TabbyStar.jpg

Observações resultantes de um mutirão que mobilizou centenas de cientistas e milhares de doadores indicam que a “Estrela de Tabby” não é assim tão misteriosa

Há cerca de dois anos, KIC 8462852, uma estrela até então desconhecida fora da comunidade astronômica, causou uma tempestade midiática quando surgiram especulações (inclusive acadêmicas) de que seu comportamento incomum seria fruto da intervenção de uma civilização alienígena extremamente avançada, capaz de construir uma mega-estrutura ao redor dela.  Na época, explicamos as várias teorias por trás do fenômeno e concluímos que era cedo para se chegar a uma conclusão mas novas observações iriam “permitir futuras análises e, quem sabe, mais reviravoltas.”

Descoberta por astrônomos amadores que caçavam planetas nos arquivos do telescópio espacial Kepler em 2009, KIC 8462852 não revelou nenhum mundo ao seu redor mas seu comportamento esquisito — com grandes e imprevisíveis flutuações de luminosidade — chamou a atenção dos cientistas nos anos seguintes. A principal responsável pelo estudo deste astro é a astrônoma Tabetha “Tabby” Boyajin, da Universidade Estadual de Lousiana (EUA). Por isso, essa estrela, situada a uns 1000 anos-luz de distância,  cerca de 50% maior e 1000 graus mais quente que o Sol, acabou apelidada de “Estrela de Tabby”.

A tempestade midiática em torno da Estrela de Tabby passou tão rápido quanto surgiu. Mesmo assim, ela continuou a ser alvo de estudos e observações de astrônomos profissionais e amadores. Mais de 1700 fãs de astronomia queriam tanto entender essa estrela que levantaram mais de 100 mil dólares numa campanha de crowdfunding — recurso que seria usado para custear mais observações através de uma rede de telescópios ao redor do mundo.

O resultado desse esforço coletivo para pesquisar uma única estrela apareceu recentemente num paper publicado em pré-print assinado por 200 cientistas, a começar pela própria Tabby Boyajian. Entre os colaboradores está o responsável pela especulação sobre a mega-estrutura alienígena: o prof. Jason Wright, da Universidade Estadual da Pensilvânia. O artigo será oficialmente publicado na edição de abril do Astrophysical Journal Letters.

As novas observações, feitas no Observatório Las Cumbres entre março de 2016 e dezembro de 2017, buscavam identificar o momento exato de um fenômeno de apagamento parcial da estrela. Não foi visto nada demais em KIC 8462852 nos primeiros meses de pesquisa. Então, a partir de maio do ano passado, ocorreram quatro episódios de quedas de luminosidade. Enquanto os cientistas tentavam entender esses fenômenos, os doadores do crowdfunding tiveram a oportunidade de dar nomes a eles: os dois primeiros apagões foram chamados Elsie e Celeste. Os dois últimos foram batizados com nomes de cidades perdidas célebres: Scara Brae (Escócia) e Angkor (Camboja).

Ficou comprovado que a Estrela de Tabby realmente se acendia e se apagava de vez em quando. Não era uma falha dos instrumentos do telescópio espacial Kepler, como se chegou a pensar. Mas tampouco o fenômeno se deve a uma mega-estrutura alienígena como uma Esfera de Dyson ao redor do astro incomum. O que Boyajian e seus centenas de colegas perceberam era que as sombras vindas de KIC 8462852 não eram causadas por um (ou mais) corpo(s) opaco(s). Em vez disso a fonte dos apagões parecia ser difusa, pois causava quedas de luminosidade em algumas frequências luminosas, mas não em outras.

“A poeira é a causa mais provável para o porquê a luz da estrela parece se acender e se apagar”, explicou Boyajian em comunicado ao Phys.org. “Os novos dados indicam que diferentes cores são bloqueadas com diferentes intensidades. Portanto, o que quer que esteja passando entre nós e a estrela não é opaco, como seria de se esperar de um planeta ou uma mega-estrutura alienígena.”

Essa conclusão se coaduna com a hipótese mais simples possível para explicar o mistério de KIC 8462852: a de que a estrela estaria cercada por uma densa nuvem de exocometas. Grande o bastante porém formada por um enxame de corpos pequenos demais para ser detectados, tal nuvem seria capaz de tapar parcialmente nossa visão da estrela. A hipótese cometária, aliás, foi uma das primeiras a surgir e havia sido proposta pela própria equipe original de Boyajian.

Embora a ideia de uma mega-estrutura alienígena tenha sido descartada por essa série de observações — o prof. Wright jogou a toalha e desistiu de sua teoria meio mirabolante —, ainda há uma outra teoria compatível com os resultados: as mudanças de luminosidade seriam causadas não por um fator externo mas por algo interno à própria estrela (mas não se sabe o quê, exatamente). É possível, portanto, que esse não seja o fim da saga para entender a Estrela de Tabby e novas reviravoltas podem surgir futuramente.

Referência

rb2_large_gray25BOYAJIAN, Tabetha S. et. al [e bota et. al. nisso]. The First Post-Kepler Brightness Dips of KIC 8462852 [As primeiras quedas de brilho de KIC 8462852 pós-Kepler]. arXiv:1801.00732 [astro-ph.SR]

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...