Arquivo da categoria: comportamento

Lugar de mulher é na ciência!

Olá! Bom dia! Lugar de mulher é onde? É na ciência! O CNPq lançou a sétima edição do Pioneiras da Ciência, uma iniciativa que homenageia pesquisadoras brasileiras com trabalhos importantes para o avanço do conhecimento científico e tecnológico no país e no mundo! As homenageadas desta última edição são: a entomóloga, especialista que estuda os insetos, Alda Lima Falcão; a física Beatriz Alvarenga; a historiadora e ativista Maria Beatriz Nascimento; a física Ewa Wanda Cybulska; a linguista Leda Bisol; a física Linda Viola Ehlin Caldas; a geógrafa Maria Adélia Aparecida de Souza; a cientista política e escritora Paula Beiguelman; a física Ruth de Souza Schneider; e a bióloga Yocie Yoneshigue Valentin. A homenagem é importante porque mostra para as meninas e mulheres em geral que nós podemos exercer um papel relevante na sociedade. Segundo um estudo feito por pesquisadoras do CNPq, da UNICAMP, Universidade Estadual de Campinas, e da Universidade de Brasília, o total de bolsas de estudo concedidas pelo CNPq a homens e mulheres é igual. Mas a participação das mulheres diminui à medida que o nível das bolsas é maior. Ou seja, há a sub-representação feminina em postos mais avançados da carreira e em posições de prestígio. Isso reflete o preconceito contra as mulheres. E também mostra o fato de ter menos tempo para produzir pesquisas e, assim, subir de posto. Mas juntas e juntos podemos mudar isso. E será melhor para todas e todos. Um beijo!

*Este texto foi falado por esta palpiteira oficial no programa Desperta, da Rádio Transamérica, apresentando pelos queridos Carlos Garcia e Irineu Toledo. Uma vez por semana, minha coluna vai ao ar por volta das 6h15 da manhã! Geralmente, às quintas-feiras. Ouça aqui!

Imagem: CNPq

Como levar energia elétrica para comunidades na floresta

Até o fim deste ano de 2019, o ISA, Instituto Socioambiental, e a Associação Terra Indígena Xingu  em parceria com o Instituto de Energia e Ambiente da USP vão levar sistemas de energia solar para 55 escolas, 22 postos de saúde e para mais 12 pontos comunitários da Amazônia. O projeto Energia Limpa no Xingu pretende se tornar uma referência em soluções de energia renovável e descentralizada em comunidades isoladas. Cerca de 760 mil brasileiros dependem dos sistemas desconectados daqueles fios de transmissão do Sistema Interligado Nacional. Aliás, até Boa Vista, capital de Roraima, usa sistema independente de geração de energia. Muitas comunidades isoladas da Amazônia, por exemplo, contam com geradores a diesel. Mas geradores a diesel são barulhentos, dão muita manutenção e custam caro para o bolso dos contribuintes e para o meio ambiente por serem extremamente poluidores. Usar torres de energia solar é uma alternativa. Energia solar tem um custo alto na instalação, mas compensa economicamente e ambientalmente ao longo do uso. O IEMA Instituto de Energia e Meio Ambiente está analisando os impactos do projeto piloto dessa instalação. Ao que parece, todas e todos sairemos ganhando.

*Este texto foi falado por esta palpiteira oficial no programa Desperta, da Rádio Transamérica, apresentando pelos queridos Carlos Garcia e Irineu Toledo. Uma vez por semana, minha coluna vai ao ar por volta das 6h15 da manhã! Geralmente, às quintas-feiras. Beijo!

Foto: IEMA

Carnaval: pode usar glitter?

Está chegando, em alguns locais como na Bahia e nas capitais paulista e carioca já chegou, uma das épocas do ano que mais adoro: o Carnaval! E a cada ano aumenta a polêmica em torno de um brilho muito usado pelos foliões: o glitter. A maioria do glitter é feito de pequenos pedaços de plástico que demoram mais de 400 anos para se decompor. E, por serem tão pequenos, passam direto pelos filtros das estações de tratamentos de esgoto das cidades (quando há tratamento). Assim, caem nos rios e córregos que, mais cedo ou mais tarde, desembocarão no mar. Muitos animais aquáticos como ostras, pequenos peixes e até baleias ingerem esse glitter. Ele pode ser confundido com os plânctons, organismos bem pequenos que fazem parte da base da cadeia alimentar aquática. Então, surge a dúvida: o que usar no lugar do glitter comum? Escolha o glitter biodegradável, que não prejudica o meio ambiente. No Brasil, existe até glitter vegano biodegradável. O problema é que esses produtos ainda são caros. Assim, deixo a dica para quem quer sair ecologicamente purpurinado: use glitter comestível para brilhar. No YouTube, dá para encontrar receitas caseiras. Outra opção é comprar glitter comestível com atenção ao rótulo: ele deve ser livre de plástico e de metais. E bom carnaval!

*Este texto foi falado por esta palpiteira oficial no programa Desperta, da Rádio Transamérica, apresentando pelos queridos Carlos Garcia e Irineu Toledo.  Uma vez por semana, minha coluna vai ao ar por volta das 6h15 da manhã! Geralmente, às quintas-feiras. Beijo!

Foto: Carnaval de 2018/ Isis Diniz

Tem um parque perto de você, talvez você nem saiba

Hoje, trago uma boa notícia no estilo: “antes tarde do que nunca”. O Ministério do Meio Ambiente lançou nestas férias o aplicativo para celular chamado Parques do Brasil. Ele ainda está na versão beta. O aplicativo traz fotos das unidades de conservação, as atividades e as atrações de cada uma delas. Também mostra as unidades de conservação que estão mais perto de você. As unidades de conservação são áreas naturais criadas e que deveriam ser protegidas pelo Poder Público. Duas conhecidas são: o maravilhoso Parque Nacional Marinho de Fernando de Noronha e o Parque Nacional do Iguaçu, uma das sete maravilhas do mundo. O Brasil tem atualmente mais de 2200 unidades de conservação. E parte delas, aliás, está em risco. Segundo um recente relatório do Imazon, Instituto do Homem e Meio Ambiente da Amazônia, o desmatamento em unidades de conservação da Amazônia em relação ao total da floresta quase dobrou em dez anos: passou de 7%, em 2008, para 13%, em 2017. Por isso, precisamos estar por perto do que é nosso para preservar e curtir este país bonito por natureza.

*Este texto foi falado por esta palpiteira oficial no programa Desperta, da Rádio Transamérica, apresentando pelos queridos Carlos Garcia e Irineu Toledo.  Uma vez por semana, minha coluna vai ao ar por volta das 6h15 da manhã! Geralmente, às quintas-feiras. Beijo!

Foto: Fernando de Noronha/ Isis Diniz

Museu Nacional pega fogo. Fim.

Minha filha, infelizmente, não conhecerá o Museu Nacional do Rio de Janeiro como eu o visitei na minha infância. Aliás, esse era um grande sonho que vou ter que dormir com ele. Acabar o domingo com esse fim.

WhatsApp Image 2018-09-02 at 22.41.26O Museu Nacional,  vinculado à Universidade Federal do Rio de Janeiro, era a mais antiga instituição científica do Brasil. Um dos principais museus da América Latina, quiçá o mais relevante. Simplesmente, isso. As chamas levaram embora a nossa história brasileira e parte do passado da Terra.

Para se ter uma ideia da sua importância, a Luzia, o esqueleto mais antigo das Américas, estava lá. Durante a sabatina que fiz ao Walter Neves, pesquisador que descobriu a importância desse achado, perguntei para ele: “Posso ver a Luzia”? Ele sorriu: “Ela não fica exposta ao público, esta lá no Rio de Janeiro. Quando for para lá, quem sabe?”

E eu estive, em agosto, no Rio de Janeiro. No estado. Por motivos pessoais, não fui até a capital. Que pena. Era a chance da minha filha ter conhecido o Museu Nacional. Mas ela não verá o Museu Nacional que eu vi.

A importância do Museu Nacional
Fui algumas vezes ao meu Museu Preferido, principalmente, antes de cursar faculdade. Mas uma dessas vezes, quando eu tinha cerca de 14 ou 16 anos, foi inesquecível. Quando me dei conta da sua imponência (pausa para as lágrimas).

Estava com meus pais e meu irmão. Acho que minha madrinha foi junto. Passamos um dia todo no museu – quem dera se pudéssemos ficar a noite para ver tudo “acordar”.

Lembro como se fosse ontem dos sarcófagos e múmias egípcias que Dom Pedro II trouxe. Algumas delas foram mumificadas de um modo único, sendo um dos poucos exemplares do mundo.

Também vi algumas múmias encontradas nos Andes. Perfeitas, pareciam até que estavam vivas! Tinha cílios, roupas, cabelo comprido. Impressionante.

Tive a oportunidade de contemplar por minutos que pareciam a eternidade o maior meteorito encontrado no Brasil. E, o melhor, com explicações sobre ele dadas por um geólogo, meu pai.

Entre tanta beleza, outro item me chocou: o descaso. No ambiente onde estavam as múmias, haviam goteiras. Fungos na parede. Mofo! Muita umidade. Abandono. Itens mal cuidados. Fazem 20 anos isso. Tragédia anunciada.

Tenho certeza que o descaso não partia dos funcionários e nem dos pesquisadores. Muito menos dos frequentadores que se admiravam. Nem dos moradores orgulhosos com tanta preciosidade numa cidade tão maravilhosa. O Museu Nacional não passava vergonha frente ao Museu de História Natural de Nova York.  Não é ufanismo.

Pelo celular, vi queimar a minha infância. O nosso passado. A história de todos os habitantes do planeta água. Desde que comecei a namorar meu marido, o Gustavo, eu dizia que um dia o levaria ao Museu Nacional. Ele ia amar.

Mas, infelizmente, o Gustavo não terá essa oportunidade. Nunca saberá o que era o Museu Nacional. E nem minha filha. Desculpe, meu amor. Gostaria de deixar um país melhor para você. Ficaremos com as palavras.

Para que serve um blog?

dezanosblogs

Lembro como se fosse ontem. O Atila Iamarino e o Carlos Hotta tiveram a incrível ideia de unir os cerca de (no máximo 15?) blogueiros que escreviam sobre ciência, há dez anos. Você vê que o empreendedorismo de ambos praticamente nasceu com eles, não? A maioria de nós se conhecia pela internet. Um comentava no blog do outro. Assim, eles me chamaram para conversar.

Na época, tornou-se bem comum condomínio de blogs. Os mais populares até foram incorporados por grandes portais como o iG (Interney pode falar mais sobre). Eu, capira de Telêmaco Borba e precavida, fiquei com receio. “Será que são dois doidos?” Achei prudente marcar o encontro em um café movimentado da Vila Madalena. Avisei minha mãe assim que cheguei e combinei de informar quando estivesse longe deles, em segurança, destino minha casa.

Ao chegar no café, me deparei com duas pessoas agradabilíssimas, inteligentes e que até pareciam um pouco tímidas! Eles foram super gentis e explicaram a ideia. Percebi o pioneirismo de ambos naquela hora. E a força para realizar sonhos. Bom, como se pode ver, migrei para o ScienceBlogs. Eram dois doidos, sim. Mas doidos por mudar este país para melhor.

Agora, vou te contar um segredinho: o mais incrível em fazer parte deste grupo é conhecer pessoalmente pessoas tão fantásticas e conversar com elas em um e-mail de bastidores. Ah, se os bastidores falassem… Posso afirmar (e deixar aqui a curiosidade) que a troca de ideias mais maravilhosa acontece por e-mail. Qualquer conversa pode ser muito profunda e cômica ao mesmo tempo. Sagaz.

Pela percepção de quem tem blog desde antes da maioridade, de quem trabalha na área e que, por afinidade ou encantamento pelas possibilidades (boas) que a internet traz, vou tentar contar um pouco sobre a evolução do blog e usar minha bola de cristal para apontar onde estamos e para onde vamos.

 

De onde vieram os blogs

Muito resumidamente, para não ser cansativo, os blogs foram: um diário pessoal, um diário sobre um tema que gostamos, um diário sobre um tema que gostamos com opinião, uma coluna de opinião. Meio que nessa ordem. Muitos blogueiros publicaram livros. Foram até ao Faustão!

Aí, as empresas perceberam o poder da blogagem. E começaram a contratar blogueiros para escrever sobre suas marcas. Elas já haviam cedido aos publiposts e os jornais também inseriram blogueiros em seus veículos. Em seguida, as empresas criaram seus próprios blogs.

Com a crise na imprensa impressa, entre um dos motivos, devido à publicidade migrando para o Google e, atualmente, Facebook, as empresas perceberam que poderiam ser o próprio veículo de comunicação. Afinal, já tinham sites. Bastava transformar releases em notícias para vender o próprio peixe e colocar a notícia com as lentes voltadas para elas.

Em 2005, o YouTube começou a ganhar mais força. Eles incentivaram a migração de blogueiros pagando (bem) para vídeos com mais visualizações. Em 2011, quando eu trabalhava em uma empresa internacional da área de internet, as mensagens de fora já imploravam: “Por favor, façam vídeos, será o ‘novo’ blog”. Se você for ao meu canal do YouTube, verá que me arrisquei algumas vezes. Tenho até formação em locução e apresentação de televisão (olhe o jabá)!

Como estão os blogs

Bom, as empresas começaram a usar os blogs para divulgar suas marcas. Perceberam que quanto mais notícias, mais links para os seus sites, mais relacionamento com futuros clientes, mais vendas. O próprio YouTube disse, recentemente, que ele é uma enciclopédia em vídeo. Acho que queria ser uma televisão, mas se tornar uma enciclopédia é mais pesado no bom sentido, não? E o Google, de certa maneira, virou um Oráculo.

Você pergunta, o Google responde. Literalmente. As empresas perceberam isso. E começaram a aplicar em seus blogs Search Engine Optimization (otimização para mecanismos de busca). O tal do SEO. Agora, cá estamos. Pesquisas mostram que os primeiros quatro links que aparecem no Google são os mais clicados. Começaram os caça-cliques mais acirrados do mercado.

Você já clicou em um texto péssimo na fluência que tem mais “palavras-chave” (que ajudam os robôs do Google a entenderem que aquela página é mais relevante que outra) do que outra coisa no texto? Ou seja, que não diz nada? Pois é. Isso tem sido bem comum. Aí, quem vai ler tanta notícia?

Temos bons blogs. Blogueiros que migraram para outras mídias. Blogueiros que foram fazer outra coisa da vida – e não têm mais tempo para blogar. Temos muito conteúdo (não necessariamente em blog) “cozinhados” como chamamos no jornalismo, ou seja, reescritos sem novidades. Sabe o que falta?

Curadoria para os conteúdos bons. Além do ScienceBlogs, claro. ;) Juntar em um único endereço de internet os canais, sejam eles de redes sociais ou de blogs escritos. Afinal, esqueci de mencionar. Muitos blogueiros ou que seriam possíveis blogueiros usam seus perfis das redes sociais, como o Instagram, como blog. Migraram.

 

Como serão os blogs

Acredito que haverá uma seleção natural. Parte feita pelo grande irmão Google. Que irá, assim espero, punir descendo nas buscas os blogs que “cozinham” outros textos ou que apelam nas palavras-chaves sem trazer conteúdo de qualidade.

Tenho notado também que há uma tendência em reunir em uma única notícia/ blogagem texto, vídeo, áudio, foto e o que mais caber. Os blogs podem ficar mais complexos, mais ricos, com conteúdo em diversas mídias para agradar a todos os fregueses.

Creio que nunca se leu tanto na face da Terra. Mas quem não gosta de um conteúdo bom? Quando a gente vai a uma loja e é mal atendido ou o produto entregue não é de acordo com a propaganda, a gente faz o quê? Evita voltar. Dessa forma, espero que os bons blogs permaneçam ou revivam.

Posso dizer por mim. Estou tentando fazer o Xis-xis voltar. Mas tenho mais uma boca a mais para alimentar em casa. Por isso, nas horas vagas, cuido desse ser e o meu foco é colocar os alimentos na geladeira. Mas estou aqui. Querendo-te. ;)

Dia Mundial dos Oceanos: Qual a sensação de praticar mergulho

Posso fazer aqui uma declaração de amor?

Imagine um mar que parece gelatina. De cima do barco, dá para ver o fundo dele a mais de quarenta metros abaixo de você. Ainda da embarcação, os cardumes de peixes que brilham como neon nadam lateralmente. Parecem nos olhar. Quando me jogo nessa água quentinha (como não se atirar?) ouço o barulho dos corais. Sim, eles estalam! Vejo um tubarão-lixa bebê, arraias, tartarugas tão lesadas como aquelas do filme “Procurando Nemo”, polvo assustado, moreias maiores que eu e muitos peixes coloridos de diversas formas. Corais de todas as cores, esponjas, uma água transparente e uma areia macia.

mergulhonoronha

Eu já havia praticado snorkeling no  litoral brasileiro, pelo que me lembre, em São Paulo, Alagoas, Pernambuco, Rio Grande do Norte e Bonito (MS) – este merece um post à parte. Mas nunca havia visto nada como Fernando de Noronha, da descrição acima. Após me entregar para aquela água, minha vida mudou. Quando mergulhei de cilindro lá, então, entendi a paz que o mar nos traz.

Eu estava com medo de saltar na água com presos pesos à minha cintura e com aquele cilindro que deveria pesar mais que eu. Por sorte, estava com o instrutor mais paciente e carinhoso do grupo. Certamente ele pensou: “Essa vai dar trabalho”. Tremendo, não sei se de frio ou nervoso, começamos a afundar.

Quando cheguei a mais de dez metros de profundidade (sem precisar subir para pegar ar, como teria que fazer com o snorkel) ao mar eu tinha certeza que pertencia. Era relativamente silencioso. Ouvia mais forte apenas minha respiração. Tudo azul. Senti uma paz que só havia atingido meditando.

Brinquei de “fechar” corais. Observei os animais marinhos. Me senti de volta ao útero. Acolhida. Estava muito feliz e plena. Ficamos cerca de meia hora abaixo da água, explorando aquele mundo maravilhoso, mas parecia apenas cinco minutos quando já era para voltarmos.

Eu não quis. Comecei a fugir do instrutor. Como se tivesse a capacidade de deslizar como um tubarão cheia daqueles penduricalhos presos ao meu corpo. O instrutor nadou atrás de mim e falou que não tinha jeito, precisávamos subir. Deu a entender que o ar poderia acabar. Começou a inflar minhas boias.

Relutei em voltar à superfície tentando argumentar de baixo da água por língua de sinais de mergulho. Lamentei muito. Subi contrariada. Eles explicaram que aquilo que eu senti aconteceu devido ao excesso de oxigênio no meu cérebro. Que “dá barato” e a pessoa perde a noção de tempo e de perigo.

Não, meus amigos. Aquilo aconteceu devido ao excesso de mar em volta de mim.

#DiaMundialdosOceanos

DSC_9183

O que você mais “gostou” da greve?

O que podemos tirar de positivo com esta greve? Repensar nosso meio de produção e de distribuição. Uma diminuição das emissões relacionadas ao aquecimento global. Repensar nosso consumismo, nossa necessidade de ter tudo aqui agora. Ouvir o silêncio mesmo numa cidade tão barulhenta como São Paulo. Curtir nossa casa e nossa família. Nos aproximarmos da vizinhança tão perto, mas antes tão longe. Valorizar e cuidar do nosso bairro. Gastar a nossa energia andando a pé e pedalando – e reletir, “como podemos melhorar nosso ir e vir”? Observar os motoristas dirigindo com mais calma, respeitando o próximo sem “colar” no carro da frente ou fazer ultrapassagens perigosas. Consumir o que temos no nosso quintal (se possível) ou o que é cultivado próximo a nós e em seu tempo. Viver a vida no ritmo que é genuinamente nosso: o da natureza.

Meu blog Xis-xis completa 10 ANOS!

cropped-xisxiscerto.jpgEsta é uma semana de marcos. Meu blog Xis-xis completa dez anos. 10 ANOS! Eu lembro como se fosse ontem.

No fim de semana, após muita conversa com amigos, cheguei à conclusão sobre o nome do blog sobre ciência, comportamento e meio ambiente que criaria.

A ideia era ter uma marca que, de início, remetesse à ciência e ao feminino. Afinal, era um blog escrito por uma mulher, acima de tudo. Um canal para promover a igualdade em geral por meio do conhecimento científico.

Nasci com o ímpeto de realizar ações para ajudar as pessoas a terem melhor qualidade de vida. O que eu mais gosto de fazer? Comunicar. E tenho facilidade em usar linguagem simples. Eureka!

Era uma quinta-feira.

Após dias editando o HTML para criar a identidade visual e a base, cheguei em casa da redação da revista onde trabalhava na época, jantei, liguei o computador e decidi iniciar efetivamente jornada. Escrevi um primeiro texto, simples. Era o começo.

Jamais imaginaria quantas pessoas bacanas e locais conheceria.

Quantos empregos e projetos teria. Quantas apresentações faria. E a quantas possibilidades de vida seria apresentada.

Sou muito grata ao universo (físico, família, amigos, colegas, online, offline) por estar aqui, hoje. Sem toda essa rede de apoio física e online, o blog Xis-xis jamais teria completado dez anos.

“É impossível ser feliz sozinho”, disse o poeta. Na internet, no blog, na vida, somos o que somos graças às redes. E devido à chama que bate em média 70 vezes por minuto dentro de nós.

Obrigada. <3

Bastidores de eventos: é nosso dever convidar palestrantes mulheres

Peço empatia ao ler este texto – seja dos homens, das mulheres ou de como a pessoa prefere ser “definida”. A questão de igualdade de gênero é uma bandeira que levanto virtualmente desde 2008, quando criei meu blog “Xis-xis”. O nome dele não foi mera coincidência. Pensei mesmo em ressaltar que os textos eram de uma pessoa com cromossomos femininos que admira, rá, a ciência.

Sempre tentei abordar a questão, ao menos no blog, de maneira brincalhona, sarcástica e, ao mesmo tempo, leve. Infelizmente, nem todos entendiam os tons de brincadeira – mas o de provocação, sim – e, por isso, já sofri alguns xingamentos por e-mail.

Faz parte. Hoje, evito o sarcasmo e a ironia, tenho me inspirado na comunicação não violenta e ambos podem gerar ruídos, só que mesmo sendo mulher preciso me policiar durante o meu trabalho. Como, por exemplo, quando organizo os eventos via Iniciativa Verde, ONG na qual trabalho que busca a mitigação do aquecimento global e o aumento da qualidade de vida da população em geral com a recuperação de matas nativas.

Semana passada, realizamos por meio do Observatório do Código Florestal e do movimento Mais Floresta PRA São Paulo o evento “Código Florestal em São Paulo: impasses e oportunidades”, que debateu como está a regularização da lei no estado em questão no mês em que ela completou cinco anos. É o terceiro ano em que organizamos este evento em si – sem contar outros. E, todo ano, a todo evento na verdade, a conversa se repete: quais serão as representações femininas nas mesas? Logo nós, organização do terceiro setor, área marcada pela iniciativa feminina.

Infelizmente, em pleno século XXI, pós fins do mundo (só eu passei por uns quatro alertas de fim de mundo durante a minha vida), temos que pensar em termos representações femininas na programação dos eventos.

Claro que temos outras questões a resolver nos eventos Brasil afora como contar com a representação afrodescendente, a indígena, a homossexual… Mas, por enquanto, levanto a bandeira que consigo. E, mesmo assim, não deixa de ser uma contenda. Como pode a área ambiental do terceiro setor não ter representantes femininas que falem com propriedade? É claro que temos. Temos excelentes jornalistas que cobrem meio ambiente. Excelentes gestoras de organizações. Excelentes pesquisadoras. Excelentes profissionais com cargos públicos. Empresárias do agronegócio. Proprietárias rurais. Eu poderia listar aqui inúmeros nomes. Nem melhor e nem pior que os homens. Apenas profissionais tão qualificadas quanto. Para saber quem são algumas delas, sugiro checar os eventos que organizamos.

Mas ter que “lembrar” de chamar mulheres para as mesas não seria um problema?

Tenho uma amiga jornalista que, a partir deste ano, só media debates em que tenha ao menos uma mulher palestrando. E, durante o evento da semana passada, uma das convidadas a falar me contou que também se vigia a chamar mulheres para ministrar palestras nos eventos que coordena. Nós mesmas temos que nos lembrar de darmos voz a nós (repito). E isto não é “tirar a vaga” de um homem ou outro representante. É uma maneira de deixar as discussões com uma visão mais ampla de uma “minoria” – que, na verdade, é a maioria da população. E, acima de tudo, de dar chance para nós compartilharmos o nosso conhecimento que também é ótimo. Afinal, somos frequentemente desclassificadas apenas por sermos mulheres. Acredite nisto que acabei de escrever. Parece mentira, espero um dia ser.

Hoje, nos fiscalizamos para chamar as mulheres à frente. Espero que um dia isto seja completamente natural e que estas adequações façam com que mais mulheres tenham a oportunidade de compartilhar o seu conhecimento. E que essa ação incentive mais mulheres a alcançarem essa excelência. Além disso, se nós, segundo dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), estudamos mais, não seria natural ocuparmos essas cadeiras? Se nós somos mais empreendedoras, idem. Deixo, neste texto, essa questão para refletir.

E que essas pequenas ações sejam a mudança que nós queremos ver no mundo.

De oportunidades ao menos semelhantes para todas (os).