gravida

Parto normal ou cesárea?

gravida
Emily Cahal/ SXC.hu

Vou fazer uma pausa nas discussões sobre as manifestações aqui no blog para falar de outro assunto atual ao menos na minha timeline do Facebook: partos. Muitas amigas minhas estão grávidas ou tiveram filhos recentemente. Além das fotos dos bebês lindos e dos barrigões redondões, vez ou outra as conversas faceboquianas acabam em parto. Ouço muitas dúvidas e até ideias equivocadas sobre o assunto. Por isso, gostaria de ajudar as mulheres a debaterem a importância de um parto normal e saberem quando a cesárea é necessária.

De modo geral, a cesárea é uma cirurgia indicada quando a mãe ou o bebê correm risco em um parto normal. Alguns exemplos de indicação: quando o bebê “não vira”, está com a bundinha para baixo (isso porque, geralmente, o maior diâmetro do corpo do bebê é a cabeça, assim, pode ser que ele fique entalado com metade do corpo preso); quando a mãe não tem dilatação suficiente para o bebê sair; ou, quando há o sofrimento fetal (o ritmo cardíaco do bebê é instável, ele faz cocô dentro da barriga da mãe, etc).

Na maioria dos países desenvolvidos, o parto normal é feito quando não há esses riscos – leia o texto a epidemia da cesárea. E, por que o sistema de saúde deles prefere o parto normal? Além de ser mais barato por lá, ele traz muitos benefícios para a mãe e para o bebê. Abaixo, listo algumas dessas vantagens baseadas em pesquisas científicas para ajudar a desmitificar esse tipo de parto. Quando há a opção de escolha, por que não ser favorável ao parto normal – ou parto natural, se preferir (aquele em que se faz a menor intervenção possível como não anestesiar a mãe)?

Seguem algumas observações sobre o parto normal (se quiser saber mais, clique nos respectivos links):

Vale ressaltar que as condições da mãe e do bebê devem ser avaliadas pelo médico durante o acompanhamento da gravidez e, claro, durante o parto. Essa acesso a médicos e a recursos de qualidade garantem um parto mais seguro, seja normal ou com acesso necessário à cesárea. Tendo esse apoio, cuide da sua saúde para ter um parto e um bebê saudável e… Parabéns!

Obs.: Não sou médica. O que escrevo é de acordo com relatos de médicos, com o que li e com o que apurei para fazer matérias sobre o tema. Portanto, doutores, me corrijam se eu estiver errada.

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

5 ideias sobre “Parto normal ou cesárea?”

  1. Maria,

    Eu te chamo para pegarmos eles na saída!! Rs Escreva, sim! Enquanto eu escrevia, lembrava desse artigo que você comentou…

  2. muito bem isis! quando sofrer bullying, me chama que a gente parte pra porrada juntas! ando há tempos querendo escrever um texto sobre alguns artigos que li sobre o assunto – essa coisa da microbiota eu acho o máximo – mas não consigo achar tempo. quem sabe agora me animo!

  3. Karl,

    Bem que eu ia procurar você, doutor, antes de escrever este post. Mas eu estava muito ansiosa para fazer uma listagem com pesquisas (e olhe que nem peguei as principais). ;) Vou ler o seu e divulgar!

  4. Mais dados:

    Alguns dos riscos associados à cesárea são provavelmente relacionados com o contato com bactérias protetoras do canal do parto. Essas bactérias são um fator protetor para a saúde, sobretudo contra alergias. Provavelmente por isso, crianças nascidas de parto vaginal tem menor risco de doença celíaca (alergia ao glúten), rinite e asma. No caso da bronquiolite, curiosamente, o índice é 10% pior para cesarianas eletivas (marcadas).
    Outro dado interessante é a clara associação entre a via do nascimento e obesidade aos 3 anos: o índice dobra nos nascidos em partos cesáreos (15% para 7,5% dos nascidos em parto vaginal). Essa relação persiste mesmo controlando-se outros fatores. Outra doença mais comum entre crianças que nascem de cesárea é a diabetes tipo 1 (aumento de 20% do risco) – que seria explicado pela mesma hipótese, da exposição à flora vaginal normal da mãe, que favorece o equilíbrio natural do sistema imunológico.

    Complicações respiratórias no pós parto também são mais comuns na cesárea. No parto normal, a passagem pelo canal vaginal comprime o tórax do bebê e estimula a saída do líquido amniótico para que o ar possa entrar. Cerca de 12% dos bebês que nascem de cesariana eletiva (a cesárea marcada) vão para a UTI. No caso dos bebês que nascem de parto normal, o número cai para 3%”, segundo Renato Kalil, obstetra do hospital Einstein.

    Do: http://www.pediatriaintegral.com.br/a-incrivel-epidemia-da-cesarea-inventada/

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *