ITIMALIA em laboratório: Eddie, um dos voluntários deste estudo junto com seus brinquedos num aparelho de ressonância magnética. [Imagem: Gregory Berns/Emory University]

ITI MALIA em laboratório: Eddie, um dos voluntários deste estudo catioro-línguístico junto com seus brinquedos num aparelho de ressonância magnética. [Imagem: Gregory Berns/Emory University]

Quando falamos como os catioros, eles parecem entender o que queremos dizer. Mas será que entendem mesmo?

O cão é o melhor amigo do homem há milênios e, embora não tenha aprendido a falar, nosso companheiro quadrúpede aprendeu a se comunicar conosco. Dos imperativos como “senta!” e “pega!” aos afetuosos “quem é um bom garoto, hein?” e “ITI MALIA“, eles parecem ser capazes de reconhecer nossas palavras e entender o que queremos dizer. Mas como um cão reconhece nossa fala?

O ideal seria perguntar aos próprios cães, mas caninos falantes só existem em filmes e desenhos animados. Os donos falam, mas não têm muita objetividade — é óbvio que vão dizer que seus bichos de estimação são mais inteligentes do que parecem. Assim, o neurocientista e psicólogo Gregory Berns fez algo parecido com o que faria com seres humanos e botou os catioros em aparelhos de ressonância magnética funcional (fMRI, na sigla em inglês) para entender o que se passa na cabecinha peluda deles.

Professor na Emory University (Atlanta, Georgia, EUA), Berns é fundador do Dog Project, um programa de pesquisa dedicado a responder às questões evolucionárias que cercam o melhor amigo do homem. Berns e seus colegas foram os primeiros a conseguir treinar os cães para entrar num aparelho de fMRI e ficar parado durante o exame, sem precisar de amarras ou sedação. Graças a isso, o Dog Project já conseguiu realizar pesquisas que aprofundaram nosso entendimento das respostas neurais dos cães em situações como a expectativa por recompensa, o reconhecimento de rostos humanos e o processamento de odores caninos e humanos. Pesquisar a resposta dos cachorros à nossa fala foi, portanto, um passo natural para Berns.

“Nós sabemos que os cães têm a capacidade de processar pelo menos alguns aspectos da linguagem humana, já que eles podem aprender a seguir comandos verbais”, esclarece Berns em comunicado ao MedicalXpress. Embora pesquisas anteriores de outros cientistas tenham revelado que os cachorros seguem outros indícios — como o olhar, os gestos e até a expressão facial da pessoa — para compreender os comandos verbais, ninguém sabia se e como eles são capazes de distinguir as palavras.

Para esse estudo, feito por Berns e sua orientanda de doutorado, Ashley Prichard, foi necessária a colaboração de 12 animais e seus respectivos donos. Durante meses, os proprietários apresentaram aos cães um par de objetos distintos e seus nomes. Os objetos de cada par tinham texturas diferentes — podia ser um bichinho de pelúcia e um brinquedo emborrachado, por exemplo. O treinamento consistiu em mandar os cachorros pegar um dos dois objetos e recompensá-los como comidinhas ou elogios.

Depois do treinamento, o doguinho era colocado num aparelho de ressonância magnética enquanto o dono ficava do lado de fora, diante do animal. O humano falava o nome de um brinquedinho em intervalos marcados e depois mostrava o respectivo objeto ao cão. Se isso parece muito abstrato, vamos a um exemplo concreto.

Eddie é um adorável mestiço de labrador com golden retriever e foi treinado para reconhecer os brinquedos chamados de “Piggy” (um porquinho de borracha) e “Monkey” (um macaquinho de pelúcia). Dentro da máquina de fMRI, Eddie tinha que pegar o brinquedo certo quando seu dono pedia. Ao mesmo tempo, o humano de Eddie lhe apresentava objetos desconhecidos —como um chapéu ou uma boneca — junto a palavras inventadas — como “bobbu” ou “bodmick”.

Recém-publicados na Frontiers in Neuroscience, os resultados revelaram algumas surpresas. “O que foi surpreendente” — explica Prichard — “é que o resultado foi oposto ao das pesquisas com humanos: as pessoas normalmente mostram mais ativação neural para palavras conhecidas do que desconhecidas.” Para os pesquisadores, isso é um indício de que os cachorros estão se esforçando para entender seus donos. Quando ouvem uma nova palavra, eles sabem que seus humanos querem dizer alguma coisa e tentam entender o que é.

Do ponto de vista puramente neurológico, porém, os exames foram inconclusivos. Diante de novas palavras, metade dos cães da amostra apresentaram ativação no córtex parietotemporal, uma área que seria análoga ao nosso giro angular, onde processamos as diferenças lexicais. A outra metade dos caninos ficou mais ativa em diferentes zonas cerebrais, como o córtex temporal esquerdo, a amígdala, o núcleo caudato e o tálamo. Isso pode se dever ao escopo da amostra selecionada, formada por uma grande variedade de raças e tamanhos. Os pesquisadores reconhecem que é difícil mapear os processos cognitivos dos caninos por causa dos cérebros de diferentes tamanhos e formas.

Para Berns, os cães têm “uma capacidade e motivação variável para aprender e entender palavras humanas. Mas eles parecem ter uma representação neural do sentido das palavras a que foram apresentados”. Essa noção de sentido seria muito rudimentar mas ainda estaria um nível acima de uma resposta puramente pavloviana. Mesmo que não entendam perfeitamente o significado de nossas palavras, os cães se esforçam para interpretá-las e reagir de acordo.

Portanto, embora eles possam aprender alguma coisa com o que falamos, o ideal é que nossas palavras sejam acompanhadas de dicas como gestos e mudanças de expressão facial ou tom de voz. Isso explica como eles entendem facilmente o nosso ITI MALIA de cada dia.

Referência

rb2_large_gray25Ashley Prichard et al. Awake fMRI Reveals Brain Regions for Novel Word Detection in Dogs [fMRI em vigília revela regiões cerebrais para detecção de novas palavras em cachorros]. Frontiers in Neuroscience (2018). DOI: 10.3389/fnins.2018.00737

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...