Farol e Forte de Santo Antônio da Barra (c. 1860)

Farol e Forte de Santo Antônio da Barra (c. 1860)

Engenheiro ferroviário britânico e caçador de ouro na Austrália, fez importantes registros fotográficos na Bahia e teve uma morte prematura e melancólica.

Algumas pessoas são naturalmente irriquietas e parece que não conseguem sossegar por muito tempo. Uma dessas pessoas foi Benjamin Robert Mulock. Filho de um pastor de origem irlandesa que abandonaria a família, Ben nasceu em Newcastle no dia 18 de junho de 1829. Aos 19 anos, matriculou-se em cursos de Latim, Matemática e Filosofia Natural na University College em Londres, com o objetivo de formar-se em Engenharia Civil. Dois anos mais tarde, largou os estudos ao receber 400 libras de herança da mãe e emigrou para a Austrália, onde juntou-se à corrida do ouro. Lá, a única coisa que encontrou foi uma doença nos olhos, que obrigou-o a voltar para a Europa em 1854.

Basílica de Salvador (c. 1859)

Basílica de Salvador (c. 1859)

Depois de ser tratado na Alemanha e na Suíça, voltou à Inglaterra em 1855 e juntou-se ao Corpo de Engenheiros do Exército. Após o treinamento militar, serviu por alguns meses na Guerra da Crimeia (1856). Ao retornar estabeleceu-se em Liverpool, onde atuou como engenheiro de obras públicas. A essa altura, ele parece ter se desencantado com seu emprego e aprendeu a fotografar sozinho. No fim de 1858, passa a atuar como fotógrafo num estúdio de Londres mas esse trabalho não duraria muito. No ano seguinte, Mulock foi contratado pelo empreiteiro John Watson para fotografar o progresso da construção de uma ferrovia — era a Bahia and São Francisco Railway (BSFR), no distante Brasil.

Ladeira de São Bento (c. 1860)

Ladeira de São Bento (c. 1860)

Provavelmente cansado da vida no estúdio londrino, Mulock topou na hora e chegou ao Brasil em 1°. de novembro de 1859. Suas primeiras impressões de Salvador revelam um olhar mais de artista do que de engenheiro: “Nunca vi um lugar que tenha me agradado tanto à primeira vista. [A cidade] espraia-se ao redor da Baía em forma de crescente — o litoral é alto e as casas sobem umas em cima das outras. Exceto no centro da cidade, [essas casas] são intercaladas por pés de banana e cacau sempre verdes.” Entusiasmado, Ben começou a trabalhar imediatamente, partindo da estação ferroviária da Calçada, ainda em construção, rumo à ferrovia que avançava pelo interior.

Estação da Calçada em construção (c. 1860)

Estação da Calçada em construção (c. 1860)

A Bahia parece ter feito bem a Mulock, que passaria alguns anos ocupado e aparentemente contente fotografando tanto a ferrovia quanto a capital baiana. No começo, ele trabalhava com chapas de vidro úmidas, o que o levou a desenvolver uma barraca de revelação portátil. Em suas andanças, era acompanhado por uma mula que carregava suas chapas, seus produtos químicos e a máquina fotográfica. Em certa ocasião, nessas circunstâncias, ele teria feito 150 fotos — e apenas uma chapa se quebrou durante o transporte com a mula.

Vila de Santana do Catu (1860). Mulock foi o primeiro a fotografar as pequenas comunidades do interior baiano.

Vila de Santana do Catu (1860). Mulock foi o primeiro a fotografar as pequenas comunidades do interior baiano.

Mais tarde, já no começo dos anos 1860, Ben começou a fotografar usando o processo a seco, o que lhe facilitou muito o trabalho. Talvez as coisas tenham ficado fáceis até demais. Seu contrato previa uma estadia de três anos na Bahia, mas ele voltou à Grã-Bretanha seis meses antes disso por sentir que já não tinha muito o que fazer. Mulock tirou centenas de fotografias, a maioria das quais eram enviadas quinzenalmente por correio para a empreiteira inglesa responsável pela construção da ferrovia.

Side View of Part of Permanent Bridge over River Joannes - Bahia [e] S. Francisco Rway

Vista lateral de uma ponte na região de Camaçari, Bahia. (c. 1860)

A BSFR, a companhia ferroviária, reuniu suas fotos num álbum que foi dado como presente a D. Pedro II em julho de 1861. Hoje, esse álbum faz parte das coleções Brasiliana Fotográfica, da Biblioteca Nacional do Rio (imagens ferroviárias) e do Instituto Moreira Salles (fotografias urbanas). A Biblioteca Nacional também fez um perfil biográfico bastante detalhado de Mulock, que vale a pena ler.

Mulock-Locomotiva

Além do tédio que surgiu quando o trabalho se tornou mais fácil, Mulock também deve ter saído do país por motivos de saúde. Pouco antes de ir embora, ele caiu doente com “febre intermitente” (provavelmente malária). Ao chegar na Inglaterra em meados de 1862, ele reclamava de problemas no fígado. Apesar disso, estabeleceu-se em Swansea, no País de Gales, onde trabalhou como engenheiro e agrimensor para John Watson, proprietário da empreiteira que havia construído a estrada-de-ferro baiana.

Túnel em Mapelle (sic, 1861)

Túnel em Mapelle (sic, 1861)

Entretanto, o retorno de Mulock à terra natal foi infeliz. Além de doente, ele também ficou melancólico e chegou a ser internado num asilo durante os primeiros meses de 1863. Benjamin Robert Mulock conseguiu fugir do asilo em 7 de junho de 1863, mas foi atropelado por uma carroça de carga durante a fuga. O engenheiro e fotógrafo não resistiu aos ferimentos do acidente e morreu cinco dias mais tarde, com apenas 34 anos de idade.

Panorâmica de Salvador (1860)

Panorâmica de Salvador (1860)

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...