O laboratório do Nobel


Para um biólogo, viajar para o exterior é uma necessidade por muitos motivos. Primeiro os gringos tem mais grana que a gente e uma infra-estrutura muito melhor que a nossa. Lá (ou aqui, onde estou agora) você consegue alcançar em 6 meses resultados que não conseguiria no Brasil em 2 anos. Outra razão é ir atrás do conhecimento ONDE ele está sendo produzido ao invés de esperar que ele chegue até você.

O Instituto Oceanográfico de Woods Hole (WHOI) é uma das maiores instituições de pesquisa do mundo. Sabem aquele mini-submarino que vocês vêem explorando as profundezas do oceano no Discovery Channel, o Alvin? É daqui.


Na mesma cidade, que não é maior que um campus universitário, está o ainda maior e ainda mais antigo Marine Biological Laboratory (MBL). Juntos esses dois institutos já hospedaram mais de 50 premios Nobel. Inclusive um dos três ganhadores do prêmio Nobel de química desse ano, o japonês Osamu Shimomura que atualmente é cientista Emérito do MBL, pela descoberta da proteína verde fluorescente GFP (do inglês Green Fluorescent Protein). Vocês já devem ter lido muito na imprensa sobre ela, então eu vou passar a fofoca dos bastidores.

O MBL ganhou o Nobel, mas a patente da GFP está enchendo os cofres do WHOI, do outro lado da ponte (sobre o canal que atravessa Woods Hole). Foi aqui, no mesmo departamento onde estou trabalhando, com o mesmo chefe, que Douglas Prashero, o ‘cientista injustiçado‘ trabalhou e isolou o gene da GFP.


Lendo o artigo do G1 reconheço ali todas angustias de um pesquisador. Não basta a habilidade técnica na bancada. Ele tem de saber escrever um bom projeto para conseguir fundos para pesquisa, tem de saber convencer seu chefe e seus pares da importância do seu trabalho para que a instituição lhe dê infra-estrutura e tem que suportar a pressão de viver com a instabilidade da bolsa pelo tempo que for necessário. Aqui nos EUA existem já vários cursos de ‘gerenciamento de carreira científica’, mas ai no Brasil, só conheço a iniciativa da qual participei, em 2001 e 2006, quando junto com Stevens Rehen realizamos o ‘Dicas de sobrevivência na academia‘: um mini-curso no congresso da FeSBE que alertava os alunos para os ‘não-tão-óbvios’ problemas que eles podem encontrar ao longo da sua carreira.

Prashero não foi o primeiro pesquisador com potencial a se transformar em motorista de Van, e até que esses cursos se tornem uma rotina na pós-graduação, não será o último.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Discussão - 4 comentários

  1. João Carlos disse:

    Traçando um paralelo em um nível bastante inferior, mas que eu reputo guardar uma boa correlação com o assunto que você discute:A certo ponto de minha carreira militar, eu (que sou Doutor Honoris Causa em Ciências Ocultas e Letras Apagadas) me vi na chefia de um Departamento Técnico, onde tinha sob meu comando cinco engenheiros formados no IME (2 em mecânica-auto, 2 em eletrônica e 1 em sistemas bélicos). Qual seria meu papel, senão tomar conta dos aspectos burocráticos e buscar as verbas necessárias para o desenvolvimento dos projetos? (Além de cuidar para que ninguém atribuísse “funções colaterais” a “meus meninos”).A princípio, foi meio difícil para eles se acostumarem a estar sob o comando de um “leigo”. Mas quando ficou claro que eu não ia me meter com a parte realmente técnica do trabalho (apenas dar uma “peruada” ou outra, sempre do ponto de vista do “end-user”) e tinha o tempo disponível e a habilidade suficiente para negociar as verbas, o trabalho fluiu harmonicamente pelos três anos em que exerci a função. Eu continuo dizendo que os Departamentos de Pesquisas (sejam que pesquisa for) se beneficiariam muito de ter essas “figuras de proa” que não precisam, necessariamente, ter conhecimento específico sobre o assunto; precisam, sim, de ter alguma habilidade para negociar. E deixar para os pesquisadores suas pesquisas.

  2. Mauro Rebelo disse:

    É João, mas aqui foi justamente esse o problema. O cara não conseguiu aprovar o projeto por ele próprio e o chefe do laboratório, a época o homem de proa dele, não quis bancar o projeto com outras verbas. Perderam o Nobel!

  3. Wanderly Basso Jr disse:

    vira e mexe, os problemas são muito parecidos.bom, não sou biólogo, sou seu “irmão” geólogo (ou seria primo?), e adorei seu blog, peço licença pra colocar entre os favoritos do meu.grande abraço.

  4. Osame Kinouchi disse:

    Mauro, vc recebeu meu email? Imagino que as passagens estejam ok, bastando fazer check-in.O MCT entrou em contato com vc?

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Contadores Sitemeter

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM