Deixe o texto descansar

Há alguns dias escrevi sobre porque devemos escrever um blog. Na verdade estava escrevendo sobre porque devemos praticar a escrita, principalmente no meio acadêmico onde escrever dissertações, teses e artigos é mais do que uma obrigação, é uma questão de sobrevivência.

Hoje, corrigindo um texto de uma tese, tive uma epifania: descobri o que significa ‘deixar o texto descansar’.

Obviamente é uma metáfora e nunca ninguém que escreve, principalmente teses e artigos, duvidou da importância desse procedimento, por mais obscuro que sejam suas razões e significados. Porque um texto tem que descansar?

Na verdade, somos nós que temos que descansar do texto. Mas isso também não ajuda a esclarecer porque o processo é importante. Ainda que muitas pessoas consigam executar um procedimento apenas com base na instrução para vê-lo funcionar; outras precisam de explicação para compreender o processo e assim aplicá-lo. Nem sempre é possível. Inúmeras vezes, na FLIP, vi escritores experientes descreverem de maneira completamente hermética, como decidiam quando um texto estava bom: “Eu lia e relia, escrevia e rescrevia, até que achava que estava bom”.

Hoje, discutindo a tese de um aluno, percebi porque é importante. Quando estamos escrevendo, a leitura que fazemos do nosso texto é influenciada pela idéia que temos em nossa mente. Escrevemos achando que estamos conseguindo colocar no papel tudo que está na cachola.

Paramos para ler o que escrevemos, para ver se está tudo claro, e olhamos mas não vemos: a nossa visão não repete o que está no papel, mas o que está na cabeça.

Vocês já viram aquele texto escrito apenas com partes das palavras, mas que não impede que tenhamos a compreensão total da idéia? Que nos deixa até nervosos com o quanto é automática a leitura, apesar de tantas letras estarem fora do lugar? Não?! Copio ele aqui então antes da minha conclusão:

“De aorcdo com uma peqsiusa de uma uinrvesriddae ignlsea, não ipomtra em qaul odrem as lteras de uma plravaa etãso, a úncia csioa iprotmatne é que a piremria e útmlia lteras etejasm no lgaur crteo. O rseto pdoe ser uma bçguana ttaol, que vcoê anida pdoe ler sem pobrlmea. Itso é poqrue nós não lmeos cdaa ltera isladoa, mas a plravaa cmoo um tdoo. Sohw de bloa!”

Você precisa deixar um texto na gaveta até que sua mente se esqueça do que você queria dizer na hora que estava escrevendo e você possa finalmente ler o que escreveu, ao invés de ‘ler’ o que queria ter dito. Quanto tempo de descanso? Acho que um mês de férias 🙂

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Discussão - 5 comentários

  1. Sempre tenho essa sensação, as vezes parece que nem fui eu que escrevi o texto.

  2. Rafael disse:

    Essa dica é boa mesmo. Escrevi minha monografia em um mês, parecia bom, mas só pude apresenta-la alguns meses depois. Alguns dias antes da apresentação reescrevi quase tudo. Agora pratico isso constantemente e o resultado é muito bom, mesmo para textos pequenos.

  3. Felipe disse:

    Muito bom Mauro,
    a primeira vez que ouvi essa frase foi quando meu orientador mandou deixarmos um artigo “descansar”.

  4. Luis Brudna disse:

    Fala isso para a Senhora Deadline! 🙂

  5. Sibele disse:

    Excelente dica, mas com a dealine nos calcanhares, fica difícil! 😛

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Contadores Sitemeter

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM