Imagine descobrir que tem Asperger depois dos 30 anos? Acontece :)

Quando tudo era mato na internet, descobri que o poder mais incrível de ter um blog sobre temas que gostamos é dele nos proporcionar a possibilidade de nos aproximarmos de outras pessoas que também gostam desses temas. No meu caso, ciência, meio ambiente e feminismo. A gente deixa de se sentir um extraterrestre. E faz novos amigos! <3 E, assim, há cerca de dez anos conheci a Maira Begalli. Posso dizer que foi afinidade à primeira vista. Ela me convidou para mediar um debate sobre meio ambiente dentro de uma Campus Party, onde cuidava da parte ambiental, e assim seguimos nossos encontros até hoje.

Atualmente, Maira é pesquisadora científica e trabalha com experimentações tecnológicas e ecológicas colaborativas. Durante uma recente conversa, ela me contou que descobriu, depois dos 30 anos, que tem Asperger – uma síndrome do espectro autista. Após o diagnóstico, tudo ficou mais leve e claro para ela. Nossa conversa foi tão emocionante e reveladora que perguntei se poderia fazer uma entrevista sobre o seu diagnóstico. Ela topou. Leia, com amor, nossa entrevista. Todos somos diferentes e iguais ao mesmo tempo, essa é a grande beleza da vida.

Isis: Como você descobriu que tem uma síndrome do espectro autista?
Maira: Eu descobri no início deste ano. Eu tinha acabado de voltar da Califórnia, nos Estados Unidos, numa situação muito hostil. Durante toda minha infância, passei por violência emocional e psicológica por parte da minha família. E isso aconteceu mais uma vez na Califórnia. Na minha cabeça de Asperger, eu havia feito uma equação que acreditava que quando eu crescesse e procurasse essas pessoas que me fizeram mal, mas que eu ainda amava, eles reconheceriam que estavam errados e se reconciliariam comigo. Assim, na Califórnia, apesar de passar por um gaslighting [abuso psicológico no qual informações são distorcidas] intenso por 40 dias, me adaptei porque realmente achava que resolver a equação era melhor do que responder. Dessa pessoa específica da família, ouvi coisas como “que eu era ‘assim’ porque eu precisava de um macho”; que eu tinha a doença da mentira, mas que Deus tinha me mandado lá para essa pessoa me curar (no caso ele é hipocondríaco, bebe e passa o dia no sofá dizendo que não é feliz); que “todos” sabiam que era tudo mentira que eu fazia projetos com pessoas do mundo todo; que era mentira que eu trabalhava; que a pessoa que mais enganava era eu mesma; que eu me maltratava muito (porque mantenho uma rotina de atividade física e alimentação saudável). Enquanto isso, eu andava nas ruas de lá e via a propaganda do filme “O Contador”, que já havia assistido no Brasil. Quando eu vi esse filme, me senti igualzinha o personagem do Ben Affleck. Ele tem um mundo complexo e processa coisas complexas o tempo todo, mas que ninguém imagina. Como a necessidade de ter poucas coisas, estabelecer rotina, não comer muitos alimentos.

I: Quando e quem fez o diagnóstico?
M: Quando voltei ao Brasil estava muito mal. O Asperger me fez desenvolver mecanismos de coping [esforços cognitivos e comportamentais para lidar com situações de dano, ameaça ou desafio quando não há resposta automática]. Hoje, com ajuda médica, mapeamos isso em cores. Eu posso estar mais “cinza”, mais “vermelha” ou mais “azul”. Na Califórnia, eu estava mais cinza, então tinha medo e desenvolvo uma série de comportamentos. Isto se chama transtorno dissociativo [perda total ou parcial de uma função mental ou neurológica, podendo ter, por exemplo, perda de memória]. Eu fiz isso a vida inteira em situações de estresse familiar. No começo do ano, testes de neurodiversidade apontaram para a Síndrome de Asperger. Fui diagnosticada por uma psiquiatra, também Asperger, hoje uma grande amiga. Minha vida mudou totalmente.

I: Como foi para você a descoberta? Se sentiu aliviada? Ficou preocupada?
M: Não, nada preocupada. Eu acho que as palavras sempre vão nomear coisas que já estão ali. Eu nasci assim. Falei aos quatro meses de idade em um elevador de shopping uma frase inteira “olha o japonesinho”. Meus pais disseram que os pais desse japonesinho olharam para o carrinho e perguntaram: “Ela fala”? Aprendi a ler sozinha aos quatro anos. E tudo que eu sei parece que sempre esteve aqui. Mas, em contrapartida, eu tenho muita dificuldade e não quero quebrar minha rotina. Por exemplo, eu acordo às cinco da manhã, sozinha, desde criança. E costumava dizer antes mesmo do diagnóstico que independente do lugar, minha vida nunca muda. Assim, um novo horizonte se abriu. Eu entendi que sobrecargas sensoriais não são síndrome do pânico ou ansiedade e que nunca vou ser normal e que tentar me enquadrar nisso, só piora.

I: Antes disso, você notou que pensava diferente de quem não tem? Ou achava que todos passavam pelo mesmo?
M: Eu sei que sou diferente desde sempre. Consigo me comunicar com animais, sentir fenômenos da natureza e sentir cores. Tenho processamento complexo o tempo todo. E uma ataraxia constante, nunca meus pensamentos são sobre minha vida, mas sobre assuntos determinados (o tal hiperfoco) que preciso solucionar.

I: Aliás, o que te diferencia de outras pessoas por ter a Síndrome?
M: Nós, neurodiversos, não somos doentes. Minha psiquiatra, inclusive, defende que temos apenas um outro default cerebral. Eu tenho dificuldade em ter contato cerebral, não saio para me “divertir”, não gosto de falar sobre pessoas, gosto de estudar, entender as coisas como funcionam e tenho muita dificuldade de sistematizar e verbalizar meus sentimentos. Eu até consigo, mas tenho que falar comigo mesma por dias até entender para depois externalizar. Fora isso, tenho sensibilidade alimentar e condição autoimune ligada ao estômago-intestino desde que eu era bebê – o que é um traço comum, em muitos TEAS [Transtorno do Espectro Autista].

I: Qual sua maior dificuldade enfrentada por ter Asperger?
M: Sem dúvida, a infância. Minha família não soube lidar comigo e fui criando mecanismos de coping que foram bem nocivos. Mas, por outro lado,, a negligência da minha mãe me obrigou a me adaptar e enfrentar as coisas. Aliás, as coisas mais bizarras e surreais que eu poderia ter passado. Nesse sentido, ela agiu mais ou menos que nem o pai do “O Contador”. E até hoje ela é assim. Se eu falo que tenho um problema, uma situação, ela diz: “Isso é normal, resolva, não quero saber”. Hoje não vejo dificuldades, certamente, por causa dessa postura. Eu cresci sabendo que teria que resolver e que não haveria o superman, a fada madrinha, ninguém.

I: E o que ela traz de bom claramente?
M: Não vejo essa dicotomia bom ou mal. Eu gosto do jeito que sou, não queria ser nada diferente.

I: O que mudou na sua vida após a descoberta?
M: Eu parei de tentar me adequar à vida neurotípica e com isso tenho me mantido no modo “azul” :) que é a Maira 0, sem coping.

I: Quer deixar um recado para quem sente dificuldade em se encaixar nos padrões tidos como “normais”?
M: Não existe normal. É a coisa mais clichê. Mas é a verdade.

Saiba a sua relação com animais presos em cativeiro para “show”

O que eu posso fazer para melhorar o mundo? Com esta pergunta prepotente, comecei a escrever este blog que vos fala. Hoje, cinco anos depois, continuo tocada pela mesma questão. Graças à dúvida – e ao Xis-xis – consegui fazer da minha profissão o meu modo de tentar melhorar a qualidade de vida das pessoas que vivem, ao menos, perto de mim. Seja tentando “desvendar” a ciência para leitores ou estimulando o restauro da Mata Atlântica. No campo pessoal, oferecendo um “bom dia” ao motorista do ônibus ou, humildemente, explicando para os amigos próximos que as cores avermelhada ou azulada das estrelas têm a ver com o comprimento de onda emitido por elas.

Blackfish

Apesar de acreditar na possibilidade de todas as pessoas da Terra poderem ter qualidade de vida (comida, saudáveis condições de moradia, educação, acesso à medicina, tempo para curtir os amigos e a família), sinto que esse dia ainda está longe. E essa distância parece aumentar enquanto espero ansiosamente pelo documentário Blackfish, ainda não sei quando será seu lançamento no Brasil ou em DVD. Ele usa como fio-condutor a história da orca Tilikum para abordar os “shows” com animais marinhos em cativeiro. Nem quando era criança e também sentia a vontade de tirar foto abraçada com um golfinho, me interessei por esse tipo de “show”. O motivo é simples: qual é a graça de ver um imponente animal selvagem “obedecendo” as ordens de um humano apenas para entretê-lo?

IMG_0400

Gratificante, mesmo, é topar com um animal desses vivendo com toda a sua natureza. Como quando vi os golfinhos caçarem tainhas surfando nas ondas da Praia de Pipa, no Rio Grande do Norte. Ou quando observei as baleia-francas saltarem sobre as águas, enquanto eu passava muito frio sobre uma rocha na cidade de Hermanus, na África do Sul (segundo pesquisadores, as baleias saltam, entre outros motivos, para se livrarem das cracas que habitam as manchas esbranquiçadas da pele). Ou quando vi seus filhotes balançarem as nadadeiras e o rabo livres, leves (eles nascem com cerca de quatro toneladas!) e soltos na reserva De Hoop, também no indescritível país africano. Ou quando ouvi a conversa dos golfinhos enquanto mergulhava com snorkel, em Fernando de Noronha (ouça no vídeo). Ou quando nadei com arraias e tartarugas aqui pertinho de São Paulo, em São Sebastião.

tubarao

Como vivemos no capitalismo, regido pelo dinheiro, ando a favor de usar o turismo de observação (evitando ao máximo a intervenção humana) para preservar as espécies. Ao menos, essa medida pode ajudar na educação ambiental e no respeito ao diferente, ao outro ser. Em Noronha, podemos nadar com os golfinhos desde que eles venham até nós. Na África do Sul, a população das baleias-francas está em crescimento. Lá os barcos com turistas estão proibidos de se aproximar, se não me engano, mais do que 50 metros perto delas. O motor deve ser desligado e há limite de minutos para ficar perto de uma. E não é que elas veem até a gente, nos encaram olhando nos nossos olhos e ficam próximas observando? <3

IMG_1201

Fazemos parte do meio ambiente e do mesmo planeta em que vivem os animais marinhos. A natureza deve ser curtida, sentida, respirada, vivida. Mas, jamais, degrada. Na África do Sul, os barcos com turistas mergulhando dentro de gaiolas para observar os tubarões-brancos me incomodaram. Vi o procedimento de outra embarcação: os guias jogam uma mistura de sangue de peixe na água e uma foca de mentira. Os curiosos tubarões-brancos, com mais de cinco metros de comprimento, chegam perto dos barcos e observam (inclusive nós, fora da água). Agindo como gatinhos que batem as garrinhas na bolinha de lã, eventualmente, os tubarões tentam abocanhar a foca de mentira. Assim, são guiados até baterem na gaiola cheia de turistas. A “brincadeira” com os instintos desses animais pode impactar o seu cotidiano, não?

hermanus

De acordo com alguns psicólogos (não achei as referências que tinha visto), um dos motivos pelos humanos criarem animais selvagens que, em alguns casos, nos “vejam” como alimento é pelo poder. O humano se sente poderoso, pensa que é igual em força ou beleza ao animal ou até superior ao bicho, já que este se “submete” ao humano. Agora, focando nos mamíferos marinhos. O documentário The Cove mostra que os golfinhos, por exemplo, são capturados do seu ambiente natural para serem exibidos em “shows” mundo afora – veja o premiado filme, que inclusive ganhou o Oscar, e tenha um ataque alérgico de nervosismo. Este texto em inglês (se não conseguir ler use o Google Tradutor), indicado para mim pela jornalista Juliana Arini, aponta que muitos animais são maltratados e sofrem por se separarem do grupo.

 IMG_4596

Como nós, os cetáceos de modo geral vivem em sociedade. Agora, vamos imaginar. Você morava com sua família e amigos. Um dia, enquanto estava com eles na rua, vieram estranhos armados e o levaram embora a força. Você, deprimido, foi colocado em um local onde deveria obedecer às ordens da equipe do sequestrador. Em troca, ganhava comida. Se exibisse suas habilidades para todos os estranhos que o iam ver, poderia continuar “vivendo sossegado”. Eventualmente, um turista chegava perto, dizia que te amava, que faria de tudo para te proteger. Esse amor não parece doentio? Mais um sentimento egoísta de sua parte do que amor?

pinguim

Eu já cometi erros enquanto turista. Mas, a cada dia, reflito sobre as consequências das minhas pequenas ações. Os animais devem, sim, serem estudados para conhecermos mais sobre eles. Devem ser contemplados para aprendermos a respeitá-los. Podem ser expostos em zoológicos e aquários, tudo adequadamente e o mais saudável possível para eles, para ser ensinada a educação ambiental – e até serem preservados e pesquisados. No fundo, cabe a nós pensarmos o entretenimento que queremos ter. Queremos ter entretenimento ou respeitar os outros seres que dividem o mesmo meio ambiente que nós para, juntos, vivermos em um mundo mais saudável? Nós compartilhamos o mesmo planeta, a nossa qualidade de vida depende da vida dos outros seres. E vice-versa.

Saúde: documentários grátis sobre alimentação

Ontem, postei aqui dicas de filmes sobre meio ambiente. Agora, compartilho dois documentários super interessantes sobre saúde, ou melhor (sendo mais específica), sobre alimentação. Se nós somos o que comemos, todos deveriam assistir aos filmes abaixo.

O documentário “Muito além do peso”, amplamente divulgado na mídia, foi patrocinado pelo Instituto Alana, uma ONG que atua a favor das crianças. Apesar de ser voltado à saúde infantil, as lições deixadas nele valem para as pessoas de qualquer idade. Com certeza, se você ver, notará que sabe menos sobre o que come do que imagina. É difícil não se surpreender com as informações divulgadas no vídeo. Imperdível. Veja na íntegra:

O “O veneno está na mesa”, outro documentário interessante sobre alimentação, eu vi na semana passada. Este é bem radical a favor dos alimentos orgânicos. Ele apresenta dados para mostrar que seria possível consumirmos produtos orgânicos a preços completamente acessíveis e mostra a quantidade intolerável de agrotóxicos que ingerimos diariamente. Está disponível no link:

Tenho procurado me alimentar de maneira mais saudável e mais consciente ecologicamente – quanto menos alimentos com produtos embalados eu consumo, menos lixo gero. Em um mês, meu marido (que entrou comigo no carrinho de supermercado seletivo) e eu emagrecemos sem regime apenas optando por mais frutas, verduras, legumes, alimentos pouco processados e pouco industrializados. Ah, tudo isso sem neurose – consumimos açúcar todos os dias e de vez em quando caímos em tentação. Pode ser efeito placebo ou piração, mas já sinto minha pele e meus cabelos mais hidratados.

Se você gostou da ideia de ter uma alimentação mais saudável, deixo outra dica. A jornalista e mestrando em nutrição Francine Lima escreve o blog “Uma equilibrista” apenas sobre alimentação. Olhe, foi lendo o blog dela, já há meses, que fiquei impressionada em saber como o assunto é mais extenso e intenso do que eu imaginava. Mas não se preocupe. Francine traduz de maneira fácil esse vasto universo e as pesquisas científicas ligadas a ele. Tudo isso com uma crítica na ponta da língua, quer dizer, dos dedos.

Devore os conteúdos acima e…

bon appétit!

Feliz Ano Novo com uma única meta!

Era comum fazer aquelas exploradas listas de metas para o Ano Novo. Para 2012, nada disso. Quero deixar uma única mensagem intuitiva que há anos um amigo me aconselhou: “Faça o que sonha. Seja quem quer ser”. Parece óbvio, simples, bobo, autoajuda. Mas pare para pensar.

Quantas vezes você realmente realizou o que queria? Quantas vezes deixou um sonho por inúmeros listáveis – e muitas vezes fúteis – motivos? Quantas vezes não usou meras desculpas para justificar essa falta consigo? Valeu a pena?Sempre, quando tenho uma grande dúvida sobre qual caminho seguir ou um sonho que parece inalcançável, paro: “Qual a minha verdadeira vontade?” Faça esse exercício e veja que será mais feliz e deixará os que estão a sua volta mais contentes. Sério. Sua realização poderá estimular amigos, parentes, colegas, vizinhos, conhecidos.

Graças a esse meu amigo hoje, por exemplo, entre tantas coisas, ando de bicicleta. Era uma antiga vontade. Vários motivos, entre eles o bairro em que eu morava completamente pensado para carros, desestimulava minha locomoção sobre duas rodas. Atualmente, me atrevo – como desejei observando as pessoas em Paris, Barcelona e Amsterdã – a usar a bicicleta como meio de locomoção.

Estou no começo, mas pedalando no caminho rumo ao que sempre sonhei.

Dois olhares sobre a ciclorrota

Tenho passado frequentemente pela ciclorrota da Zona Oeste de São Paulo usando o carro e a bicicleta. Acho divertido, confesso que fiquei toda emocionada ao pedalar sobre a marca de uma bicicleta feita pela Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) no asfalto logo na semana em que foi anunciada a nova ciclorrota de ligação entre os parques da Água Branca e do Villa-Lobos. Antigamente (há uns três anos), eram os ciclistas quem pintavam no chão as bicicletinhas como protesto por uma qualidade de vida melhor. Vamos chegar lá.

Enquanto o sonho não se realiza, tenho duas observações a fazer. A primeira é uma visão de quem está na bicicleta. Pedalei pela rua Turiaçu (foto), em Perdizes, pertinho do Parque da Água Branca. Como muitos carros estavam estacionados ao lado direito, o espaço na estreita rua era apertado para os veículos em circulação. Segundo a Lei de Trânsito, os carros devem manter um 1,5 metros de distância das bicicletas durante seu trajeto – incluindo a ultrapassagem.

Mas não foi o que aconteceu. Quando não havia carro vindo na outra mão, alguns motoristas até ultrapassaram por cima das duas faixas amarelas contínuas para dar vez aos ciclistas. Porém, a maioria não estava nem aí, tirava fininha de quem passava de bicicleta. Fique tensa. Ambas as ações estão em desacordo com o Código de Trânsito Brasileiro. Quer dizer, os motoristas infringiram a lei e arriscaram a vida dos ciclistas.
Já, quando dirigia meu carro pela região, algumas placas específicas chamavam a atenção conforme se aproximavam do veículo: “Ciclorrota na transversal”. A palavra transversal, que pode ser óbvia para você, deveria ser trocada. Nem todo mundo entende o seu significado, ou seja, um corte inclinado sobre uma linha reta – dê um Google para ver “imagens matemáticas” sobre a tal transversal. Não seria mais intuitivo colocar algo como: “Ciclorrota no cruzamento”?

Bom, se quer saber o que significa ciclorrota e a diferença que existe entre ela, a ciclovia e a ciclofaixa clique aqui. Aliás, saiba também que quase 10% dos brasileiros usam a bicicleta como meio de transporte. E boa pedalada!

Diminuindo o sal da comida

Vergonha alheia é bobagem. Como já disse por aqui, estou fazendo um curso diário chamado “Locução – Apresentação de Televisão”. A atividade de hoje era falar sobre saúde de improviso e entrevistar algumas pessoas dentro do Mercado da Lapa. Como neste blog também gosto de abordar o tema saúde, compartilho o vídeo com você. Só peço que não repare na pequena gafe: eu disse que coloco sal na salada, mas não! Queria contar que tempero a salada com limão. Porém, como o sal estava na minha cabeça… Bom, veja o mais recente vídeo post do Xis-xis:

 

 

Obs.: Claro que aproveitei o “passeio” para comprar sal marinho, que não encontro em qualquer lugar, e quitutes para beliscar como amêndoa defumada (não conhecia, é uma delícia).

Categorias

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM