Como mudar o mundo por meio das redes sociais e dos aplicativos?

RJ - RIO-DE-JANEIRO - 04/08/2016 - REVEZAMENTO DA TOCHA RIO 2016 - Revezamento da Tocha Olimpica para os Jogos Rio 2016. Foto: Rio2016/Fernando Soutello

Nós temos vontade de melhorar a nossa qualidade de vida, viver em equilíbrio em comunidade, habitar um mundo mais igualitário e deixar um planeta mais harmonioso para as futuras gerações (nossos filhos, netos, sobrinhos, crianças de toda a Terra). Também, as pesquisas até têm apontado, cada vez mais queremos trabalhar em empresas que respeitem o ser humano e a natureza. Empresas que têm o propósito de cuidar do planeta ou que, ao menos, tenha ações para compensar os seus impactos.

As redes sociais e os aplicativos se mostraram um espaço para relaxarmos, mas também para nos conectarmos a outros que pensam como nós ou que têm o mesmo propósito ampliando as nossas vozes. E é, por meio deles, que podemos unir a nossa vontade de viver em um mundo mais harmônico com empresas investindo em uma causa que melhora diretamente a qualidade de vida de todos no planeta: o plantio de árvores nativas.

O plantio de árvores nativas em áreas rurais visando recuperar a floresta que havia ali e degradamos no passado, chamada também de recuperação florestal, é tão importante que ganhou até destaque na abertura das Olimpíadas! Primeiro, é irresistível pegar uma mudinha ou imaginar que um clique nosso se reverterá em uma árvore plantada que viverá, talvez, por mais tempo que nós. Segundo, este é um legado que deixamos aqui na Terra.

iniciativa_verde_villa_lobos-360O plantio de uma pequena mudinha de árvore nativa envolve toda uma cadeia do bem. Ela é produzida em um viveiro do interior (que ajudou a gerar renda para uma população que, de repente, antes trabalhava degradando a mata!). Para se ter uma muda, precisamos da semente. Logo, ela é colhida em alguma floresta que necessita ser preservada para esse fim, entre outros. Em seguida, essa mudinha é plantada por, muitas vezes, uma pessoa que às vezes desmatava (ou estava desempregada) e, agora, consegue sustentar sua família cuidando do planeta.

Em seguida, a mudinha crescerá em uma área de proteção ambiental (uma vez plantada uma árvore nativa, ela só pode ser derrubada se for por uma obra de interesse público). Conforme vai crescendo, ela atrai borboletas, pequenos mamíferos, lobos-guarás, macaquinhos. Ela pode fornecer alimento e proteção para diversos animais. As abelhas e os pássaros polinizarão a área onde está a mudinha (e suas outras amigas mudas) trazendo mais vegetação, diversificando e enriquecendo essa floresta que cresce.

Essa mudinha começa a reter a água da chuva no solo com suas raízes (calcula-se que 80% da água da chuva é “absorvida” por árvores da Mata Atlântica). Assim, aquele córrego que passa perto dela fica mais caudaloso. Ou a nascente que secou começa a voltar à vida. A população do campo que não tem recurso financeiro, que precisa diretamente da natureza para sobreviver, consegue voltar a plantar hortaliças e outros alimentos para comer e até vender. O espaço da sua propriedade que cedeu para o plantio (que já estava com o solo degradado de tanto a vaquinha pisar ou de tanto plantar) valoriza o local! Além de deixar a paisagem mais agradável e bonita.

Quem mora na cidade pode ir para o campo e fazer ecoturismo nesses locais. Pode respirar um ar mais puro. Pode ter mais água na torneira e de melhor qualidade. Essa pequena mudinha, conforme vai crescendo, absorve o gás carbônico da atmosfera. Aos poucos, ela vai evitando que o temido e impalpável aquecimento global nos atinja. Afinal, quando a gente muda o uso do solo (desmata, por exemplo), altera as chuvas. Ela evita que sejamos, aqui na cidade, atingidos por aguaceiros que alaguem tudo ou por secas que fazem nossos narizes coçarem insuportavelmente. Nossa saúde agradece.

Como o efeito borboleta (“o bater de asas de uma borboleta no Brasil pode desencadear um tornado no Texas”), essa pequena ação pode mudar o nosso futuro para melhor. Durante o evento Social Media Week, vou dar a palestra “Já pensou em plantar árvores por meio da internet?” para mostrar como podemos plantar mudinhas por meio das redes sociais, de aplicativos e da internet em geral. Mostrarei ações de marcas como a Sky ou a Wappa com a Iniciativa Verde que envolvem o plantio de árvores nativas. Lindos casos. Que marca a sua marca quer deixar no mundo?

Fotos de cima para baixo: Rio2016/Fernando Soutello, Marcelo Scandaroli/ Iniciativa Verde, Isis Nóbile Diniz/ Iniciativa Verde

saocarlos_imagem

Ação ambiental: plante árvores da Mata Atlântica!

iniciativaanopassado

A ONG Iniciativa Verde onde trabalho – sim! virei oficialmente ecochata, hippie ou ongueira -, vai fazer uma ação aberta a todos: o Plantio Simbólico. Na ocasião, todo mundo – principalmente aqueles que já têm um filho e escreveram um livro – terá a chance de plantar árvores da maravilhosa Mata Atlântica! As mudas serão plantadas no Sesc Interlagos para aumentar e incrementar um bosque que existe no local. Sua rinite e a fauna agradecerão, tenha certeza.

Na ocasião, as equipes da Iniciativa Verde e do Sesc Interlagos explicarão como plantar uma árvore da Mata Atlântica, o que é restauro florestal, a importância de se preservar a floresta. Sério, é fantástico entender de perto como é cuidar da Mata Atlântica, que nos fornece comida, casa e roupa lavada. É uma piração quando as pessoas (foto acima) pegam as bebês árvores: “Que muda é essa? É essa?”

Venha ser feliz e fazer o bem. Com o passar do tempo, você pode voltar ao Sesc Interlagos para ver o quanto a sua mudinha cresceu. Não é lindo?

Informações importantes:
Data: 27 de setembro de 2013
Horários: 10h e 14h
Local: Sesc Interlagos (o Viveiro é o ponto de encontro)
Endereço: Av. Manuel Alves Soares, 1100, Parque Colonial, São Paulo (SP)

Saiba mais aqui. Veja as fotos do Plantio Simbólico 2012.

 

Pedalando e blogando

Querido leitor,

A palestra sobre blogs científicos que ministrei semana passada na Universidade Estadual Paulista (Unesp) para, principalmente, os alunos da biologia foi ótima – falei sobre ela lá no Twitter – graças à interessada plateia. A discussão virou um bate-papo informal. Bárbaro.

 

Agora, venho por meio desta informar que inscrevi uma mesa-redona a ser realizada no youPIX (maior festival sobre cultura de internet do Brasil) sobre como os movimentos que ganham força na internet – no caso específico, os relacionados a favor dos ciclistas – saem para o “mundo real” e podem gerar transformações no espaço urbano. A ideia é colocar, mais uma vez, as discussões sobre bicicleta na roda (pegou a piada infame?).

 

O debate está entre os finalistas. Se você tem interesse em ver a mesa-redonda, por favor, entre na página do youPIX aqui e vote no PEDALANDO E BLOGANDO. Esta que vos escreve agradece desde já.

 

Um beijo e boa sexta-feira,

 

A diretoria.

Participe da conferência em gestão ambiental sobre o Semiárido

Foto: Dan Queiroz/ Flickr

A amiga “mãos-à-obra” Maira Begalli está organizando a I Conferência Internacional em Gestão Ambiental Colaborativa – Cigac Semiárido. A ideia do evento é propor discussões entre as ciências da gestão ambiental e a inovação espontânea presente nas maneiras com que a população que vive no Semiárido – mais conhecido como Sertão e por suas secas – lida com as condições do local. Quem sabe nascem parcerias e soluções bacanas? Se você, pesquisador ou interessado, tem alguma proposta de experimento ou trabalho científico na área inscreva-se! Porém, atenção, a data limite para as inscrições é dia 16 (segunda-feira) de abril (este mês).

Você, leitor, quer participar da conferência? O evento acontecerá entre os dias 13 e 16 de junho e poderá ser acompanhado online! Saiba mais no site oficial. A Cigac é uma realização da Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), com apoio do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPQ) e em parceria com a rede MetaReciclagem. O tema proposto para a primeira edição é ”Ciência e Inovação Social”.

“Ah, mas no centro do sertão, o que é doidera às vezes pode ser a razão mais certa e de mais juízo!”

Guimarães Rosa, em Grande Sertão: Veredas

Estamos na Semana Nacional de Ciência e Tecnologia!

Todos os anos, desde 2004, o Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) lança a Semana Nacional de Ciência e Tecnologia (SNCT). No ano passado, foram realizadas cerca de 11.000 atividades, em 450 municipios. Este ano, a participação deve ser maior.
Como funciona? Entre no site oficial, aqui, e veja o que as instituições prepararam para sua cidade. São palestras, lançamentos de livros, apresentação de vídeos, novidades em planetários e por aí vai. Se achar algo muito interessante, me conte!

Mulheres contra o câncer de mama

Esse é um assunto que me deixa chateada. Na realidade, evito falar disso, pois perdi uma pessoa muito amada graças a essa doença. Mas, para que outras pessoas não passem pela mesma tristeza, neste post ajudarei a divulgar o “Outubro Rosa”.
Segundo a assessoria de imprensa da Scania – marca de caminhão -, o Movimento “Outubro Rosa” nasceu em 1997, na Califórnia (EUA). Na época, monumentos norte-americanos foram iluminados de rosa, pela primeira vez, para chamar a atenção à detecção precoce do câncer de mama.
Daí, fui convidada para participar do evento “Ela tem que saber” organizado pela Federação Brasileira de Instituições Filantrópicas de Apoio à Saúde da Mama (Femama), na terça-feira. Como antes passei no lançamento do engraçadíssimo livro do Marcelo Vitorino, blogueiro do Pergunte ao Urso – publicação de mesmo nome -, cheguei mais tarde. Mesmo assim, deu tempo de encontrar muita blogueira bacana. E ficar por dentro da campanha – veja o vídeo aqui.
E o que nós devemos saber?
Que, em 29 de abril, foi assinada no Brasil a Lei Federal 11.664/2008. Ela trata de questões relativas à prevenção, detecção, tratamento e controle dos cânceres do colo uterino e de mama. A nova lei garante a realização do exame de mamografia pelo Sistema Único de Saúde (SUS) em todas as mulheres a partir de 40 anos – e não mais de 50 anos de idade, como previsto anteriormente.
Cai entre nós, garotas. É um absurdo esse tipo de direito, que já está embutido em outras leis, ter que ser descrito dessa forma para ser cumprido. Sem contar que marcar exame no SUS é complicado.

Bom, segundo o Instituto Nacional de Câncer (Inca), cerca de 50 mil mulheres sofrerão com a doença apenas no Brasil e este ano. No país, 10 mil mulheres morrem anualmente porque, em 60% dos casos, o câncer de mama é detectado em estágio avançado. Fiquemos atentas!

Categorias

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM