Parece zebra, mas não era

Há mais de 100 anos, viviam felizes, alegres e trotantes na África do Sul bandos de animais que se pareciam com a zebra. Era uma espécie de mamífero chamada quagga (nome científico: Equus quagga burchelli). Eles eram dóceis. Pesavam cerca de 350 kg e tinham 1,30 metros de altura. Diferente da zebra, não apresentavam listras no bumbum e nas pernas.
Certo dia no século XIX, colonos descobriram o gosto da sua carne. E caçaram indiscriminadamente o animal. Também porque, no lugar onde pastavam, queriam criar ovelhas e cabras. Tristemente, no dia 12 agosto de 1883, do zoológico de Amsterdã, morreu o último exemplar da espécie.
Até que, em 1987, um grupo de pessoas decidiram trazer o quagga de volta. E reintroduzi-lo no seu devido habitat. Analisando o DNA do animal, descobriram que o quagga era uma subespécie da zebra. Assim, os pesquisadores concluíram que é provável que muitos genes do quagga estejam distribuídos e dispersos nas populações de zebras atuais.
Então… Eles cruzaram zebras com características e genes parecidos aos dos quaggas. O objetivo é chegar a uma população mais próxima possível da quagga original. Veja as impressionantes fotos do resultado dos cruzamentos aqui. Pelo visto, eles estão conseguindo. O projeto se chama “Quagga project”. Para saber mais, leia ali – em inglês.
Pena que esse e outros exemplos de animais extintos pelo homem não mudaram o modo de agir do homo sapiens.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

15 ideias sobre “Parece zebra, mas não era”

  1. Tinha visto a notícia sobre esse projeto muitos anos atrás (talvez quando lançaram). Sempre me perguntei o que tinha acontecido com ele (sempre é um exagero, claro).
    Hmmm. Visualmente esses novos “Quaggas” estão ficando parecidos com os originais. Mas dizem que têm gosto de frango. lol

  2. Luiz Abrantes, Búfalo, Nati e Alex: que bom ver vocês por aqui! Fiquei com medo de perder nossas “discussões” online. Sejam bem-vindos!
    Tiago, concordo. Agora, apimentando. Tenho certeza que, se um dia for possível reviver um mamute, pesquisadores o farão!

  3. Concordo com o Tiago Almeida (comentário anterior); Totalmente antropocêntrico… embora um brilhante exercício científico.

  4. De fato, esse projeto só me parece interessante por seu caráter científico, enquanto tentativa de se aprimorar técnicas de cruzamento. Querer inserir na savana um animal inventado (pois por mais que se assemelhe àquela subespécie não será idêntico) me parece irresponsável pelo potencial desequilíbrio que pode causar ao ambiente.
    Não sei se esse projeto seria uma benfeitoria à espécie extinta ou um esforço saudosista para tornar a savana tão bela quanto era há um século atrás. Em ambos os casos, há de convir que há por trás dele uma prentensão absolutamente antropocêntrica.
    Um abraço

  5. É muito interessante este projeto, mas não sei se podemos tentar revivê-lo.
    O que estão fazendo são combinações de genes para que se assemelhe a esta subespécie. Assim como criam raças de cachorros. Mas embora possa parecer muito com ela, até que ponto realmente é esta subespécie e não outra entre as espécies comuns de zebra e esta subespécie.
    Além disso, tem que ter um acompanhamento sobre esta subespécie. Porque se não for realmente a Equus quagga burchelli, os cientistas podem estar criando uma espécie com fragilidades evolutivas. E vivendo no ambiente pode atrapalhar as outras.
    Se a carne dela é gostosa a da outra zebra deve ser. Até porque também comem carne de cavalo.
    Abraço,
    Búfalo

  6. Vou estrear meu comentário aqui no scienceblogs.
    Eu devo ser uma outra pessoa neste mundo, pois penso completamente diferente do que vocês pensam…
    Eu sinceramente não vejo OBJETIVO em reviver um animal que foi extinto!
    A extinção FAZ parte do processo evolucionário da TERRA!
    Como os seres deste planeta teriam evoluído se o processo de SELEÇÃO NATURAL (DARWIN) não tivesse acontecido. Não tem como!!!!!!
    Se os dinossauros, que diga-se de passagem NUNCA conviveram com a raça humana (só em filme de Hollywood) não tivessem sido extintos, será que o processo evolucionário teria acontecido ????
    Acredito na ciência, mas às vezes eu tenho que reconhecer que a Igreja tem certa razão quando critica os cientistas que gostam de brincar de Deus. Até parece que o ser humano tem este poder. Eu espero sinceramente que ele NUNCA tenha este poder!
    Boa Noite galera,
    Abrantes.

  7. Isso aí… Poesia é liberdade de expressão. Aliás, sugiro que leia meu livro de poesias infantis, ao lado…

  8. Só um detalhe Isis. Quando a nomeclatura é trinomial significa que você está se referindo a uma subespécie.
    Equus = gênero
    quagga = espécie
    burchelli = subespécie

  9. Fico pensando o que acham do que escrevo
    Cheguei a conclusão
    Não tem parâmetro seguro
    Se escrevo elogiando você gosta
    Se escrevo criticando você não gosta
    Sou assim também
    Você reparou que pouca gente comenta seu assunto
    Sustentabilidade
    Se a vaca morre porque a gente come que mal há nisso
    O mesmo acontece com esse animal da história
    Se é comida come
    Se acabou não soube preservar o que come
    É o ponto de vista de quem se alimenta por carne
    Quem está tentando reviver o animal
    Tem a mesma intensão do anterior
    Comer a carne
    Com ter lucro
    Não gosto de comentar
    O que outra pessoa escreveu
    O comentário é lido por todo mundo
    Tão lido
    Quanto o texto original da autora
    O comentário é feito
    Como uma carta aberta ao público
    Todo mundo pode ler
    O comentário
    É como uma declaração de amor
    A quem se lê
    É como fazer uma declaração de amor
    Sem saber a quem dizer

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *