ciclofaixa

Como fazer uma ciclovia simples

No último sábado (14), fomos de carro até o centro de São Sebastião, litoral norte de São Paulo, para comprar ração. Uma amorosa gata de rua apareceu pedindo comida e, depois, levou seus cinco filhotinhos para também se alimentarem. Lá vamos nós socorrer os bichanos da fome. No caminho ao pet shop, uma ciclovia chamou a nossa atenção. Na área central da cidade, o espaço da via mais próximo à calçada, antes destinado ao estacionamento de carros, se transformou em uma ciclovia. Um detalhe interessante: ela foi instalada de maneira simples.

 

Não sou urbanista para avaliar o impacto dessa “obra” e se foi realizada de acordo com as diretrizes da companhia de tráfego e afins. Realmente, o que se destacou foi a possibilidade de construir uma ciclovia com simplicidade e rapidez. Para tal, primeiro, foram pintadas e sinalizadas duas mãos para bicicletas no asfalto. Tachões – aquelas tartarugas ou olhos de gato -, aplicados para separar o trânsito de magrelas dos veículos automotores. E… pronto! Está feita a ciclovia. Uma obra com baixo investimento que será revertido em menos acidentes e maior qualidade de vida aos usuários.

Reflita sobre o seu direito de ir e vir. Ele pode ser mais simples e feliz do que imagina. Boa jornada! 

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

3 ideias sobre “Como fazer uma ciclovia simples”

  1. É o CBT que diz que os veículos motorizados devem deixar espaço de 1.5m dos ciclistas, não? Digo, uma ciclofaixa deveria dar pelo menos esse espaço, penso eu.

  2. Oi Thiago,

    Eu fiquei com essa impressão de que a ciclovia é muito apertada… E, pelo jeito, a cidade não tem muitos quilômetros de ciclovia, não? Fico preocupada vendo ciclistas nas estradas entre as praias…

  3. Olá, sou de São Sebastião e conheço a ciclovia… A tentativa de fazer a ciclovia não é das piores, porém a largura da mesma é ridicula, mal da para duas bicicletas passarem em sentidos opostos. A obra foi muito mal planejada.
    Outro ponto é… esse povo não é civilizado o suficiente (pelo menos por enquanto) pra utilizar a ciclovia, preferindo se aventurar fora dela.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *