Arquivo da tag: ecoturismo

Zebras e girafas são vistas da estrada

Enquanto dirigimos nas rodovias do Brasil vemos vacas pastando e, eventualmente, sentimos o cheiro de criação de porco. Na África do Sul, dependendo da região também observamos vacas (holandesas) e criações de carneiros. Meigo. Agora, já imaginou ver zebras, girafas, antílopes, elefantes e até leões separados da rodovia por uma mera cerca elétrica? Essa é a visão do céu – e sinal de que estamos na África. Á-FRI-CA. Ai, é emocionante!

“Não entre, LEÕES”, dizem algumas placas presas às cercas elétricas na região de Port Elizabeth. A regra é clara: se a cerca tem eletricidade, provavelmente, a reserva possui animais que podem se alimentar da carne humana. Nós dirigíamos com atenção redobrada sempre que passávamos de carro pelas estradas de terra ou rodovias que tinham cercas elétricas dividindo a reserva do asfalto ou da terra. A chance de ver um animal silvestre era gigante!

Em uma breve pesquisa que fiz, parece que a economia da África do Sul está baseada na exploração de minérios e na exportação agrícola. Mas, graças ao turismo (reforçado ainda mais com a Copa do Mundo cediada por eles, os animais endêmicos da região que correm risco de extinção conseguiram certa proteção. As reservas garantem seu habitat, sua alimentação, sua exploração econômica com o turismo e, assim, sua existência. É o caso desta espécie de zebra – existem três, uma outra parente já foi extinta.

Além de garantir a sobrevivência dos animais, criar reservas particulares e governamentais é uma maneira de proteger os habitantes locais das espécies que oferecem riscos à população como leões e elefantes – estes são fofos, mas podem ser violentos. Não seria uma inspiração para o Brasil? Existem reservas semelhantes no Pantanal, mas soube de muitos problemas relacionados a ataques de onças-pintadas – leia, no link, matéria da jornalista Juliana Arini.

Bom, tenho muitas histórias para postar aqui sobre a minha viagem para a Mama África. Esperto ter tempo para escrver os causos e compartilhá-los com você.

Nem toda montanha dos Andes é de “pedra”

Quem observa a Cordilheira dos Andes da janela do avião (clique nas imagens para ampliar), além de sentir euforia misturada com frio na barriga por voar entre os picos, tem a sensação de que todas suas montanhas são parecidas. Geralmente, olhando de lá de cima, o topo das montanhas está coberto de neve e suas rochas refletem uma homogênea cor escura. Já no Chile, da cidade de Santiago, é possível observar os magníficos paredões quando a poeira e poluição baixam. Porém, ainda parece que suas montanhas são todas iguais. Ledo engano.

Em Cajón del Maipo, uma região localizada no coração dos Andes a uma hora da capital chilena, o guia me alertou: “Repare que os ‘cerros’ [colina, em espanhol] têm cores diferentes”. Era cedo, cerca de 8h da manhã. Os raios solares não alcançavam nem um terço das altas montanhas – algumas passavam de 5 mil metros de altura. Conforme a gente caminhava horas naquele lugar considerado o centro energético mundial por Dalai Lama (li a informação num mapa turístico local), o sol subia no horizonte iluminando as íngremes encostas. Aí, meus olhos brilharam.

 

Entendi o que o simpático chileno quis mostrar. Cada montanha – próxima, grudada ou nascendo na outra – tem uma cor diferente. Sério, as tonalidades são muito e perceptivelmente diversas. Algumas montanhas são verdes, outras avermelhadas, outras amarelas (acredite!), outras pretas, outras marrons claras, marrons escuras ou esbranquiçadas. Isso significa que, apesar dos Andes emergirem do fundo do mar, a proveniência das suas rochas é variada.

 

O guia, pertencente a uma família de mineradores – a principal atividade econômica da região -, sabe “do que a montanha é feita” só de olhar para um pedrisco. Tropecei numa rocha com discretas listras verdes. “Nessa pedra tem cobre”, disse o guia. Entramos em termas com água esbranquiçada. “Nessa montanha deve haver gesso”, conta. Percebi que, principalmente, o vulcão San José e o Cerro El Mirador del Morado com glaciar (um gelo que permanece muitos mil anos sem descongelar, imagem à esquerda) têm cor preta. Ou seja, sua composição tem basalto – uma rocha vulcânica de cor escura.

 

O chileno não sabia dizer qual a composição do Cerro Amarillo (montanha de cor amarela, claro, foto acima), localizado em frente ao Parque Nacional El Morado – ainda vou falar sobre esse lugar divino neste blog. Mas contou que ele era bem maior. A cada verão a montanha se desfaz, sendo levada abaixo pelas águas do degelo. Assim, sua observação somada ao seu antigo trabalho como minerador e sabedoria popular indica qual a melhor montanha para praticar alpinismo, caminhar, encontrar traços de civilizações já extintas e por aí mundo afora. Não é incrível? Proteger a natureza é viver. Boa semana colorida!

Pedalando até o Horto Florestal de Campos do Jordão

Fiquei tão viciada em andar de bicicleta que descartei a possibilidade de passar minha folga do trabalho longe dela. Fiz duas viagens – e trouxe de ambas vários aprendizados para compartilhar neste blog, aguarde. Na primeira, fui para Campos do Jordão bregamente intitulada “Suíça Brasileira” e marketing que, aliás, acaba desmerecendo a belezinha de município. Lindinho, não pela sua arquitetura inspirada “nas Europas”, mas porque está inserido no meio da Serra da Mantiqueira. As paisagens são inspiradoras.

Apesar dos morros que encontramos na cidade e no entorno dela – como era de se esperar de uma Serra -, o lugar é fantástico para quem gosta de pedalar. Possui uma ciclovia plana, uma pequena estrutura – melhor do que o quase nada de São Paulo – para estacionar a bicicleta em frente aos estabelecimentos, ruas calmas no verão, estradinhas de terra e muito ciclista. Vou abordar tudo isso nos posts que veem por aí. Bom, além disso, li que um dos passeios imperdíveis para quem está começando a pedalar era andar de bicicleta no Horto Florestal do município. E aí fui eu.

 

A curiosa teve a belíssima ideia de ir de bicicleta até o Horto. Antes de ir, perguntei para um morador como era o caminho: “Tranquilo, uma reta plana”. Para quem está de carro, né? A avenida – parece rodovia, mas não é – até o parque possui uma leve subida, imperceptível. Como ainda sou café-com-leite na pedalada, penei nos dez quilômetros. Afinal, ainda havia mais trilhas no Horto. Escolhi a trilha da Cachoeira da Galharada – ao final chega-se a ela com direito a estacionamento para bicicletas (foto) – e uma trilha especialmente para bicicletas. As outras são mais indicadas para caminhada.

 

O Horto Florestal vale o passeio: bem cuidado, sinalizado e com atividades para todas as idades. Ele está localizado entre Minas Gerais e São Paulo, se intitulando a maior extensão contígua de pinheiros brasileiros no Sudeste distribuído em vales e morros com altitudes que variam de 1030 a 2007 metros. Agora, se você levar a bicicleta até Campos do Jordão vá pedalando para o parque. O caminho se revelou uma atração à parte. Saiba mais no vídeo acima!

Pensou em subir o morro do bondinho a pé?

Este post é para quem gosta de apreciar mar, montanha, pássaros, flores, espécies em extinção, tudo junto e misturado. A Pista Cláudio Coutinho, mais conhecida como Trilha da Urca, é um dos meus pontos preferidos no Rio de Janeiro – outros são o Arpoador, Museu da Chácara do Céu, Parque das Ruínas, Aterro do Flamengo, Prainha, Grumari, Lagoa, afe, lista extensa. A trilha une prática de esportes ao ar livre, caminhada ou corrida, com a contemplação de paisagens de tirar o fôlego. O melhor: tudo com a segurança de um terreno do exército.

Seus 2.500 metros podem ser feitos a pé por pessoas de todas as idades, pois o caminho ligeiramente íngreme possui chão de asfalto. Durante o agradabilíssimo passeio, é possível ver pau-brasil recém-plantado e espécies em extinção como, por exemplo, orquídea-da-gávea, bromélia-da-urca, velózia-branca e roxa. Entre os pássaros, podem ser avistados: tiê-sangue, gavião-carijó, saí-azul, sanhaços e tesourão. Claro que os saguis também dão pinta por lá – veja o vídeo com mais informações clicando na primeira imagem deste post.

 

Agora, a cereja do bolo é a trilha que dá acesso ao topo do Morro da Urca, onde fica a primeira parada do bondinho. Sim, é possível subir os cerca de 220 metros do Morro da Urca com seus próprios pés! O caminho que dá acesso ao topo está sinalizado à esquerda nos primeiros metros da Pista – fique atento. Alguns degraus de madeira improvisados são o começo da árdua subida. Prepare-se.

O caminho exige do corpinho – em alguns trechos, usei até as mãos para me equilibrar devido à inclinação… Para piorar ou aumentar a adrenalina, quando fui tinha acabado de chuviscar. A terra estava molhada e escorregadia. Como o clima entre as árvores é sempre úmido, talvez essa seja uma condição constante do solo.

Durante a subida, estava ansiosa para ver a paisagem. O que não foi possível porque a mata fechada impedia, inclusive, a entrada dos raios solares. De certa maneira, não poder apreciar a Baía de Guanabara aumentou ainda mais a ansiedade, a inquietação, a euforia. O que viria à frente?

Apenas ao chegar quase no topo da trilha é possível avistar parte da Praia de Botafogo (foto ao lado) – o outro lado do Morro, já que o acesso à Pista se dá pelo cantinho da Praia Vermelha, no bairro da Urca (foto à esquerda). Bom, seguindo trilha adentro alguns metros para a esquerda… Tcha-nan! Um portão é a dica de que chegou a primeira parada do bondinho! Cerca de uma hora e pouco de subida, você está na primeira parada do bondinho! Do bondinho!

É emocionante atingir o topo com seu próprio esforço. Lá em cima, a tão almejada vista é de tirar o fôlego – se é que sobrou algum. Vale cada gota de suor. Suspiro.

Obs.: Quem preferir, pode fazer o caminho inverso. Descer o Morro da Urca pela trilha. Ou subir e descer. No meu caso, voltei usando o bondinho como meio de transporte – você pode comprar a passagem só de descida lá em cima, mesmo. Há mais de 15 anos não passeava nele…

Para ser um ecoturista decente

Da série especial de Weruska Goeking, sobre San Pedro do Atacama (Chile):

No Valle de La Luna estão as Três Marias. As pessoas que viviam na região e retiravam sal das minas acreditavam que as esculturas eram guardiãs do lugar. Hoje vemos apenas duas Marias e meia porque há cerca de dez anos um japonês tentou subir na escultura à esquerda para tirar uma foto. Como a formação rochosa é “recente”, aproximadamente mais de um milhão de anos, ela não aguentou e cedeu. Depois do acontecimento, de acordo com a guia local, quem ultrapassar a linha formada por pedras aos pés das Marias pode ser deportado.

Ao lado das Três Marias uma construção que até a década de 1970 serviu de abrigo para uma família que explorava sal nas minas locais. A cobertura feita de uma planta oca, parecida com mini bambus, é capaz de manter uma temperatura amena à sua sombra.

A ida à Duna Major reserva um pouco mais de aventura. O esforço para subir seus cerca de 100 metros é recompensado pela vista incrível ao chegar em seu topo, onde é possível enxergar a Cordilheira do Sal, o Vale da Morte e o Salar.

Ainda no início da subida ao topo da Duna Major, a vista surreal de rochas, areia e diversas montanhas nevadas ao fundo.

À frente, o caminho rochoso por onde é permitido subir a duna. Subir pela areia é vetado, já que as pegadas demoram de duas a três semanas para desaparecerem, variando conforme a incidência de ventos. No dia em que visitei três pessoas inadvertidamente deixaram suas pegadas. Uma pena. Um tipo de recordação que, definitivamente, a natureza não precisa.

Observação: Algumas “cavernas”  ao longo do Vale foram construídas pelo homem, quando ainda era permitida a exploração de sal no local.

Saiba mais sobre a participação no post Nem sempre onde há fumaça, há fogo.

Pescadores alimentam tubarões em Fernando de Noronha

Fernando de Noronha é a ilha da fantasia. Um sonho, mas não perfeita. E a “culpa” é nossa. Recentemente, pescadores estão arriscando a vida dos turistas e da própria população.
Há pouco tempo os pescadores resolveram limpar os peixes no porto – foto – e jogar os restos no mar. A graça é ver os tubarões se alimentando desse resto. A região está repleta deles. De snorkel, eu vi três tubarões, creio que da espécie tubarão-limão.
Em setembro e outubro, as águas da área estão calmas. Por isso é possível com snorkel, a partir da praia mesmo, mergulhar no naufrágio do navio grego “Eleani Stathatos”. Veja o vídeo que gravamos dele:

No verão, as águas do porto ficam repletas de ondas. Quando o mar está muito agitado, o porto “se muda” para a Baía do Sueste – uma praia “no mar de fora”, voltado para o oceano. E os surfistas pegam onda na Praia do Porto.
O fundo do mar da Praia do Porto é de pedras – aliás, de todas as praias, mas a maioria é forrada de areia dourada. Por isso os surfistas correm o risco de bater nas pedras e se machucar. Ou mesmo qualquer pessoa pode tomar um caldo e se ralar.
Como os pescadores alimentam os tubarões, ambientalistas temem que os bichos ataquem quem sangrar. Principalmente, na época em que não forem alimentados.
Assim, segundo agentes de turismo de Fernando de Noronha, os ambientalistas estão estudando uma maneira de acabar com essa prática. Lá na ilha, quase todas as praias possuem placas explicando as proibições ecológicas. Como, por exemplo, que é proibido sair da praia da Baía do Sancho para nadar com os golfinhos. Não respeitou? Toma multa do fiscal do Ibama.
Na palestra que conferi no Projeto Tamar, disseram que em Fernando de Noronha nunca houve um caso registrado de ataque de tubarão em humanos. Tá, apenas um. Um turista puxou o rabo de um tubarão-lixa. O animal arrancou um pedaço da carne do braço do infeliz.
Outras observações para serem consideradas sobre Noronha:
Na maior parte da BR 363, principal via da ilha, não existe calçada. As pessoas caminham na rodovia ao lado de carros e bugues em alta velocidade – muitas vezes conduzidos por pessoas que nunca dirigiram um bugue na vida. Os guias até avisam sobre o perigo, já que o hospital da ilha é um pronto-socorro equipado para acidentes simples. Aliás, nas ruas asfaltadas da Vila dos Remédios – centro – também não existe calçada;
Fernando de Noronha está tomada por ratos e gatos! Tudo bem que os gatos atacam os roedores, mas eles também caçam os pássaros da região que não estão acostumados com felinos;
Há problema com o depósito do lixo. Além disso, a energia da ilha é obtida por termoelétrica – que usa combustível fóssil. Eles estavam testando energia eólica – menos poluente -, mas um raio prejudicou o projeto;
Não vi ciclovias! Como acontece no resto do Brasil, a prioridade é para os carros. Carros e bugues que queimam muito óleo. Poxa, em uma ilha tão pequena, com uma bicicleta qualquer um poderia visitar os principais pontos. Mas andar de magrela na BR 363 é uma ação suicida;
Os turistas, na Praia do Atalaia, não respeitam o meio ambiente. Todos os guias repetem cinquenta mil vezes que é proibido pisar e encostar nos corais. Um fiscal do Ibama também fica de prontidão para retirar os infratores da água. Porém, quem está de snorkel, vê a falta de educação de alguns turistas.

Historinha sobre um péssimo ecoturismo

O ponto mais alto de Fernando de Noronha é chamado de Morro do Pico. Antes, os turistas podiam subir para observar a ilha inteira dele. Até que alguns infelizes tiveram uma ideia de jerico.
No alto do morro existe um farol sob responsabilidade da aeronáutica (?) com lente gigante. Um dia, a aeronáutica reparou que o farol não iluminava o quanto deveria. E mandou uma pessoa checar o que estava acontecendo.
Ao chegar lá, o oficial reparou que a lente estava pichada! Os turistas deixavam recados na lente do farol como: “Estive aqui em (data)”. Ou: “João ama Maria”. Ou: “Mamãe, olha eu aqui”.
Conclusão? Os turistas colocaram a vida de pessoas em embarcações em risco. E… a partir desse dia, a aeronáutica proibiu a subida de pessoas não autorizadas ao Morro do Pico.
Para saber mais sobre Fernando de Noronha, indico o site mantido pelo Governo de Pernambuco e o Ilha de Noronha.