Vista da Acrópole de Atenas (1865)

Vista da Acrópole de Atenas (1865)

Como outros artistas plásticos de sua época, este pintor e professor grego converteu-se em fotógrafo e abriu o primeiro estúdio fotográfico de seu país.

Reconhecido como o primeiro fotógrafo grego, Philippos (ou Filippos) Margaritis nasceu em Smyrna (atual Turquia) em 1810. Com a eclosão da Guerra de Independência Grega (1821-29), sua família transferiu-se para Roma. Depois de passar alguns estudando pintura e litografia na Itália, retornou à Grécia em 1837, abrindo um ateliê antes de ser nomeado professor da Escola de Belas-Artes da Grécia, onde deu aulas de Desenho Básico até 1863.

Margaritis entrou em contato com a fotografia em 1846-47, quando o fotógrafo francês Philibert Perraud esteve de passagem por Atenas. No ano seguinte, o professor grego passou a fazer experimentos com uma câmera de daguerreótipo oferecida à Escola de Belas-Artes (possivelmente por Perraud): sua primeira foto foi do Partenon. Embora tenha continuado a dar aulas de desenho, Margaritis abriu seu primeiro estúdio — o primeiro da Grécia — em 1849, no jardim de sua casa, na Praça Klafthmonos. Extra-oficialmente, ele também deu instruções sobre fotografia (mas não sobre revelação) aos seus alunos da Escola de Belas-Artes.

Partenon em daguerreótipo de 1847: uma das primeiras fotos da Grécia

Partenon em daguerreótipo de 1847: uma das primeiras fotos da Grécia

Apesar de ter começado com o daguerreótipo, Margaritis manteve-se atualizado, adotando as novas técnicas fotográficas que conhecia em suas frequentes viagens ao exterior, como o calótipo e o albúmen. Em 1855, foi membro do comitê organizador do pavilhão grego da Exposição Mundial de Paris, onde expôs suas imagens da Acrópole. Como outros pintores convertidos em fotógrafos de sua época, ele coloria muitas de suas imagens à mão, com notável precisão e detalhe (essas imagens coloridas manualmente, porém, não parecem ter sobrevivido).

Templo de Zeus Olímpico (daguerreótipo, 1847)

Templo de Zeus Olímpico (daguerreótipo, 1847)

Inicialmente voltado ao registro dos monumentos clássicos da Grécia, Margaritis aos poucos passou a fazer fotos mais contemporâneas, como retratos de homens e mulheres vestidos em trajes típicos regionais, políticos e membros da corte real, além de veteranos da Guerra de Independência Grega.

Templo Atena Nike (1860)

Templo Atena Nike (1860)

Após aposentar-se do magistério, suas viagens tornam-se ainda mais frequentes, obrigando-o a encontrar sócios para manter o funcionamento do seu estúdio ateniense. Assim, começou uma sociedade com os pintores Ioannis Constantinou em 1870 e com Ioannis Lambakis em 1880. Seus últimos anos foram dedicados mais às viagens, aos negócios e ao seu estúdio do que à prática fotográfica. Philippos Margaritis faleceu em 1892, aos 82 anos, enquanto visitava a irmã em Wurzburg, Áustria. Algumas de suas pinturas fazem parte do acervo da Galeria Nacional da Grécia. Poucos de seus registros fotográficos parecem ter sobrevivido ou sido digitalizados, mas o J. P. Getty Museum (EUA) possui algumas de suas fotografias disponíveis on-line.

Capitão Gouras (óleo sobre tela, 1843): antes de conhecer a fotografia, Margaritis estava trabalhando em retratos de figuras e acontecimentos históricos

Capitão Gouras (óleo sobre tela, 1843): antes de conhecer a fotografia, Margaritis estava trabalhando em retratos de figuras e acontecimentos históricos

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...