Como são os safáris na África do Sul

Eu tenho tanta informação para escrever por aqui coletada durante os 20 dias da minha viagem pela África do Sul e tanto vídeo para editar e subir que precisaria de um clone para fazer tudo isso por mim. Além das incríveis histórias da população que hoje vive por lá – muitas delas para se discutir em uma mesa de bar -, as paisagens e os animais também são envolventes. De tirar o fôlego. Portanto, faço aqui uma revelação (ao menos para mim): em cinco dias no mato você consegue ver os bichos caçando, comendo sem parar (no caso dos herbívoros), amamentando, copulando, fazendo barulhos, distraídos, lutando, curiosos, sem se importar com a sua presença ou te ameaçando por estar no ambiente deles.

Sério, eu me senti dentro de um dos programas do Discovery Channel. Era como se fosse uma espectadora in loco. Por exemplo, em apenas cinco dias conseguimos perceber os sinais que a maioria dos grandes animais – como elefantes, antílopes, leões, girafas – transmitem de acordo com o que estão sentindo. Fizemos safári em uma reserva pública chamada Addo Elephant e em uma particular. Na pública, nós mesmos podíamos dirigir pelas trilhas com o nosso carro alugado ou contratar os guias locais para fazer safáris como os noturnos.
O Addo Elephant, como diz o nome, é uma reserva repleta de elefantes. Em cerca de dois dias inteiros por lá, observamos bebês elefantes mamando. Elefanta guiando a manada, algumas com mais de 15 indivíduos. Sim, é a fêmea quem manda no grupo, sabe onde está a água para beber, para tomar banho, onde há a melhor comida. Pudemos ver jovens machos acompanhando, de longe, um grupo (foto abaixo). Isso porque ao completar determinada idade, creio que dois anos – me corrija se estiver errada -, a fêmea guiadora expulsa o macho jovem do grupo. Ele tem que se virar sozinho. Traumatizado e sem saber o que fazer, muitos jovens seguem o antigo grupo por um tempo. Em seguida, como também pudemos observar, dois machos às vezes andam juntos para se defenderem de outros animais.

Vimos que até os elefantes conseguem se camuflar – sua bundinha parece um montinho de terra no meio do mato. Que eles se alimentam cerca de oito horas por dia praticamente sem parar. Que geralmente não há leão e nem chita (guepardo) onde estão os elefantes. O leão é quem escolhe o melhor território primeiro – que pode mudar com o tempo. Os elefantes expulsam as chitas de parte do território que sobrou e eleito o deles.

Já éramos água para elefante. Os animais do Addo estão acostumados com tanto carro passando. Mesmo assim, meu marido foi encarado por um jovem macho que veio em direção ao nosso carrinho, desviou praticamente em cima do capô, passou pelo lado do motorista e virou a cabeça para encarar olho no olho. Entortou o pescoço até não conseguir mais e seguiu seu caminho. Ficamos bem quietinhos – e meu marido gélido. Mas foi só isso e algumas olhadelas de mamães amamentando. Até que…

Seguimos para a reserva particular com o carrinho prateado alugado, um Nissan Micra. Passamos por tantos elefantes, tantos passaram por nós, que já estávamos acostumados em ver eles tão perto, cerca de um metro de distância do carro. Entramos na reserva, vimos as primeiras girafas da viagem – lindinhas e calmas. Seguimos pela estrada de terra até encontrarmos dois elefantes no meio da pista. Um deles, o macho, parou e nos olhou. Essa encarada do elefante é um sinal de que o bicho está incomodado. Pensei: “Vou dar uma aceleradinha e andar um pouco para avisar que queremos passar”.

Dei mais uma acelerada – estávamos com receio de nos perdemos dentro da reserva e queríamos chegar logo à sede para fazer os safáris. Afinal, nas reservas particulares os safáris são feitos com os veículos delas, geralmente Land Rover abertas. O elefante se virou para nós e abriu a orelha. Péssimo sinal que interpretamos bem. Sabíamos o que isso significava: ele queria mostrar que era grande, mais firmemente que não estava gostando. Às vezes, os elefantes abrem as orelhas para se refrescarem. Elas têm veias que ajudam a trocar o calor quente pelo mais frio do ar. Não era o caso. Falei para meu marido: “Vou acelerar e correr”. “Não faça isso, ele está na parte de cima do morro, se der um passo para cima de nós acaba com a gente”, sábias palavras. Andei mais um metro com o carro. O elefante começou a balançar a cabeça do lado direito para o esquerdo e vice-versa. Sua tromba, que encostava no chão, chacoalhava no ar. Ferrou. Recuei rapidamente mais de dez metros com o carro! O bicho entendeu, arregamos – não que quiséssemos brigar, apenas estávamos aflitos.

Falei: “Temos todo o tempo do mundo, qualquer coisa alguém da sede busca por nós”. E esperamos uns cinco minutos, ou seja, muito menos do que imaginávamos. Até que o elefante subiu morro acima, parou de nos olhar e passamos devagar – mas espertos – menos de dez metros ao lado dele seguindo pela estrada de terra esburacada.

Nos dias que se seguiram, um leão rugiu para o carro em que estávamos – desta vez, com o guia ao volante – enquanto seguíamos o grupo de felinos em uma caçada. Vimos leões e chitas correrem, literalmente, atrás do almoço. Três machos chitas, um dos animais mais velozes do mundo que pode alcançar cerca de 110 km/h, atacaram um bando de guinus. Uma delas pegou um guinu, mas o bando voltou e começou a tentar dar chifrada na chita, até que ela o soltou. Também tivermos a sorte de observar um leão comendo ao lado de nós (foto acima), antílopes brigando, búfalos lutando, copulando, zebra e elefante tentando copular.

No total, calculamos ter avistado mais de 70 espécies animais, sem contar as inúmeras aves. A nossa revelação e emoção foi vê-los “em ação”, como dizem os guias. Não imaginávamos que era tão fácil, tão comum, tão encantador observar as amamentações, caçadas, lutas. Apesar dessas brigas diárias entre predadores e presas, o ambiente parecia calmo. Os animais sabiam que estavam sendo observados por seus caçadores, mas permaneciam por perto com exceção de quando era visível que o predador iria atacar. Nem os safáris se comparam à vida que levamos nas florestas de concreto. Isto, sim, é vida selvagem.

Picos dos Andes aparecem em frente ao avião

Sempre quando estou nos ares, literalmente e não em pensamento como gosto de me deixar levar, procuro saber o local que o avião sobrevoa. Primeiro, porque a curiosidade faz parte do meu âmago. E, além das paisagens aéreas incríveis, essa é a chance de visualizar a geografia do nosso belo planeta. Um conhecimento a mais sobre o mundo em que vivemos. Antes de embarcar para o Chile, em dezembro, eu estava ansiosa: queria ver de pertinho a Cordilheira dos Andes! Um acontecimento por si só.

Sem exceção, todo mundo que sobrevoa os Andes fica admirado com sua altura e extensão. Nunca esqueci o que uma amiga comissária de bordo, acostumada com as paisagens aéreas, me disse: “Depois de sobrevoar os Andes, percebemos que um avião pequeno teria muita dificuldade para fazer essa travessia. Seria difícil ele conseguir”. Essas palavras ficaram por cerca de cinco anos no meu imaginário. E, enquanto esse tempo passava, todos os meus amigos – conhecendo minha paixão pela geografia do mundo – voltavam maravilhados desses mágicos minutos sobre a maior cadeia de montanhas do mundo em comprimento. Eu perguntava o porquê. “Parece que o avião vai encostar nelas”, diziam eles.

Observando as fotos, como as que ilustram este post (clique nelas para ampliar), parece mesmo que os Andes estão próximos da aeronave. Mas há uma distância muito grande entre quase encostar nas montanhas e estar perto delas. Apenas voando consegui entender o que todos me diziam. E olhe que não foi fácil, eu apresentava o início dos sintomas de uma infecção intestinal. Tremia com febre. Estava em um tempo paralelo dentro daquele avião lotado com dez fileiras de assentos. Sabe quando você toma vários remédios, alguns contra enjoo, e não se sente nem acordada e nem dormindo? Era nesse limbo que me encontrava. Mesmo assim, tenho certeza que as pontas das montanhas aparecendo na telinha em frente à minha poltrona não eram alucinações.

O avião levava uma câmera na parte de baixo dele. Eu poderia sintonizar o canal dessa câmera na tela em frente ao meu assento. Ao menos seis vezes, naquela câmera que mostrava o horizonte em frente à aeronave, eu vi os picos das montanhas mais altas dos Andes. Toda vez que um pico aparecia, o avião fazia uma leve curva para a direita ou esquerda. Tirei forças da minha curiosidade para ficar em pé no corredor – na ida ao Chile, estava no assento central, na volta, vim na janela (!) – para olhar a infinita cadeia de montanha.

Antes de sobrevoarmos os Andes, por um momento consegui segurar os sintomas da infecção para olhar pela janela. Lá fora, só nuvens. Um avião voa em torno de 11 mil metros de altura. Imagine, de repente, um paredão subir praticamente em sua frente. Em Cajón del Maipo, uma região dos Andes distante cerca de uma hora de Santiago (indo de carro), a altura das montanhas passam os 5 mil metros. A capital chilena está aos pés dos Andes. Portanto, os pilotos começam o procedimento de pouso sobre a Cordilheira. Sim, realmente, sobrevoamos pertinho dos picos e essa sensação é indescritível. Todos olham pelas janelas. Todos comentam. Todos soltam um “uau” ao mesmo tempo.

 

Na volta, recomposta da infecção intestinal e no assento ao lado da janela, pude me deliciar com aquelas imagens dignas de um documentário em alta definição. Lá de cima, consegui distinguir o Aconcágua creio ser o pico à esquerda da foto superior, montanha mais alta das Américas com 6.962 metros de altitude, entre toda a cadeia. E suspirar muitas vezes. Parece besta, simples, ordinário, se encantar com os 20 minutos sobrevoados. Mas, para mim, a Cordilheira dos Andes é indescritível. O voo já paga a viagem.

Categorias

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM