Arquivo da tag: alimento

Cabeleira bem nutrida: milho, arroz e cana

Qual é a sua, meu rei
Eu só quero passar
Bota a mão na cabeça e deixe o corpo rodar
Eu quero ouvir o índio, cantando
Fumando o cachimbo da paz
E a sua cabeleira, que beleza
É chique, chique, chique demais

Em ritmo de axé, te pergunto: o que o milho, o arroz e a cana têm em comum? Hein, hein? Além de serem alimentos… Bom, veja eu pagar mico no vídeo acima feito por mim e pelo Aprenda.bio e descubra. Dica: se joga na cabeleira! O vídeo está disponível no nosso canal Além da Bio, no Youtube.

Sua comida pode estar em extinção

Devido à pesca predatória, inúmeras espécies de peixes usadas como alimentos por nós, humanos, estão em extinção na África do Sul – o mesmo ocorre aqui no Brasil. Para alertar os moradores e os turistas sobre esse problema, organizações públicas, não governamentais e privadas se uniram na divulgação colando cartazes de alerta em diversos pontos públicos como no Two Oceans Aquarium, em Cape Town (Cidade do Cabo).

Os cartazes são simples. Neles, espécies peixes com nomes e ilustrações foram separadas em três categorias dentro das respectivas cores: green (verde), orange (laranja) e red (vermelho). Os peixes da categoria verde, como é o caso da anchova e do dourado, podem ser consumidos. O cartaz alerta para o consumo moderado das espécies colocadas na categoria laranja, como o bagre. Essas espécies correm risco de extinção, mas menos do que as inseridas na categoria vermelha como, por exemplo, o incomum peixe-serra. Veja aqui, no site da WWF, a lista completa.

Segundo a Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO), 85% dos estoques de peixes do mundo são superexplorados ou já foram explorados ao máximo. Para piorar a situação, estima-se que um quarto dos animais marinhos pescados são muitas vezes mortos ou desperdiçados por terem sido capturados acidentalmente.

Parece que os restaurantes de modo geral da África do Sul, graças a esse extenso alerta, têm evitado comercializar as espécies em risco de extinção – me corrija se eu estiver enganada. Mesmo assim, os peixes e alguns frutos do mar estão entre os principais alimentos consumidos por lá. Eu, por exemplo, vivi a base de lula e peixe – mais saborosos do que os daqui!

A África do Sul tem uma extensa área costeira (3.798 quilômetros). Lá, peixe e frutos do mar custa cerca de três vezes menos do que os consumidos no Sudeste do Brasil, sendo que a costa brasileira é de cerca de 8 mil quilômetros – mais que o dobro maior do que a sul-africana. Alguns estudos apontam maior quantidade de animais marinhos em águas frias como as da África do Sul. Essa explicação seria suficiente para justificar os preços mais altos dos frutos do mar por aqui, já que o litoral do Brasil é relativamente quente? Ou os peixes do Brasil correm mais risco por diversos motivos?

Enfim, os recursos marinhos são finitos. O que está sendo feito no Brasil para cuidar dessas espécies e desse ambiente tão especial?

Quer comer “comida de astronauta”?


Está cansada do arroz com feijão da mamãe? Não aguenta mais jantar miojo? A macarronada do domingão não atrai mais? Seus problemas acabaram. Encontrei um site que vende marmitas de astronautas! Isso mesmo, a comida que os astronautas consomem lá no espaço afora!
O site Space-Food – clique aqui, em inglês – conta qual é o gosto das “comidas de astronautas”, do que elas são feitas e dá links de onde comprá-las por um preço mais barato! A-do-rei!
Eu fiquei com água na boca ao ver o sorvete napolitano… Hummmm, no calor de São Paulo, cairia super bem. De acordo com o site, esse sorvete tem gosto de… sorvete, mas é crocante! Isso porque ele foi congelado após sua água ser retirada por sublimação – sem passar pelo estado líquido. O sorvete pode ser armazenado por três anos. Na Amazon, é vendido por 3,49 libras. Uma pechincha!
Bom, enquanto meu sonho de ver a Terra do espaço não se concretiza, super aceito uma comidinha dessas como presente de Natal. Já é um consolo… Para saber mais sobre a “comida dos astronautas”, também indico este link da Nasa.
Mais uma dica: O site Think Geek vende brinquedinhos de ciência nunca antes vistos no Brasil. Fiquei apaixonada pelo kit de plantas carnívoras. Não é cutcho, cutcho?

Alimentar corretamente o bebê pode evitar doenças

Hoje é o Dia das Crianças! Parabéns para todas as crianças!
Seguindo o tema… De acordo com Raquel Rego, pediatra com especialização em nutrologia – obesidade infantil – da clínica Asinelli, os primeiros anos de vida do bebê são decisivos sobre a saúde que ele terá quando se tornar adulto. Doenças como a hipertensão arterial e a obesidade podem ter raízes na alimentação inadequada no início da vida.
O sal é um elemento central na questão. O primeiro ano de vida é o mais sensível à ação do sódio, parte principal na composição do sal. Antes de fazer seu primeiro aniversário, a criança ainda não está em plena condição de metabolizar essa substância, nem seu paladar está amadurecido o suficiente para sentir o sabor. “Invariavelmente, os pais que procedem assim fazem seus filhos ingerir muito mais sódio do que o recomendado. Esse é o primeiro passo para desenvolver problemas de pressão arterial no futuro”, explica a médica.
Estudos demonstraram que lactentes – bebês de zero a um ano de idade – que recebem o leite de vaca também podem apresentar hipernatremia – aumento de sódio no sangue. Isso ocorre devido ao aumento da carga metabólica imposta pela elevada concentração de solutos – sódio, potássio, cloro e proteína – sobre a função renal ainda imatura.
A especialista, parceira do nutrólogo Maximo Asinelli no tratamento da obesidade infanto-juvenil, diz que o leite de vaca ainda pode gerar sobrepeso devido a grande quantidade de gorduras, ainda mais quando misturado ao açúcar. O quadro pode piorar quando os bebês nascem prematuros ou com peso muito baixo do ideal, acarretando distúrbios metabólicos e crescimento desproporcional.
“A alimentação correta é imprescindível no início da vida. Nos seis primeiros meses, seu único alimento é o leite materno, nada mais. O problema é que muitos pais ignoram isso, acham que não é suficiente”, afirma a pediatra. A natureza é sábia, meus caros.