>

Não é de hoje que os fumantes sofrem (e são incompreendidos), sendo levados a restrições de ordem social, como acender seu cigarrinho e relaxar apenas em áreas privadas ou em zonas para fumantes. Preocupado com essa “segregação” dos fumantes, o californiano Walter C. Netschert resolveu fazer algo para resolver o problema.

Já que largar o vício (que vício?) nem sempre é uma ideia agradável, Mr. Netschert criou um meio para acabar com o isolamento de quem fuma. Assim, em 25 de maio de 1988, ele entrou com pedido de patente para um “Chapéu para Fumantes”, descrito como
 

Um sistema de chapéu portátil que permite o fumo de produtos à base de tabaco sem afetar o ambiente e que inclui um chapéu para cobrir a cabeça do fumante, um ventilador integral para sugar o fluxo de ar ambiente (contaminado e não-contaminado) que passa pela face do fumante para o interior do cahpéu, um sistema de filtração, deionização e purificação para remoção dos produtos de combustão, como odores de fumaça e íons positivos do ar sugado do ambiente e um sistema de exaustão para expelir do chapéu o ar filtrado, deionizado e, opcionalmente, aromatizado.

Em resumo, Mr. Netschert criou um chapéu-trambolho (que mais parece uma cafeteira elétrica) para transformar a fumaça de cigarro em uma brisa de ar fresco — se necessário, pode até sair perfumado! Tão prático quanto colocar na cabeça um exaustor de fumaça, daqueles que se usavam sobre os fogões ou chapas! 
Segundo a patente — de número 4.858.627, emitida em 22 de agosto de 1989 —, o invento surgiu porque “enquanto o consumo de produtos de tabaco, como cigarros, tem sido bastante popular ao longo dos anos, um crescente número de não-fumantes consideram o aroma da fumaça do cigarro e a cinza produzida em consequência do fumo bastante inaceitáveis.”

Porém, o que deve ter parecido inaceitável para Mr. Netschert foi quando empresas e até o governo passaram a regulamentar o fumo, “limitando severamente o uso de produtos de tabaco e, em muitos casos, afetando diretamente os hábitos de trabalho, a eficiência e a potencial promoção e/ou contratação” dos “desafortunados fumantes típicos”. Parece que há alguma frustração de um fumante desempregado por trás do invento.

“Por causa das crescentes mudanças sociais de nossa sociedade”, prossegue o texto, quase em tom de manifesto tabagista-conservador, “há uma necessidade para um equipamento que coloque o fumante e o não-fumante em pé de igualdade. A presente invenção cumpre esse papel. Um sistema portátil em um chapéu é apresentado aqui para permitir o fumo de produtos de tabaco sem incomodar ou ameaçar os vizinhos não-fumantes.”

Interessante notar como o tempo todo a patente fala claramente que se destina aos usuários de cigarros de fumo ou tabaco, devidamente legalizados, não havendo nenhuma palavra sobre certo tipo de cigarro ilícito (ou defesa da socialização de seus usuários)…

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...