O peso da evidência


Esse final de semana assisti “O curioso caso de Benjamin Button“. O filme é muito rico e cheio de conexões, que te levam a pensar em tantas outras coisas, com as quais, tenho certeza, vou me entreter por algum tempo.

Mas queria comentar uma coisa me chamou a atenção no filme: a falta de espanto e curiosidade quando as pessoas encontravam um ser que rejuvenescia ao invés de envelhecer.

É certamente uma incongruência, sobre a qual já comentei aqui. Mas o excelente texto de 1948 de Bruner não explica diretamente COMO resolver o problema do reconhecimento da incongruência característico da natureza humana (e não só).

A resposta é: com evidências!

Tão forte quanto a nossa vontade de negar evidências que contrariam nossos paradigmas, é nossa capacidade de reconhecer que essas evidências contrariam o paradigma. “É assim que se fazem as revoluções científicas!” diria Thomas Khun, do outro lado da sala, encerrando a discussão.

As pessoas não questionavam o rejuvenescimento de Benjamin simplesmente porque ele era uma evidência inquestionável. Dia após dia, ano após ano, todos podiam observá-lo quebrar o paradigma que regia todos a sua volta. E como o próprio personagem diz: “Você pode se irritar o quanto quiser, mas no final, só nos resta, sempre, aceitar”. Ou algo desse tipo.

Eu já ouvi todo o tipo de metáforas para questionar meu ceticismo. Tem uma que eu gosto mais que as outras. Uma vez um cara me disse que nós eramos como peixes. Um peixe vive em um mundo particular sem poder acessar um outro mundo que está acima da superfície do seu. Porém, isso não significa que esse mundo não exista (como nós, na argumentação dele, sabemos existir). Se é assim para os peixes, porque não poderia ser assim conosco?

O problema dessas metáforas é que elas não trazem um argumento, apenas tentam justificar a ausência dele. Não há evidência, apenas a justificativa ausência delas. Ainda assim, a metáfora não se sustenta. Ligassem os peixes para paradigmas, perceberiam que do firmamento deles cai de tudo, de anzól a pneu velho, passando por migalhas de pão e latinhas de coca-cola. Talvez não chegassem nunca a compreender ou conhecer esse mundo, mas as evidências dele são inegáveis.

Benjamin Button seria uma revolução científica. Mas enquanto não tivermos evidências de extraterrestres e vida após a morte tão incontestáveis quanto latinhas de coca-cola no fundo do mar, Benjamim Button continuará sendo possível apenas no cinema, e eu continuarei cético e feliz.

PS: Esse texto faz parte da Roda de ciência. Por favor, comentários aqui.

Teste de relevância

Preciso falar sobre isso porque é algo que tomou grande parte do meu tempo esse ano. Essa semana começa o meu módulo no curso de especialização em Gestão em Educação a distância da Universidade Aberta do Brasil.

Uma das aulas que escrevi, trata do papel do professor em um mundo saturado de informação. É uma aula muito boa, que vem sendo bastante elogiada e da qual eu estou muito orgulhoso. Para essa edição da disciplina que se aproxima, bolei uma atividade online bastante simples, mas tão interessante e rica, que resolvi dividí-la com vocês.

O texto a seguir é um trecho da discussão entre o prof. Coleman Silk e a profa. Delphine Roux, personagens do livro “A Marca Humana” de Philip Roth (pp. 246-247).

“O grau de conhecimento desses alunos é, sacou, tipo assim, zero. Depois de quarenta anos lidando com esse tipo de aluno – e a senhorita Mitnick é bem típica – posso lhe afirmar que nada poderia ser pior para eles que uma leitura de Eurípides com uma perspectiva feminista. Apresentar aos leitores mais ingênuos uma leitura feminista de Eurípides é uma das melhores maneiras que se pode imaginar de desligar o raciocínio deles antes mesmo de ter oportunidade de começar a demolis o primeiro ‘tipo assim‘ deles. Chego a achar difícil de acreditar que uma mulher instruída, com uma formação acadêmica francesa como a sua, seja capaz de acreditar que existe uma leitura feminista de Eurípedes que não seja pura bobagem. Será que você realmente se converteu em tão pouco tempo, ou será apenas uma manifestação do tradicional carreirismo ditado pela medo das suas colegas feministas? Porque se for mesmo carreirismo, por mim tudo bem. É uma coisa humana, eu compreendo. Agora, se for um compromisso intelectual com essa idiotice, então eu estou pasmo, porque você não é nenhuma idiota. Porque você é uma pessoa instruída. Porque na França ninguém na École Normale levaria essa bobajada a sério. Será possível? Ler duas peças como Hipólito e Alceste, depois ouvir uma semana de discussões em sala de aula sobre cada uma delas, e no fim não ter nada a dizer sobre as duas peças além de que são ‘degradantes para as mulheres’ – isso não é perspectiva coisa nenhuma meu Deus – isso é abobrinha. Abobrinha da Moda”

Após a leitura, proponho a pergunta: Qual a informação mais relevante desse texto? E as seguintes opções de resposta, pedindo que escolham apenas uma:

  1. O professor Coleman é machista e a professora Delphine é feminista.
  2. Quando um professor fornece uma interpretação de um texto ele direciona a interpretação que o próprio aluno pode fazer do texto.
  3. O público alvo de ‘alunos burros’ não deve ser tratado com burrice.
  4. Não há informações relevantes nesse texto ou não posso identificar informações relevantes nesse texto sem haver lido o livro e os clássicos gregos.

Eu proponho essa pergunta também a vocês, para responderem na nova enquete colocada no blog (veja ao lado). Sim, por favor, respondam antes de continuarem a leitura.

Em um mundo saturado de informação e com tecnologias que aprimoram a cada dia o armazenamento e o acesso das pessoas a essa informação, não há mais sentido na figura do professor como o detentor do conhecimento. Ou pelo menos, como o único detentor do conhecimento. Como disse Cristovão Buarque em entrevista a revista Isto É no ano passado:

O aluno que navegou a noite na internet, chega de manhã na aula sabendo coisas que o professor desconhece”.

Acredito que o papel do professor será cada vez mais de orientar o aluno na busca e seleção da informação. O professor será um especialista em relevância e o que ele ensinará para os alunos, independente da disciplina, é relevância: a arte milenar de separar o Joio do trigo. O problema é que os professores ainda não chegaram lá e eles próprios têm um problema para determinar relevância. Vamos analisar as respostas desse questionário.

  1. O texto diz que ele é contra uma leitura feminista do texto de Eurípides enquanto sugere que ela é a favor. Sim, há um tom autoritário e irônico no discurso de Coleman, mas não há elementos suficientes no texto para classificá-los, respectivamente, como machista e feminista. Porém, mais importante que isso é que esse não é o núcleo do discurso, e por isso não pode ser a informação mais relevante do texto. Quem marcou essa opção, fez uma leitura pessoal, que não pode ser sustentada pelas informações contidas no texto.
  2. Thomas Kuhn dizia que o ‘manual’ era um dos maiores inimigos do aprendiz de ciências, porque ao dar o procedimento final pronto, ele impedia que o aluno passasse pelo processo da descoberta, que tanto favorece a sua compreensão e aprendizagem. Essa é, para mim, a informação mais relevante do texto: o grande prejuízo de um professor fornecer para os alunos um raciocínio já pronto.
  3. O mesmo conteúdo pode ser ensinado para alunos com diferentes potenciais, mas certamente não da mesma forma, nem com as mesmas estratégias. Alunos que já sabem ‘pensar’ por si próprios podem começar a discussão de uma peça ou um autor, por uma de suas releituras. Alunos que ainda não sabem, precisam primeiro aprender a ter uma leitura. Dar uma leitura pronta para esses alunos, é auxiliar o ‘sistema’ no processo de exclusão educacional e social dessas pessoas. Não dar o conteúdo dos clássicos, porque ele é ‘difícil’ e tratá-las como burras. Nivelar por baixo. Um bom professor não pode fazer nenhuma das duas coisas. Nunca! Para mim essa não é a informação nuclear do texto, mas ainda assim é um acessório muito relevante.
  4. Esse fragmento de texto contém um discurso rico, independente do contexto em que foi pronunciado. É verdade que existem textos com lacunas demais, onde é praticamente impossível identificar o núcleo conceitual ou as prioridades do autor; mas na maior parte das vezes, não precisamos saber o todo para entender uma parte. As colocações contundentes certamente permitem que preenchamos algumas lacunas com precisão. Quem marcou essa opção, ou estava muito desatento, ou tem uma séria dificuldade para estabelecer relevância.

Outro dia vi no “Sem Censura” um gerente de RH falando que atualmente o que vale é inovação. É isso que se vende, é isso que se compra (ou pelo menos se vendia e se comprava antes das bolsas quebrarem) e é isso que as empresas querem dos seus empregados. Inovação. Mas para criar algo inovador e importante, é fundamental saber determinar o que é relevante entre o que já existe. Com os computadores ai para guardarem e procurarem a informação com uma eficiência maior do que qualquer ser humano jamais (?!) será capaz, o diferencial do professor, e de qualquer outro profissional, estará na sua habilidade de determinar a relevância da informa

Contadores Sitemeter

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM