Bastidores de eventos: é nosso dever convidar palestrantes mulheres

Peço empatia ao ler este texto – seja dos homens, das mulheres ou de como a pessoa prefere ser “definida”. A questão de igualdade de gênero é uma bandeira que levanto virtualmente desde 2008, quando criei meu blog “Xis-xis”. O nome dele não foi mera coincidência. Pensei mesmo em ressaltar que os textos eram de uma pessoa com cromossomos femininos que admira, rá, a ciência.

Sempre tentei abordar a questão, ao menos no blog, de maneira brincalhona, sarcástica e, ao mesmo tempo, leve. Infelizmente, nem todos entendiam os tons de brincadeira – mas o de provocação, sim – e, por isso, já sofri alguns xingamentos por e-mail.

Faz parte. Hoje, evito o sarcasmo e a ironia, tenho me inspirado na comunicação não violenta e ambos podem gerar ruídos, só que mesmo sendo mulher preciso me policiar durante o meu trabalho. Como, por exemplo, quando organizo os eventos via Iniciativa Verde, ONG na qual trabalho que busca a mitigação do aquecimento global e o aumento da qualidade de vida da população em geral com a recuperação de matas nativas.

Semana passada, realizamos por meio do Observatório do Código Florestal e do movimento Mais Floresta PRA São Paulo o evento “Código Florestal em São Paulo: impasses e oportunidades”, que debateu como está a regularização da lei no estado em questão no mês em que ela completou cinco anos. É o terceiro ano em que organizamos este evento em si – sem contar outros. E, todo ano, a todo evento na verdade, a conversa se repete: quais serão as representações femininas nas mesas? Logo nós, organização do terceiro setor, área marcada pela iniciativa feminina.

Infelizmente, em pleno século XXI, pós fins do mundo (só eu passei por uns quatro alertas de fim de mundo durante a minha vida), temos que pensar em termos representações femininas na programação dos eventos.

Claro que temos outras questões a resolver nos eventos Brasil afora como contar com a representação afrodescendente, a indígena, a homossexual… Mas, por enquanto, levanto a bandeira que consigo. E, mesmo assim, não deixa de ser uma contenda. Como pode a área ambiental do terceiro setor não ter representantes femininas que falem com propriedade? É claro que temos. Temos excelentes jornalistas que cobrem meio ambiente. Excelentes gestoras de organizações. Excelentes pesquisadoras. Excelentes profissionais com cargos públicos. Empresárias do agronegócio. Proprietárias rurais. Eu poderia listar aqui inúmeros nomes. Nem melhor e nem pior que os homens. Apenas profissionais tão qualificadas quanto. Para saber quem são algumas delas, sugiro checar os eventos que organizamos.

Mas ter que “lembrar” de chamar mulheres para as mesas não seria um problema?

Tenho uma amiga jornalista que, a partir deste ano, só media debates em que tenha ao menos uma mulher palestrando. E, durante o evento da semana passada, uma das convidadas a falar me contou que também se vigia a chamar mulheres para ministrar palestras nos eventos que coordena. Nós mesmas temos que nos lembrar de darmos voz a nós (repito). E isto não é “tirar a vaga” de um homem ou outro representante. É uma maneira de deixar as discussões com uma visão mais ampla de uma “minoria” – que, na verdade, é a maioria da população. E, acima de tudo, de dar chance para nós compartilharmos o nosso conhecimento que também é ótimo. Afinal, somos frequentemente desclassificadas apenas por sermos mulheres. Acredite nisto que acabei de escrever. Parece mentira, espero um dia ser.

Hoje, nos fiscalizamos para chamar as mulheres à frente. Espero que um dia isto seja completamente natural e que estas adequações façam com que mais mulheres tenham a oportunidade de compartilhar o seu conhecimento. E que essa ação incentive mais mulheres a alcançarem essa excelência. Além disso, se nós, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), estudamos mais, não seria natural ocuparmos essas cadeiras? Se nós somos mais empreendedoras, idem. Deixo, neste texto, essa questão para refletir.

E que essas pequenas ações sejam a mudança que nós queremos ver no mundo.

De oportunidades ao menos semelhantes para todas (os).

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

Discussão - 0 comentários

Participe e envie seu comentário abaixo.

Envie seu comentário

Seu e-mail não será divulgado. (*) Campos obrigatórios.

Categorias

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM