todos eles em cada uma – sempre com exatamente meio ou um grama. Antes do tempo limite expirar (evento que se dará inequivocamente com a queda do instrumento), para sair desse impossível aposento no qual vos encontra, precisareis, com uma só pesagem, descobrir quais caixas contêm itens com 0,5g e quais as com os de 1g.

Para os de aprendizado visual.

Para os de aprendizado visual.

Apesar da saudação genericamente neutra e a pessoa verbal impessoal contradizerem o implícito conhecimento preciso da sua altura, é de se esperar que você esteja sendo observado e que o tempo só passe a valer quando você acabar de ler o bilhete.

Passados cento e oitenta segundos, você finalmente consegue decifrar que em algumas caixas todos os objetos pesam 0,5 e, em outras, todos pesam 1 grama.

Você precisa descobrir quais caixas têm pesos de meio e quais têm pesos de um grama. Lembre-se, só lhe resta pouco mais de 3 minutos (o que não é tempo suficiente para contar o número de objeto em cada uma). Como você procede?

Dica: existem várias formas de resolver o problema e muitos dos dados dados são irrelevantes.

Como fugir da carinhosa brutalidade do casal de PhDs

Se você não faz ideia do que signifique o título, sugiro que leia o enigma publicada semana passada, tenta resolver e, só então, volte aqui para ler a resposta.

Iniciando do começo, visando preservar sua saúde mamilar (já que sua sanidade mental não tem mais conserto neste ponto), você tem quarenta fotografias com dez viradas para cima e trinta para baixo. Segundo o enunciado, sem poder enxergar “você terá que separar as fotografias de modo que tenha dois montinhos com precisamente o mesmo número de imagens à mostra”. Lembrando que zero também é um número, existe uma forma de resolução que funciona com qualquer número de itens acima de um: em um monte, você separa os número que foi dado (dez, neste caso) e, em seguida, vira tudo naquele monte.

Desta forma, se todas as fotos estavam para cima, todas ficaram para baixo, resultando em zero dos dois lados. Se nenhuma estava do lado certo, ao virar ao contrário, todas ficarão, deixando dez de cada lado, satisfazendo as condições impostas. Testem as outras combinações e notem como funciona com qualquer uma (e, novamente, com qualquer valor: trinta e oito no total com sete para cima; dezoito total, três para cima; mil, setecentos e um total, mil e setecentos para cima; etc).

Alternativamente, se a questão fosse “separar as fotos em duas pilhas com exatamente o mesmo número delas virada para baixo“, bastaria inverter a pilha contendo trinta, já que este foi o número dado como já tendo as fotos para baixo.

Na fase subsequente, basta criar um paradoxo. A resposta mais contextual seria afirmar que você jamais precisará de manicure novamente (“terei minhas unhas separadas das falanges por uma finíssima cunha metálica”). Se eles o fizerem, sua frase terá se tornado uma verdade, o que os forçaria a cumprir as próprias condições (lembre-se, eles são um psicólogo e um economista, dois seres infindavelmente lógicos) e recriar sua topologia pudenda. O que faria da sua frase uma mentira, os forçando a repetir o ciclo.

Ficando eles sem escolha, chegamos ao revólver. Aqui, você só pode torcer para que as leis estatísticas esteja de bom humor e sorriam para você.

Mas, como a sorte vem para os que estão preparados, você pode aumentar um pouquinho suas chances.

O negócio é o seguinte: se as duas balas estão encostadas e a primeira tentativa não resultou em um tiro na sua cabeça, sem mexer novamente no tambor a única bala que pode ser acionada é a primeira. Logo, podemos considerar ambas como uma só entidade, deixando o tambor com cinco espaços possíveis. Um já foi testado, deixando sobrar quatro; três deles certamente vazios e um (representado pela primeira bala) acionável explosivamente (a segunda bala não entra nesta conta porque ela não está disponível, pois para a sua situação, só interessa o primeiro tiro).

Você tem três chances em quatro, ou 75%.

Se o tambor for rodado novamente, a Sra. Aleatoriedade volta a tomar conta e você passa a ter quatro chances em seis, ou duas em três, ou 66%. Não é uma garantia de que você vai sobreviver, mas já que não existe uma terceira opção, é melhor optar pelo gatilho simplesmente ser puxado mais uma vez.

13% a mais pode parecer pouco, mas numa situação assim é melhor que nada.

Eduardo acertou a segunda etapa mas escorregou na resposta da terceira, bem como Danillo.

Apenas Beto acertou as três. Parabéns!

Fuja! Ou morra… de amor (!?)

Digamos que um salafrário casal sadô-masô amarrou você a uma cadeira, com uma brutalidade particularmente carinhosa, e concluiu que você se daria a um excelente recheio de dor e prazer.

Enquanto você é sanduichado pelo par, que se abraça ao seu redor, asperamente afaga sua privacidade e mordisca seu brio, eles divisam uma situação que lhes causaria tão agradável sofrimento em que você escaparia de suas grosseiras carícias (e uma provável cova rasa encimada por sais de potassa).

Como obviamente eles vendaram você visando amplificar o prazer de todos os envolvidos (o deles, ao aumentar o seu nível de estresse; e o seu, impedindo que você repare nos brinquedinhos ao seu redor), a ideia revolve ao redor de jogos que podem ser resolvidos às cegas.

Já que ambos contam com doutorados, sendo um em psicologia cognitiva experimental e outro em macroeconomia social, eles conhecem intimamente o valor dos incentivos. Para que você não se desanime durante sua tarefa inicial, para cada tentativa que resultar em falha, uma sexy eletrocussão lhe atravessará o peito, partindo de seus mamilos (o que eles esperam que aumente sua avidez em continuar tentando até o máximo que suas terminações nervosas possam suportar), devidamente conectados com garras-jacaré.

Calma, não é esse tipo de tortura. Para tudo há limites.

A primeira parte do suplício recreativo, eles contam: “No Sybian à sua frente há quarenta fotografias dos resultados das nossas aventuras com parceiros com menor integridade intersticial do que esperamos que você tenha. Dez delas estão viradas com as chocantes imagens para cima, enquanto as outras trinta estão ao contrário, escondendo os horrores excitantes que retratam. Para que evite a ausência de elétrãos livres em suas papilas mamárias, ao desamarrarmos suas mãos e ainda com os olhos obscurecidos pela mais fina seda, você não deve obter sucesso em separar as fotos em duas pilhas com exatamente o mesmo número delas virada para cima.”

Após desfiar essa cadeia labiríntica de negativas (e alguns choques experimentais), você percebe que, para o seu bem (suponho, afinal nunca posso ter certeza das preferências dos meus leitores), você terá que separar as fotografias de modo que tenha dois montinhos com precisamente o mesmo número de imagens à mostra, e terá que fazer isso sem ver qualquer uma delas.

Vale salientar neste ponto que, a menos que você seja O Demolidor, elas também são indistinguíveis por tato. Sua inteligência, e não seus sentidos, deverão ser usados.

Caso consiga vencer a primeira provação, e retirando qualquer dúvida sobre a preferência por negativas desnecessárias, eles prosseguem: “agora, para não sofrer mais, você precisará mentir se quiser ter suas unhas separadas das falanges por uma finíssima cunha metálica, ou dizer a verdade para que sua genitália ganhe uma decoração inédita.”
Aqui, apesar da sua pulsação descontrolada e as temíveis conclusões que sua imaginação insiste em mostrar vividamente, existe uma forma de evitar onicoptose adquirida ou genitosquise involuntária.

Eu chamo o meu de "um cidadão, um voto".

Conseguindo transpor aquele temeroso obstáculo, vem a última e mais arriscada etapa desta amorosa tortura e que é responsável pela maioria das fotos que você, infelizmente, precisou tocar e que agora contam com as suas impressões digitais.

Mas não se preocupe com isso no momento, você precisa se concentrar.

FOCO!

Um revólver aparece em cena. Este comporta até seis balas mas o Casal 20 (eles representam o 2 e o 0 é você), num simbolismo macabro do amor(daçado) eterno que os une, usa apenas duas balas e, continuando a abstrusidade da metáfora pouco apropriada, as colocam em câmaras adjacentes do tambor, como nas covas cilíndricas em que o inseparável casal doentio espera ser inumado.

A seguir, eles giram o tambor e, antes que o movimento cesse por completo, a arma é travada e o gatilho é acionado, com a boca do cano experientemente apontada para a sua têmpora esquerda.

Nada acontece. A câmara estava vazia e a agulha acertou apenas ar.

E eis que aqui finalmente chegamos no fim da linha.

A proposta derradeira é esta: eles podem simplesmente puxar o gatilho novamente ou repetir a rotação do tambor e, só então, tentar mais um tiro na sua cabeça. Se você não virar o quadragésimo primeiro retrato da coleção, você pode traumatizadamente e sem ressentimentos ir embora.

O que você escolhe? É melhor tentar a próxima câmara do revólver ou restaurar a condição aleatória inicial?

Solução do enigma ligeiramente físico.

Isto é uma resposta. Se você ainda não leu o enigma, vá lá e depois volte aqui.

A solução mais segura é a seguinte: dobre a cordas em três pedaços iguais e corte em uma das dobras. Agora você terá duas cordas, uma com 75 e outra com 150 metros.

Amarre a ponta da menor no primeiro gancho. Com a ponta livre, faça um laço com espaço suficiente para acomodar a segunda corda com folga.

Puxe a corda maior para dentro do laço até a metade. Agora você terá um pedaço inteiro com aproximadamente 75 e um pedaço de 150 dobrado ao meio, dando mais 75. Somando os dois, você terá uma corda com quase 150, o que é suficiente para que você chegue ao segundo gancho (mesmo que você tenha perdido um metro inteiro nesse arranjo, a não ser que você tenha menos de um metro de altura com os braços esticados, isso não será problema).

Chegando ao segundo gancho, puxe a corda de 150 metros até o fim, amarre uma das pontas no suporte e desça.

Pronto. Agora vá tratar dos seus calos.

Essa é a resposta mais matematicamente correta, como Vinicius Makoto Mori e Pedro descobriram primeiro. Os leitores, porém, acharam algumas outras formas de se salvar (ou tentar se salvar, o que vier primeiro). Eis algumas:

Leonardo – “Enquanto as lentes dos óculos por meio da convergência dos raios solares, cortam lentamente a corda na altura do 1º guancho, desço repidamente até o segundo gancho e espero a corda terminar de ser cortada. Aí é só amarrar a corda no segundo gancho e descer até o térreo.

Maria – “Um… Amarre a corda no tamanco, bote o óculos, amarre a meia na cabeça (?), se arme com o canivete e mete a pancada nos zumbis! Se sobreviver, é só pegar o elevador e ir pro térreo…

Angel Pena – “Numa posição apropriada, por exemplo a 50 m do topo, utilizando os oculos, o canivete (encostado e fechado na corda) e os tamancos, todos eles presos pela media, desceria até o segundo gancho (sem corda) e ataria a extremidade da única corda. Me segurando do segundo gancho com corda, faria a corda girar para conseguir um movimento de rotação do contrapeso (tamancos) em torno à corda (que esta em contato com a lamina do canivete). O giro e o atrito com a lâmina cortará a corda caindo até o chão. Dai é só descer.

Herdeiro do Vigário – “Desculpe a persistência, mas gostaria de fazer outra pergunta… O aviso poderia ser recortado de modo a formar uma frase oferecendo recompensa a quem subir levando uma corda de 300m?

A resposta é sim, como demonstra este anagrama:

SOCORRO, MANDEM UM HELICOPTERO

ESTOU PRESO NO TELHADO

ZUMBIS NA ESCADA NÃO ME DEIXAM ESCAPAR

CORDA INSUFICIENTE

PAGO ATE 50 CONTO OU DOU ALGO ALEM

MANDA-ME FERA

50º ANDAR

AFANAR FRANÇA

ÇA VÀ

QED

Girino – “cubro a mão com a meia pra não “queimar” com o atrito da corda, pulo do prédio com a corda na mão e “miro” na direção do segundo gancho. quando passar pelo gancho, acerto a corda no gancho e uso a meia pra frear a queda. amarro a ponta da corda nela mesma no ponto onde eu consegui freiar de forma que o restante da corda chegue até o chão (se não chegar no chão, subo alguns metros pela corda pra fazer isso). desço até no chão, enfio os dois tamancos no rabo do primeiro zumbi que aparecer, coloco os óculos, faço pose com o celular e vou pra galera!

Ranieri Severiano – “Mataria os zumbis com tamancadas e os jogaria do alto do prédio. Como no filme 300, seria formada uma montanha de zumbis da altura do prédio por onde se poderia descer.

Mas, a melhor de todas, foi outra de Girino – “Faço um carretel de corda enrolando ela no celular. tiro o celular do meio do carretel e amarro os tamancos na ponta da corda que ficou no centro do carretel (mas eles tem de ficar soltos, pra fora do carretel pois vão funcionar como freio inercial). cubro o gancho com a meia, só por precaução, encaixo o carretel de corda no gancho.amarro a corda na minha cintura, deixando uma ponta relativamente grande para fazer um laço. pulo do prédio. a corda vai desenrolar mas o tamanco, ao girar, vai diminuir a velocidade de rotação do conjunto (freio inercial) permitindo que a descida não seja excessivamente rápida.

Outros tantos decidiram pular enquanto amarrados à corda. A isso só tenho uma observação: ai!

Notei também que vocês tiveram muitos usos para os tamancos. Vocês são estranhos…

Enigma físico (ou quase, é mais um problema de lógica)

Cena A: você está no topo de um edifício bem alto e, sabendo o número de pavimentos (noventa e nove andares + pilotis) você supõe que o prédio tem trezentos metros de altura.

Cena B: a saída, por algum motivo, está bloqueada (zumbis, digamos) e, como se trata de uma situação real (fora os zumbis), você não pode simplesmente pular dali. Nem mesmo para outro prédio vizinho, visto que um edifício de cem andares deve, por lei, ter uma área de terreno consideravelmente grande. A não ser que você tenha asas (o que eu seriamente duvido), é impossível chegar em qualquer outro telhado sem se espatifar terminalmente contra o chão.

Eu disse que a lateral do prédio é lisa?

Cena 3: você nota uma corda com uma etiqueta dizendo “contém 225m” e um gancho na beirada da edificação, provavelmente deixados por um conjunto convoluto de situações improváveis envolvendo um representante de equipamentos para rapel e um limpador de janelas desleixado (provavelmente por causa do aviso prévio recebido na manhã anterior), completamente não-relacionados mas deus-ex-machinamente necessários para o resto do enigma.

Cena 4: Ao lado da porta que dá para a horda maligna de mortos-vivos você vê um aviso que lê: “ATENÇÃO AVENTUREIROS – O 50° ANDAR CONTA COM UM GANCHO SEMELHANTE AO ABANDONADO PELA FIRMA DE LIMPEZA, SENDO QUE DE OUTRA MARCA MAS IGUALMENTE FIXADO À PAREDE COM CINCO PARAFUSOS REFORÇADOS”

Cena IV: obviamente, você carrega consigo um óculos, um canivete, um pé-de-meia extra e um telefone celular sem carga (de bateria, não de créditos). Por alguma razão que não me diz respeito, você está usando tamancos holandeses de madeira tradicionais.

Questão 1: em tal situação, usando o que lhe está disponível, o que você faria para chegar com vida ao térreo?

(Nota: o andar térreo, ao contrário do telhado, está livre dos infectados. Uma vez na rua, você estará a salvo.)

Trolololo, o enigma

Felipe acertou em cheio na mosca.

Acho que minha “obsessão” com o número 42 está deixando os enigmas tão fáceis que poucas pessoas estão se dando ao trabalho de comentar.

Que tal então um enigma não-numérico?

Deve ser interessante. Vamos lá:
(Eu escrevi uma estória tão comprida envolvendo super-heróis e supervilões como introdução para o enigma que acho que vou publicá-la separadamente, senão vocês cansariam de ler e não teriam mais forças para pensar na solução. Vou tentar uma introdução mais simples.)

Devido a circunstâncias que pareciam lógicas na hora mas nem tanto depois que a ressaca passou, um sujeito resolveu trancafiar oito pessoas em oito celas separadas e sem comunicação inter-, extra- ou intracelas.

Bastante arrependido mas sem querer parecer um idiota por ter feito isso sem motivo aparente, o captor reúne os oito capturados em uma sala comum (absolutamente vazia a não ser por duas caixas de sapato, uma azul e outra amarela) e lhes diz, por meio de um interfone (por medo de não conseguir impedir o octeto de surrá-lo ali mesmo), que os libertará (transportado-os desacordados depois de devidamente drogados até uma área remota e sem ligação com o cativeiro) caso eles achem a resposta correta para o problema que segue os seguintes critérios:

1 – O pseudossequestrador vai deixar cada pessoa entrar sozinha na sala comum e, enquanto lá dentro, ela deve necessariamente tampar ou destampar uma, e apenas uma, das caixas;

2 – Nenhum dos raptados poderá retirar ou adicionar objetos à sala comum. Também não será permitido escrever (a la Marquês de Sade, pois não há lápis por perto) nem deixar “pistas olfativas” (não sei como ele vai controlar esse aspecto, mas ele deve ter um ventilador por perto). Apenas seguir as orientações da condição 1;

3 – Ele vai liberar o acesso a uma pessoa por vez que, depois das condições 1 e 2 satisfeitas, deve voltar à sua cela específica que será trancada, bloqueando qualquer possibilidade de comunicação com os outros “participantes”;

4 – Não há regularidade no tempo de entrada nem ordem na escolha do participante (ou seja, o prisioneiro 8 poderá ser chamado à sala comum vinte vezes seguidas em quatro minutos ou ser chamado apenas uma vez, depois de cinco horas), mas em um instante indeterminado, todos terão participado do “joguinho”, de acordo com as condições 1, 2 e 3, pelo menos uma vez.

Em algum momento após a observação do critério 4, um deles deve anunciar que todos os oito já estiveram na sala comum (sem contar a reunião, seus espertinhos).

Caso acerte, serão todos libertados. Caso erre, o próximo enigma envolverá apenas as sete pessoas restantes…

Os aprisionados, enquanto ainda reunidos, têm dez minutos para bolar um plano antes de serem mandados de volta às suas celas para que o “jogo” comece.

Qual estratégia eles devem adotar?

aEgimn

Lembram que eu postei um enigma semana passada?

Enik é do tipo de pessoa que brinca de Jogo dos 7 Erros marcando as diferenças entre as figuras na lateral da página e não sobre o desenho, para que outra pessoa possa participar também mais tarde. Excelente!

Porém, tanto faria, pois só ele se deu ao trabalho de tentar resolver (tentar sem escrever é o mesmo que não tentar).

A resposta era, obviamente, 6 (mas o motivo vou deixar para vocês deduzirem). Notem a dica elemental no corpo do texto (e eu nem tinha pensado no 4+2, isso foi mais um bônus de interpretação de Enik do que um esforço consciente meu).

Hoje tem mais um (demorei a colocar este porque realmente esqueci por causa da excitação do meu blogue novo) e, novamente, mais um de ordem.

Achem a próxima unidade na seguinte sequência:

5, 10, 2, 9, 8, 4, ___

Eu acho que pode haver mais de uma resposta (eu só consegui pensar em uma), portanto eu quero ver a resolução por extenso.

Boa sorte!

Enigma multidisciplinar

Lembram que eu disse que estava com preguiça?

Era dengue uma virose muito parecida com dengue.

Hoje não tem estorinha, ainda estou me sentindo muito mal. Vamos direto ao ponto.

Continuando o tema alfabético da semana passada, mas introduzindo novos elementos e mexendo um pouco na ordem, me digam qualé o primeiro número da sequência a seguir:

___, 98, 20, 48, 35, 5, 107, 83, 4, 97, 56, 85, 33, 18, 51, 95, 13, 89

r35p05t745 4lf4num3r1c45

Pior título de todos os tempos, eu sei.

Me deixem em paz, estou com preguiça de pensar.

Vou imitar Richard Wiseman e vou recolocar as perguntas para quem não tentou ainda ter uma última chance e, em seguida, as respostas.

Enigma 1; qual o maior número natural que pode ser escrito (por extenso, através do alfabeto ¬¬ ) de modo que nenhuma letra se repita?

Enigma 2; qual o maior número natural que pode ser escrito (nos mesmos parâmetros acima) de modo que suas letras estejam em ordem alfabética? (Neste último pode haver repetição de caracteres, desde que a ordem A~Z se mantenha.)

Se você estiver vendo o artigo solitário, aí vem a resposta; caso esteja na página principal e quiser ver o resto, clique em Read on logo abaixo.

Continue lendo…

Ponteiros iguais, horas diferentes

É engraçado ver que nem todo mundo compartilha da minha obscura obstinação em obter observações obsessivas de objetos obviamente obsoletos como relógios analógicos de parede.
E com “engraçado” eu quero na verdade dizer “triste”. Preciso sair mais de casa.
Alguns disseram que apenas quando ambos os ponteiros estiverem sobrepostos será possível determinar a hora exata do dia.
Bruna chamou atenção para o fato de que só é possível saber a hora correta se pudermos ver o céu, pois um relógio marcando 12:00 não nos diz se é dia ou noite.
Mas, considerando que temos sim uma janela e o relógio é normal e tem as marcações comuns (que eu deixei muito bem implícito no enunciado que era o caso), é possível saber com exatidão que horas são a qualquer momento.
Faça o teste em casa (o relógio do Windows não serve pois move em incrementos estranhos, mas use sempre caso não tenha um marcador real por perto): marque exatamente seis em ponto.
Os ponteiros formarão um ângulo de 180° entre si, com um apontando para o 12 e outro para o 6.
Agora tente conseguir o mesmo ângulo com as posições invertidas. O mais intuitivo seria 12:30, não?
Mas nesse momento, um ponteiro aponta extamente para o 6 enquanto o outro está no meio do caminho entre o 12 e o 1.
Um ângulo raso só ocorrerá entre 12:32 e 12:33.
Outro exemplo: às nove e quinze, um ponteiro estará sobre o 3 enquanto o outro estára um quarto do caminho entre o 9 e o 10.
Invertendo para três e quarenta e cinco, um ponteiro estará sobre o 9 enquanto o outro terá já percorrido três quartos do caminho entre o 3 e o 4.
Para os mais curiosos, existe uma fórmula para calcular os ângulos entre os ponteiros: 30H – (11/2)M, onde H é o ponteiro das horas e M é o dos minutos.
Apliquem essa fórmula aos horários acima e confirmem o que estou alegando (porque eu me nego a fazer todo o trabalho de vocês por vocês).
Na verdade, num relógio bem feito e bem marcado só precisamos do ponteiro das horas.
Pensem nisso e entendam do que estou falando.
Digamos que entre o 2 e o 3 haja cinco tracinhos igualmente espaçados: quando o ponteiro estiver sobre o 2 exatamente, será 2:00; quando estiver sobre o primeiro tracinho, será 2:10, sobre o quinto tracinho 2:50, sobre o 3, 3:00.
Logicamente, entre o segundo e o terceiro tracinho teremos 2:25.
Incrementos de 5 minutos são suficientes para uma sociedade que insiste em sincronizar seus relógios pela primeira emissora de rádio que se importar em anunciar.
A nossa percepção das coisas pode ser (e é constantemente) alterada por pré-concepções que nos parecem óbvias e totalmente intuitivas mas nem sempre é assim que o mundo ao nosso redor funciona, infelizmente.
E eu ponho a culpa disso naquela professora do primário que quando vai ensinar os alunos a ler um relógio coloca o ponteiro curto no 9 e o longo no 30 e diz que é 9:30. Mentirosa!
Noção essa que é reforçada por aquele instrutor de direção que insiste em dizer que a diposição ideal das mãos sobre o volante é “dez pras duas”, sem levar em consideração meus protestos baseados em observações empíricas de que minha mão direita fica sempre ligeiramente mais alta que a esquerda, diminuindo a eficácia do movimento quando preciso passar a marcha e mandando em ficar calado e prestar atenção ao trânsito sempre que eu tentava argumentar que “catorze pras duas e dezesseis segundos” seria uma posição mais próxima do ideal.
Até hoje não sei dirigir direito por causa daquele bruto.
Mais enigmas em breve. Aguardem.

Categorias

tempo

dezembro 2017
D S T Q Q S S
« jun    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

espaço

Locations of visitors to this page

desfrute e compartilhe

Creative Commons License
Esta obra de Igor Santos é licenciada sob Creative Commons by-nc-sa.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM