Ou você achava que era apenas a condensação da água na atmosfera?

São Paulo – Pode parecer que em pleno ano de 2011 ainda é possível encontrar horóscopos e todo tipo de notícias bizarras em jornais, que poderiam ser desmentidas com 2 cliques no Google, mas não é por burrice que isto acontece. Nossos repórters descobriram como funciona a rede internacional de notícias envolvendo lunáticos e o que parece ser o maior plano de inclusão já promovido pela mídia.

Se você acha absurdo ver a televisão dedicar espaço a esse tipo de notícia relevante, saiba que não é por acaso. Normalmente, o que pode ser atribuído à estupidez seria facilmente explicado assim, mas não é o caso deste tipo de notícia. Entenda como situações que poderiam ser explicadas com bom senso ou uma lanterna são deliberadamente veiculadas para que todos tenham acesso ao conhecimento.

“Pode parecer que os jornalistas e editores responsáveis por este tipo de notícia são pessoas que ligariam para serviços de ‘Trago Amado em 3 dias’, só que é proposital.”, explicou o autor anônimo de notícias de um famoso portal de internet, que descreveu a rede de médiuns e paranormais criada para gerar explicações ridículas para eventos mundanos. Segundo averiguamos, na verdade trata-se de uma grande preocupação dos veículos de notícia com aqueles que morreriam de fome se capim fosse amarelo, “Nossa intenção é não deixar ninguém de fora do que acontece pelo mundo. Se escrevemos uma notícia completa, apenas com fontes confiáveis, as camadas da sociedade com QI de ambeba seriam excluídas do que se passa.”

Assim, basta conseguir uma declaração absurda para que o fato se torne mais atraente e compreensível. Afinal, para o público alvo, é muito mais fácil a vida se originar em outro planeta, e a evolução de lá gerar um animal muito próximo de todos que temos aqui, com a mesma disposição de órgãos e mesma necessidade de temperatura e oxigênio, ele cruzar o universo em tempo hábil para chegar aqui ainda vivo, aterrizar discretamente na Terra e ficar desnorteado o suficiente para ser entrevistado, é mais provável do que uma fraude.

E parece que esta estratégia ainda tem apelo em camadas mais inteligentes da sociedade, repetindo a tática de restaurantes com cardápios com erros ortográficos grosseiros e deliberados, para que clientes se sintam melhores e gastem mais, como explicou um dos jornalistas do G1 portal: “Quem tem um mínimo de entendimento das coisas percebe que se trata de uma asneira, e se sente mais inteligente ao criticar. Conseguimos fazer até comentaristas do Youtube se sentirem gênios.”

Segundo o entrevistado, esta escola de escrita criada por tablóides ingleses no século XVIII, só foi trazida para o Brasil na década de 1950, e popularizada por grandes revistas de variedades, “A Veja, por exemplo, se tornou a maior revista em circulação no Brasil simplesmente escrevendo besteiras absurdas. O que você acha que mantém pessoas como o Datena no ar?” explicou ele, mostrando como até o Patrick poderia ser incluído ao ver TV.

Portanto, se você espera mais inteligência dos meios de notícia, entenda apenas que você não é o público alvo.

Acompanhe nosso infográfico de como notícias aparentemente estúpidas não são escritas por acaso:

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...