Agora você pode fazer investimento de impacto!

Lá nos fins de 2017 eu escrevi sobre investimentos sustentáveis e como é complicado para quem quer ter investimentos mais éticos e sustentáveis encontrar investimentos assim. Pois bem, acho que isso deve ter sido alguma tendência mapeada por ai e eis que a Sitawi (organização que também citei no post de 2017) criou a Plataforma de Empréstimo Coletivo, lá você pode investir seu dinheiro em negócios que geram impacto positivo na sociedade.

via GIPHY

Conversando com a Andrea Resende, gerente de investimento de impacto da Sitawi, ela me contou que o surgimento da plataforma foi uma conjunção de fatores que ajudaram no processo. Desde o questionamento das pessoas sobre seu propósito no mundo (e ai podemos incluir o propósito dos investimentos) levando para uma preocupação em que tipo de investimentos o dinheiro está aplicado e a quem ele está servindo, passando por um crescimento e amadurecimento do mercado de investimentos de impacto que hoje tem mais de 500 bilhões de dólares no mundo todo, segundo a pesquisa do GIIN (Global Investing Impact Network).

E como funciona a Plataforma? Esse vídeo rapidinho te dá uma visão geral de como funciona:

O modelo de investimento da plataforma é baseado no P2P lending, um modelo de empréstimo sem necessariamente a interferência de um banco por meio de uma plataforma digital. Ou seja, esse formato de investimento não é apenas inovador por ser de impacto, mas também é possível por conta da revolução em curso das tão faladas fintechs.

Ok que para um investidor conservador o fato desse tipo de investimento não ser assegurado pelo FGC pode ser um problema, mas como bom investidor ninguém vai colocar todos os ovos numa cesta só, né? Eu já fico bem satisfeita em saber que uma parte do meu dinheiro pode ajudar negócios de impacto a crescerem, não apenas ajudam bancos a terem mais dinheiro e eu ainda posso ter rendimentos com isso.

Nessa primeira rodada de investimentos (a próxima deve sair em outubro) da Plataforma de Investimento Coletivo da Sitawi foram selecionadas 5 empresas. Quatro delas já atingiram sua meta de financiamento em um pouco mais de 1 mês de funcionamento da plataforma, mais de R$ 1 milhão já foram levantados.

Eu ainda não fiz investimentos na plataforma, como uma pessoa desempregada, sem renda, o pouco dinheiro que tenho estão nos investimentos tradicionais ainda, mas assim que tiver algum deles vencendo vou adorar investir em negócios que acredito e que tenham um propósito alinhado com o meu. Uma das coisas que eu achei bem legal na plataforma é que eles mostram com quais Objetivos do Desenvolvimento Sustentável o negócio a se investir está alinhado, com isso já dá pra fazer um bom critério de escolha.

Outra coisa legal é a vontade da Sitawi de democratizar o investimento de impacto até então, pelo menos aqui no Brasil, exclusividade de grandes investidores (que o mercado financeiro chama de investidores qualificados, mas você pode chamar de super ricos). Os investimentos na plataforma começam a partir de R$1000.

Isso que eu chamo de inovação social, minha gente.

Parece que escrever aqui no blog faz as coisas acontecerem (que pretensão a minha hahaha), ou será que eu ando fazendo uma análise de tendência sem saber?

Em 2017 clamei por um investimento de impacto acessível ao pequeno investidor e parece que ele aconteceu! No fim do ano passado fiz um protótipo de um programa de TV sobre meio ambiente e como reconectar as pessoas com a natureza, ai no mês passado a Globo lançou uma série sobre ativistas ambientais. Mas ainda estou esperando produtos de limpeza a granel, o Fairphone chegar no Brasil e ver as empresas realmente preocupadas com o ciclo completo de vida de seus produtos e embalagens. Ainda temos um longo caminho a seguir.

Aruanas

Obviamente que depois de falar de um programa de TV no Quênia eu iria falar da nova séria da Globoplay Aruanas.

Foto: Fabio Rocha/Globo

Foto: Fabio Rocha/Globo

Se você quiser um texto sem spoilers sugiro ler esse post do amigo Renato Guimarães que fala sobre a série e um pouco do contato que ele teve o programa enquanto trabalhava no Greenpeace. A série contou com parceria técnica da organização.

Aqui vai ter spoiler do primeiro episódio (que vi na estreia na TV Globo).

É uma série de ação, é um thriller, é denúncia (apesar de ser ficção), é muito bem produzida. E muito mais. Pra quem como eu se afastou das produções da globo por achar que são superficiais e subestimam a inteligência do espectador essa série me surpreendeu. Ok, também me afastei em geral da tv aberta por não conseguir ver tv com hora marcada, pra isso essa série está no Globoplay e pode ser vista a qualquer momento. De qualquer forma, estava curiosa pelo tom que seria dado num tema que pouco se vê na tv em geral.

Adorei o quão humanos são os personagens: a advogada fodona Veronica de caso com o marido da amiga, a jornalista Natalie colocando seu emprego em risco para falar de meio ambiente no seu programa de TV e tentando manter seu casamento, a ativista Luisa na Amazônia brigando com o ex-marido por conta do filho doente há kms de distância, o vilão dono de uma mineradora que cuida da neta deficiente e a estagiária jovenzinha que parece que fugiu de um relacionamento abusivo tentando lidar com isso pelo celular. Nem só de causas e propósito se vive o ativista, ele tem família, amigos, problemas pessoais como qualquer outra pessoa.

Só no primeiro episódio já tem cadáver no porta-malas do carro, traição, relacionamento abusivo, conflito familiar, ameaças… Achei bem pesado, sério e eletrizante. E não é meu tipo de entretenimento, não vejo suspense, não gosto de terror, já sou meio tensa por natureza e na hora de relaxar ver algo que me deixe mais tensa não é meu passatempo favorito. Acho que vou continuar assistindo a primeira temporada, mas se fosse uma sátira da vida de ativistas eu abraçaria bem mais fácil. Aliás, quantas séries norte-americanas já tivemos sobre a vida de médicos ou advogados? E dos mais variados gêneros, quem sabe não inauguramos um gênero temático: ativistas? Séries de comédias, drama ou ação de ativistas de diversas áreas pelo Brasil a fora? Seria lindo! Para os fanáticos por séries fica a pergunta, temos séries de ficção gringas sobre ativismo?

Achei que a produção de um programa falando de ativismo ambiental bastante ousado pela Globo, mas descobri que tem a co-produção (provavelmente dinheiro) da ativista herdeira do Itaú, a Maria Lucia Vilela. Com um peso desses por trás acho que fica mais fácil o tema entrar na programação da maior emissora de TV do país, né? Nunca pensei que falaria isso, mas ainda bem que a Maria Lucia Vilela existe e resolveu apoiar esse tipo de produção, quase consigo ter esperança no mundo.

E meu sonho de levar o tema meio ambiente, sustentabilidade, conservação para o entretenimento está se realizando!

Se você quiser saber mais sobre os bastidores da produção da série você encontra aqui, o vídeo conta alguns dos cuidados durante a produção e depoimentos dos diretores, criadores, figurinista e atores, gostei bastante.

P.S.: Fiquei triste que não recebi nenhum release do lançamento, ok Globo que e sou uma blogueira sazonal e os blogs estão em baixa, mas eu ainda tô aqui e adoro quando o tema é retratado para fora da bolha.

Kenyan Conservation TV Show

ww

A few years ago I saw a Brazilian anthropologist observed that at the beginning of the internet, one of the most exciting things was the possibility to have information about places we never thought, places we don´t have any kind of information. For him, for example, the possibility to read a newspaper from Nepal, pictures from Malawi or hear songs from Brunei was nice information that the Internet could bring to people. But, in his opinion, in the end, what we are doing with the Internet is to close ourselves in bubbles of similar people like us, people who think like us and not seeing and discovering the diverse and simple curiosities about the world we live. And I think he is quite right, how often do you see or look for news from different places outside of your city, your neighbor or your side of the globe? If it doesn´t become viral you only have access to the same sources of information from the same part of the world.

If you like conservation and people behind it, to help you to see something different from NatGeo documentaries or Netflix series I present to you Wildlife Warriors. This TV series from Kenya has Paula Kahumbu as host to show you people in this country who are fighting to preserve the wildlife. Paula Kahumbu is a Kenyan wildlife conservationist with a PhD at Princeton and since 2014 has spearheaded the hard-hitting Hands Off Our Elephants Campaign.

In this first season (I hope they will have more) you will see stories not only about the big five (elephants, rhinos, lions, buffalos, and leopards), but you will also see stories about turtles, wild dogs, snakes, grevy´s zebras and guinea fowls. Of course they have an episode on elephants and other on rhinos, but you will get to know more about the people in the field who are fighting and living to protect those animals and their habitat.

In this episode about Grevy´s zebras you can see how is a life of a research in the field and how technology is helping this unique species.

If you want to know more about the production, Paula Kahumbu wrote about here and here.

I´m Claudia, a Brazilian environment geologist writing about environment and sustainability since 2007 in my blog, after 12 years I decided to write something in English.

Corrente de whatsapp – sementes

Recebi pelo Whatsapp…

seed-bombs-2314498_1920

Imagem de congerdesign por Pixabay

Caros amigos,
Por favor, publique e me me ajude a encaminhar esta messagem para que ela seja divulgada, grata.
Em breve será a temporada de frutas como ameixas, pêssegos, quiabos, abóboras, melancias, cerejas, damascos, mangas, laranjas, mexericas, abacates, uvas etc etc.
Meu pedido para todos é evitar jogar as sementes no lixo, mas em lugar disso lavá-las, secá-las (ao sol) e armazená-las em um saco de papel (plástico não) e guardá-las no carro. Toda vez que você sair e for para um campo, ou enquanto estiver viajando por uma estrada, jogue essas sementes no terreno.
Com este ato simples podemos contribuir com uma árvore, uma rama … a cada temporada para o nosso mundo, e a nossa missão de tornar este mundo verde vai acontecer. O governo tailandês promoveu esta ideia a todos os seus cidadãos nos últimos anos.
Muitos de seus distritos  conduziram essa campanha com firmeza e teve muito sucesso.
O número de árvores frutíferas e leguminosas na natureza multiplicou-se, especialmente nos distritos do norte da Tailândia.
Os malaios se juntaram aos tailandeses nesta brilhante iniciativa de espalhar abundância na natureza, e desta forma simples mas eficaz, contribuíram para as futuras gerações. Façamos o mesmo

Achei bonitinha a ideia, qualquer coisa que leve as pessoas a terem algum contato com a natureza me entusiasma e por isso resolvi compartilhar com alguns conhecidos.

Duas amigas para quem repassei a mensagem levantaram a questão de que a maioria das espécies citadas na corrente são de árvores exóticas. Achei interessante pensar sobre isso, mas não tenho uma opinião formada. Como já disse só o fato das pessoas estarem engajadas em algo relacionado à natureza já é positivo para mim e por isso repassei a mensagem.

Mas resolvi procurar sobre essa história da Tailândia, se de fato é real. Procurando por “Thailand”, “seed” (semente), “tree planting” (plantação de ávores), “population” (população) e “government” (governo). Não veio nenhuma notícia como contada na corrente. As notícias que apareceram foram que a Tailândia usou bombas de sementes para reflorestamento, mas essas bombas foram jogadas por aviões. Bom, essas notícias não me pareceram lá muito confiáveis pois tinham dados bem vagos a respeito e todas eram de 2016. Diziam que a Tailândia estava fazendo nisso num projeto de 4 ou 5 anos (depende de onde você lê) desde 2013. Pois bem estamos em 2019 e não achei nenhuma notícia com resultados. Será que não deu muito certo? Ou seria só uma fake news inofensiva? O que você acha?

Atualizações

Olhando os último 5 anos desse blog eu nunca fiquei tanto tempo sem escrever aqui, foram quase 8 meses sem uma linha sequer e isso me enche de pesar, por mais que ninguém leia tenho a sensação que problemas ambientais não me indignam mais o suficiente (ou não tenho visto mais soluções legais) para vir aqui e compartilhar esses pensamentos.

Mas fato é que nesses 7 meses eu andei fazendo algumas coisas interessantes e a falta de notícias aqui só foi reflexo de preguiça mesmo pois meus olhos para o meio ambiente continuaram abertos e atentos.

Estive por 4 meses no Quênia fazendo parte de uma pós em Gerenciamento em Inovação Social pelo Instituto Amani como parte do programa fiz meu estágio na Internet of Elephants e não quando escrevi sobre eles eu não sabia que iria trabalhar lá. Foi uma experiência incrível, para mim se abriu um mundo novo. Não sei se por ter vivido a vida toda em São Paulo nunca tive a noção de como conservação é um mercado, pelo menos na África pude sentir isso, ok que lá muito relacionado ao turismo, mas existe muita movimentação em torno do assunto como um mercado e não apenas como uma causa, rolou até um congresso sobre o assunto em Ruanda. Além de desenvolver jogos a Internet of Elephants também deseja ajudar a ampliar mais esse mercado.

Bonds of Nature

Também por conta do curso eu tive que desenvolver um projeto de inovação social. E obviamente que ele girou em torno de meio ambiente e conservação. Eu e mais um colega queniano projetamos um reality show de famílias na natureza, a ideia principal é mostrar a natureza como uma opção para você ter um tempo com quem você ama e de como ela pode ajudar no fortalecimento das relações. O nome do projeto era Bonds of Nature, algo como Laços de Natureza. Fizemos um protótipo do programa, está em inglês, você pode ver abaixo.

Alguma opinião, dúvida, inquietação sobre o protótipo? Deixe seu comentário! Vou adorar saber.

A frustração do descarte

Eu não tenho outra definição para o meu sentimento no momento: frustração, impotência, indignação.

Smartphones-reciclagem-720x432

Pra uma pessoa que está aqui há 11 anos falando de meio ambiente, sustentabilidade, lixo, novas formas de economia e etc isso é um tapa na cara. Mas a única coisa que eu posso fazer é manifestar esse sentimento, né? Pois bem, aqui está:

Isso sem contar os R$200 q terei q desembolsar tb por conta do tampo traseiro trincado. É justo um produto tão caro durar tão pouco? E simplesmente a manutenção não valer a pena?

Eu como ativista de meio ambiente, preocupada c/ os resíduos gerados nesse planeta pensei q o investimento tão alto num aparelho top de linha seria uma solução inteligente p/ gerar menos resíduos, mas vejo q não, essa lógica não funciona p/ o produto de vcs.

Ou talvez eu seja uma estúpida mesmo em querer comprar um produto de luxo e não querer bancar um novo a cada estação. Agora como deve agir uma pessoa preocupada c/ o impacto q deixa no planeta?

Desembolsar um valor maior do mesmo produto novo p/ evitar que mais resíduos sejam gerados ou simplesmente ignorar essa preocupação e comprar um produto novo?

E não, não me venha c/ o papo de descarte ecologicamente correto pois isso é balela. É a lógica do descarte aqui q estou tentando combater, a ideia de q se é reciclável ou vai ser reciclado tudo bem consumir mais.

É muito mais do que apenas mandar o produto p/ um destino melhor q o lixão. É sobre ser responsável pelo q se consome e como se consome.

Mas o meu caso deve ser um número irrelevante p/ vc, né Afinal, qtos dos produtos de vcs dão problema como o meu depois de 1 ano e meio de uso? Quantas pessoas se dão ao trabalho de reclamar? Ficarei aqui c/ a minha frustação e indignação.

Obrigada, por não ser uma empresa melhor para o mundo. Só mais uma como tantas outras.

A China e o meio ambiente

Foto: Clay Gilliland (CC BY-SA 2.0)

Foto: Clay Gilliland (CC BY-SA 2.0)

Em 2007, ano de início desse blog, escrevi um post falando sobre a China e um pouco da realidade ambiental daquele país, usando como referência histórias de conhecidos e notícias da imprensa. Passados exatos 11 anos, o que mudou? Olha, pode ser um longo tempo, mas fico contente que a China tem olhado para o meio ambiente com um pouco mais de preocupação, toda semana recebo pela imprensa alguma notícia, de certa forma, empolgante sobre o assunto.

Semana passada Ronaldo Lemos me trouxe a informação que a poluição está na agenda da ciência para ser nada mais nada menos que eliminada e que “o próximo ciclo de desenvolvimento chinês prevê a transformação do país em uma economia verde.” Pra quem há 11 anos leu que durante uma semana inteira a poluição impedia que os habitantes de Pequim não vissem o céu por conta da espessa camada de poluição isso é um avanço considerável.

Hoje (atrasada diga-se de passagem) li que a China investiu entre 1999-2013 algo em torno de R$60 bilhões em projetos de reflorestamento e que eles tem apresentado resultados positivos.

O anúncio do país ano passado em investir US$360 bilhões em energia renovável até 2020 tem me deixado otimista quanto aos rumos que a China tem dado na sua preocupação ambiental. Parece mesmo que o meio ambiente é uma assunto que está na pauta para eles. E se eles são um dos poucos exemplos de tecnocracia no mundo, se não o único, não é preciso ser nenhum gênio para entender essa mudança de direção.

Mas como uma pessimista inveterada não posso deixar de ver como o ser humano ainda tem muito a melhorar e repito de certa forma aqui parte do meu discurso quando escrevi o texto aqui no blog em 2007. A China pode estar no caminho de acertar o rumo, mas precisava perceber isso depois do estrago feito? Parece que a humanidade tem um certo apreço por repetir erros, né? Ou simplesmente ignora os erros e só depois que o estrago tá feito é que se dá conta. Bom, pelo menos a China está tentando acertar a direção. E o que podemos dizer do Brasil? Essa reportagem nos dá uma pequena amostra de como as florestas brasileiras tem sido tratadas, por onde a preferência por combustível fóssil tem nos levado entre tantos outros exemplos e não tem me parecido um acerto de rumo na melhor direção, tanto para os brasileiros, como para a humanidade como um todo.

É, China, antes tarde do que nunca…

Jogo para salvar animais em extinção?

Sabe aquela ideia que você fala por que eu não pensei nisso antes? Quando descobri esse aplicativo foi o que eu pensei. Mas ao mesmo tempo também pensei: ainda bem que tem gente mais criativa que eu no mundo! hehehe

A Internet of Elephants resolveu juntar jogo, realidade aumentada, educação ambiental e conservação de animais e criou um jogo para celular chamado Safari Central, ainda em sua fase inicial, mas que tem uma ideia muito boa que é trazer animais selvagens para o dia-a-dia das pessoas e estimulá-las a fazer micro doações dentro do jogo para projetos que protejam a onça pintada no Brasil, elefantes ou rinocerontes no Quênia, lêmures no Madagascar, pangolins no deserto do Kalahari e uma ursa-cinzenta nos EUA.

Essa versão inicial apenas te dá a opção de 5 fotos com o animal a sua escolha. Se você quiser mais fotos é só fazer uma doação para a organização responsável pela preservação desses animais que você poderá fazer mais fotos. No Brasil você ajuda a WWF e o Instituto Pró-Carnívoros com a Onça Atiaia.

Veja aqui uma amostra do que o app já faz:

Ano passado com o lançamento dessa prévia eles fizeram um concurso de fotografias cujo prêmio era um safari para África do Sul pelo deserto do Kalahari.

Mas a ideia mesmo é entregar um jogo até o fim de 2018, o que eles já chamam de Pokémon Go Ecológico e usa dados dos animais reais para reproduzir o comportamento e características deles.

A indústria dos games no mundo gerou em 2017 US$108,9 bilhões, no Brasil foram US$1,3 bilhões, imagina uma pequena parte desse dinheiro indo para projetos de conservação de animais com perigo de desaparecer na Terra?

Além disso a ideia do jogo é também criar mais envolvimento das pessoas com relação à vida selvagem, pelo menos é o que o fundador da Internet of Elephants pretende. Esse ano a empresa foi listada pela Fast Company como uma das empresas mais inovadoras.

Acho lindo quando encontro coisas que gosto juntas, nesse caso conservação ambiental e tecnologia.

Eu já fiz minha fotinho com a Lola, a rinoceronte órfã que vive no Quênia. 😉

Lola e a Claudia fazendo selfie.

Lola e a Claudia fazendo uma selfie.

A culpa é sua

mundo saco

Saiu um estudo na Science of The Total Environment que mostra dados de monitoramento de lixo no assoalho oceânico dos mares do noroeste da Europa (mais precisamente mares em torno do Reino Unido). Esse estudo mostra dados do período de 1992-2017 com redes espalhadas pelos mares que coletam o lixo. Confesso que não li o artigo original inteiro, mas na reportagem que fala desse estudo no The Guardian eles apontam que há uma queda no número de sacolas plásticas encontradas nessas redes de monitoramento. A reportagem fala em aproximadamente 30% de queda a partir de 2010 em áreas próximas da Noruega e Alemanha até a nordeste da França e oeste da Irlanda.

Desde 2003 países como Irlanda e Dinamarca tem cobrado taxas sobre as sacolas plásticas. Será apenas coincidência que o número de sacolas plásticas no mar diminuiu desde então? Ou o fato de cobrar taxas sobre as sacolas fez com que as pessoas as usassem com mais parcimônia e consequentemente menos dessas sacolas foram parar nos mares? Eu não acho que isso é apenas coincidência e o próprio autor do paper, Thomas Maes, diz na reportagem: “Quanto menos sacolas usamos, menos nós descartamos, menos nós as colocamos no ambiente”.

Esse tipo de política funciona tanto que o governo do Reino Unido vem estudando a possibilidade de que essa taxa seja aplicada também às garrafas e latas.

Eu não faria um post só para contar isso, mas por conta de uma resposta de um twitt meu a essa reportagem eu tive que vir aqui e escrever, na verdade é quase que uma continuidade do meu último post quando achava covardia das empresas colocar no cidadão comum a responsabilidade de serem melhores.

Ai eu recebo isso de resposta:

Esse perfil que me respondeu não apenas empurra para o cidadão a responsabilidade de reciclar um produto como sem nenhum pudor estimula e incentiva o uso sem qualquer problema.

Então tá, a culpa é da população que não sabe reciclar. E você acha que estimular o consumo é que vai ensiná-las a cuidar do seu lixo, né?

Tá bom, indústria do plástico, por favor seja melhor do que empurrar a responsabilidade de reciclar o lixo para o consumidor. Ensinar as pessoas das 1001 utilidades do plástico (que é o que vocês propõem no perfil de vocês) é meio que chover no molhado, todo mundo já sabe das benesses e utilidades do plástico, isso num tem nada de novidade para ninguém. Isso também não colabora em nada com o problema do mal descarte do plástico.

Me conta, produtores de plástico, de todo plástico que vocês já produziram na vida, qual a porcentagem dele de fato foi reciclado? Já que a grande (e parece que única) solução que vocês apontam é o descarte correto dos resíduos. Tá vou ser legal, não precisa ser de todo o plástico já produzido na vida, pode ser a taxa de reciclagem dos últimos 5 anos.

Se o cidadão mora numa cidade que não tem reciclagem do lixo como ele faz? (realidade de 69.6% das cidades brasileiras) Você vai lá buscar as sacolinhas infinitas que ele pegou no supermercado para reciclá-las para ele? Ah, claro que não, afinal o cidadão que tem que ter conscientização. Então, caro cidadão a minha dica é: se a sua cidade não tem coleta seletiva de lixo, use menos sacolas plásticas, ok? O ambiente agradece e as tartarugas mandam um beijo!

tataruga

Se todas as sacolas produzidas por vocês de fato virassem sacos de lixo e fossem para aterros sanitários, por que será que ainda tem tanta sacola plástica encontrada no estômago de tartaruga ou nas redes de monitoramento dos pesquisadores?

Cara indústria do plástico, não é continuando com os mesmos hábitos de consumo que vamos conseguir diminuir a poluição de plástico ou qualquer problema ambiental que temos. Conscientizar as pessoas sobre descarte do lixo é parte da solução, mas diminuir o consumo também é, uma coisa não elimina a outra. Aliás a diminuição do consumo resolve muitos problemas além da poluição dos mares, pode ter certeza.

Pelo visto o interesse de vocês não é ser uma indústria correta, preservar o meio ambiente ou conscientizar as pessoas a darem um destino correto para seus resíduos. O objetivo de vocês é que as pessoas continuem a usar sacolas plásticas sem nenhum pensamento crítico sobre o assunto, como foi durante muito tempo. Mas o meu consolo é que se o mundo está um lugar mais poluído, com menor biodiversidade e sujo, esse mundo não será usufruído só por mim, mas por vocês e seus descendentes também e saibam que vocês foram os grandes colaboradores dessa sujeira toda.

Empresas, melhorem

poder

Outro dia fui num evento da GV-CES chamado: “Análise econômico-financeira em projetos de sustentabilidade”, o objetivo do evento era apresentar 2 estudos de caso em que análises econômico-financeiras foram incorporadas em projetos de sustentabilidade.

Confesso que fiquei frustrada. Se isso tivesse sido apresentado há 10 anos eu teria ficado bastante empolgada, mas usar ferramentas de um sistema falho e cheio de problemas para mensurar algo como serviços ecossistêmicos só me mostra a perpetuação do erro, mas ok se é o que convence esse povo eu posso até engolir, mas por que demoraram tanto para isso? Ou será que resolveram mostrar só agora para as pessoas que sustentabilidade pode ser mensurada em valores econômicos?

Mas além dessa frustração teve outra coisa que me irritou um pouco. Acabei fazendo o comentário lá que considerar o uso de análises econômico-financeiras para projetos de sustentabilidade algo inovador é um tanto atrasado na minha opinião, afinal o planeta, os serviços ecossistêmicos prestados por ele e etc, serem considerados apenas recentemente como peça fundamental na estratégia de uma empresa é algo que deixa muito a desejar e que acaba gerando uma angustia em mim, pois eu sempre espero mais das empresas. Sem contar do que levantei ali em cima, usar como solução parte do problema não vai trazer resultados muito diferentes ou inovadores.

Ouvir como resposta desse comentário de que vivemos num sistema complexo e que as coisas não acontecem na velocidade que gostaríamos é algo que aceito, mas usar o argumento de que a pressão para que isso mude tem que vir do consumidor é algo que me dá certa tristeza e acho uma covardia sem tamanho. É quase que colocar a responsabilidade das empresas de serem corretas no colo das pessoas comuns. Se o consumidor fosse de fato ouvido ou levado em consideração não existiria montadora burlando os sistemas de controle de emissão de poluição de carros nos testes de emissões, não teríamos comida sem nenhum valor nutricional sendo vendida ou sequer existiria a obsolescência programada. A pressão social pode até ter sua importância, mas acredito que apenas em alguns casos pontuais, a força da pressão social é muito superestimada quando o assunto é o poder das grandes empresas. Esse papo de que os consumidores, a sociedade, os cidadãos, etc, devem se mobilizar e fazer pressão soa para mim só uma desculpa para justificar a inércia das empresas.

Sobre ScienceBlogs Brasil | Anuncie com ScienceBlogs Brasil | Política de Privacidade | Termos e Condições | Contato


ScienceBlogs por Seed Media Group. Group. ©2006-2011 Seed Media Group LLC. Todos direitos garantidos.


Páginas da Seed Media Group Seed Media Group | ScienceBlogs | SEEDMAGAZINE.COM