Arquivo da tag: cocô

O que é esterco?

Querido leitor! Yo, via este blog que vos escreve, iniciei uma parceria com o Instituto Aprenda.bio que nasceu incubado pela Universidade Presbiteriana Mackenzie. Juntos, unidos venceremos, começamos a produzir vídeos curtos para explicar dados curiosos da área científica para o nosso canal Além da Bio, no YouTube. Nosso vídeo-piloto, ou seja, o primeiro, é sobre esterco. Saiba como o cocô pode mudar a sua vida. A gente gosta de ciência, mas se diverte.

Obs.: Como dizem nos bastidores do teatro: “meeeeerda”. Nada como começar um projeto com um tema de acordo.

Olha o coco!

Continuando sobre minha viagem pelo Nordeste…
O estado de Alagoas é forrado de coqueiros. Eles estão por toda a parte. Inclusive, é bom olhar para cima, eventualmente… Para chegar à Praia dos Morros, por exemplo, tivemos que desviar dos cocos.
Existem algumas maneiras de visitar essa que é considerada uma das praias mais lindas do país: seguindo por uma longa trilha, de carro, caminhando por toda a Praia do Carro Quebrado, atravessando o rio Camaragibe a nado ou de balsa.
Para nós, o caminho mais perto e prático era de balsa. Paga-se dois reais – passagem de ida e volta – diretamente para o jangadeiro remar até a outra margem. O carro pode ficar estacionado na belíssima Barra de Camaragibe.
Para chegar até a balsa, deve-se caminhar pela areia por poucos minutos. Porém… Moradores da região falaram que era mais fácil atravessar uma fazenda de coqueiro. Péssima ideia. Havia pessoas colhendo os cocos – subindo nos coqueiros, cortando os cachos e deixando o coco despencar na caçamba de um caminhão-trator.
Os coqueiros são naturais do Brasil?
Certa vez, li que os coqueiros não são endêmicos do Brasil. Algum lugar afirmava que eles foram trazidos da Ásia pelos colonizadores, mas não achei um artigo que comprovasse essa suspeita. Eu sei que o litoral do Alagoas era forrado de Mata Atlântica. E, para variar, foi desmatado.
Passei por praias praticamente desertas como a do Toque, do Laje, do Patacho. De um lado, os pés são molhados por aquele mar verde-claro, azul-calcinha, verde-esmeralda e verde-água de tirar o fôlego. Do outro… observa-se terrenos com coqueiros e mais coqueiros. Estranho.
Tem pescador que não consegue morar de frente para o mar. Vive em dignos povoados na beira da estrada como São Miguel dos Milagres. Então, por que a faixa litorânea está repleta de coqueiros? Por que os pescadores não moram de frente para o mar?
Segundo alguns moradores com os quais conversei, isso ocorre graças à especulação imobiliária. Veja bem, o que pode ter outro nome. Pessoas de fora dessas cidadezinhas adquirem os terrenos de frente ao mar. Plantam coqueiros para dizer que a terra é produtiva. Pegou? Veja mais fotos aqui.

Papel reciclado feito com cocô de elefante

O título não é pegadinha. O site The Great Elephant Poo Poo Paper Company vende bloquinhos e cadernos feitos com cocô de elefante! Explico. O elefante é vegetariano. As plantas que ele come são ricas em fibras. No Brasil, usamos alternativas como fibra de coco ou de bananeira para criar papéis reciclados. Os donos do site foram mais criativos…
O elefante não digere toda a fibra que come. Assim, eles recolhem o cocô de elefantes em parques de conservação da Ásia. Usam técnica manual para extrair as fibras do cocô e fabricar o papel – acredito que seja do modo clássico, veja aqui. Depois de pronto, vendem o produto para a Ásia, América do Norte, Europa e Japão. Confira aqui a loja online também chamada de “pootique” – “poo”, em inglês, significa cocô. Pegou, pegou?
Os idealizadores afirmam que essa é uma maneira de, inclusive, preservar os mamíferos em questão. E gerar empregos.